Costumes Bíblicos: O PENTATEUCO

Israel Institute of Biblical Studies

CANAL DO SITE

O PENTATEUCO

Acredita-se que o calendário de Gezer
seja uma das inscrições hebraicas mais antigas
 encontradas até o momento.
 A inscrição está em uma tabuleta
 calcária datada de 925 a.C. (foto acima)
APRESENTAÇÃO
Os cinco primeiros livros da Bíblia, conhecidos como Torá ("Lei") ou Pentateuco ("cinco rolos"), formam a primeira unidade literária das Escrituras hebraicas. Eles contam a história das condutas de Deus em relação à raça humana em geral e à raça hebraica especificamente. Ao fazê-lo, esses capítulos registram as ações de Deus na história desde a criação do mundo até a morte de Moisés.
OS CINCO ROLOS:
GÊNESIS (O princípio)
ÊXODO (Saída do Egito)
LEVÍTICO (Caminho da santidade)
NÚMEROS (Jornada pelo deserto)
DEUTERONÔMIO (Renovação da aliança)
Tanto para judeus como para cristãos, esses livros são a fonte da verdade teológica, da moral bíblica e do comportamento ético que lançou as bases da civilização ocidental.
Moses Segal, da Universidade Hebraica de Jerusalém, declarou:
O Pentateuco também é uma ótima literatura, rica em nobres prosas e magníficas poesias, e incomparável nos variados conteúdos de história e legislação, de narrativa e descrição, de instrução e exortação"
Esses livros levam o leitor pelo do túnel do tempo até o início da existência humana e introduzem as seguintes questões fundamentais: Quem somos? De onde viemos? Por que estamos aqui? Eles descrevem os primeiros passos da jornada humana em direção a Deus.
Os cinco livros do Pentateuco são conhecidos, no conjunto, como Torá, palavra hebraica para "lei" ou "ensinamento". Como tal, eles estabelecem as bases para uma teologia bíblica de todo o cânon das Escrituras. Sem esses livros, as pessoas teriam pouca compreensão acerca do restante da Bíblia, pois são neles que se encontra a razão para o chamado de Abraão e a eleição de Israel como resposta de Deus para a situação do mundo caído. Eles introduzem os seguintes conceitos: 
VEJA MAIS AQUI ⇑
OS CINCO LIVROS
GÊNESIS (O princípio) 
ÊXODO (Saída do Egito) 
LEVÍTICO (Caminho da santidade) 
NÚMEROS (Jornada pelo deserto) 
DEUTERONÔMIO (Renovação da aliança) 
Cada livro, por sua vez, introduz o livro seguinte. Gênesis conclui com Israel no Egito. Êxodo descreve a libertação de Israel, que estava no Egito, e a viagem ao monte Sinai. Levítico descreve o sistema religioso de adoração transmitido no Sinai. Números retoma a história da viagem do Sinai a Canaã. E, por fim, Deuteronômio dá instruções para a nova geração, nascida no deserto, enquanto ela prepara-se para entrar em Canaã, em cumprimento das promessas de Deus iniciadas em Gênesis.
Tanto a tradição judaica como a tradição cristã reconhecem a autoria mosaica do Pentateuco, atribuindo esse conjunto de livros ao profeta, legislador e fundador da nação de Israel. Esse é o testemunho unânime dos autores do Antigo e do Novo Testamento, dos rabinos judeus, dos pais da Igreja primitiva, dos estudiosos católicos medievais e dos reformadores protestantes. No entanto, dúvidas sobre a autoria do Pentateuco, levantadas pelo filósofo judeu Benedito Spinoza no século 17 e pelo professor francês de medicina Jean Astruc no século 18, levaram estudiosos alemães a formular a teoria de que múltiplos autores de diversos documentos tiveram seus textos editados para formar o Pentateuco. Conhecida como Hipótese Documentária, a teoria é agora considerada fato por muitos estudiosos críticos.
Os defensores da Hipótese Documentária baseiam-se em vários fatores internos, tais como: estilos literários diferentes, denominações diferentes para Deus (Elohim; Yahweh), dísticos histórias repetidas). Com frequência, eles argumentam que a escrita e o monoteísmo eram desconhecidos na época de Moisés. A expressão clássica da Hipótese Documentária é de Julius Wellhausen (1876-1883). Ele argumentou que editores anônimos compilaram o Pentateuco, muito tempo depois de Moisés, a partir dos quatro documentos seguintes:J (Javista, 850 a.C.), E (Eloísta 750 a.C.), D (Deuteronomista, 621 a.C.) e S (Código Sacerdotal, 525 a.C.).
Pentateuco samaritano.
Os samaritanos consideram apenas
o Pentateuco como Escritura canônica. 
Apesar da aceitação generalizada da Hipótese Documentária, ela, por várias razões, torna-se duvidosa. Primeiro, ela é contrariada pela visão tradicional dos judeus e da Igreja primitiva. Segundo, o próprio Pentateuco declara que Moisés foi o autor (Êx 17.14; 24.4,7; 34.27; Nm 33.1,2; Dt 1.8; 31.9). Terceiro, o restante do Antigo Testamento pressupõe a autoria mosaica do Pentateuco (Js 1.7,8; 8.32,34; 22.5; 1Rs 2.3; 2Rs 13.23; 14.6; 21.8; 1Cr 1.1; Ed 6.18; Dn 9.11-13; Mt 4.4). Quarto, o Novo Testamento designa Moisés como autor do Pentateuco (Mt 19.4-8; Mc 7.10; 12.26; Lc 16.29-31; 20.37; 24.27; Jo 5.46,47; 7.19,23; At 15.1; Rm 10.5,19). Quinto, o Pentateuco reflete uma unidade literária temática que implica um único autor. Sexto, o autor escreve como testemunha ocular de boa parte do conteúdo do Pentateuco, o que seria impossível para um escritor de uma época muito posterior (Êx 15.27; nM 2.1-31; 11.7,8). Sétimo, o escritor demonstra familiaridade com a cultura e a geografia egípcias, o que seria improvável para um escritor de Judá em um momento posterior (Gn 13.10; 16.1-3; 33.18; 39.4; 40.9-11; 41.40,43). A educação egípcia de Moisés certamente o teria qualificado para escrever a Torá. Além disso, arqueólogos descobriram que vários idiomas escritos já existiam muito antes da época de Moisés.
A Hipótese Documentária baseia-se em suposições e evidências infundadas. Os documentos sobre os quais a teoria sustenta-se nunca foram descobertos. Não há evidência arqueológica nem provas históricas extrabíblicas de que tais documentos (J, E, D, S) existiriam. Pelo contrário, descobertas arqueológicas nas proximidades de países do antigo Oriente Próximo no período de Abraão e Moisés contêm leis e costumes semelhantes. Esses achados refutam o pressuposto documentário de que parte do material do Pentateuco é historicamente impossível ou representa a vida em um período muito posterior. Após um exame cuidadoso da teoria, Moses Segal, da Universidade Hebraica, rejeitou-a por "levar a análise do texto longe demais, dividindo passagens homogêneas e até mesmo versículos individuais em fragmentos menores."
Estudiosos evangélicos conservadores reconheceram a probabilidade de que certos elementos menores do Pentateuco tenham sido adicionados mais tarde, como o relato da morte e do sepultamento de Moisés (Dt 34), mas eles acreditam que Moisés foi o principal autor do Pentateuco. E ele, provavelmente, utilizou registros patriarcais antigos (toledoth) para compilar os primeiros capítulos de Gênesis. Portanto, deve ser considerado o principal editor, organizador e autor desse material, conforme declarado no registro bíblico.
Continue seu estudo clicando nos links abaixo. ⇓

GÊNESIS (O princípio)
ÊXODO (Saída do Egito)
LEVÍTICO (Caminho da santidade)
NÚMEROS (Jornada pelo deserto)
DEUTERONÔMIO (Renovação da aliança)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por comentar! Fica na paz!
E peço isto: que o vosso amor cresça mais e mais em ciência e em todo o conhecimento,
Para que aproveis as coisas excelentes, para que sejais sinceros, e sem escândalo algum até ao dia de Cristo;
Cheios dos frutos de justiça, que são por Jesus Cristo, para glória e louvor de Deus.
Filipenses 1:9-11

DESTAQUE NO SITE

A GENEALOGIA DE JESUS

A GENEALOGIA DE JESUS CRISTO veio do Pai (Jo 16.28), mas nasceu de uma mulher (Gl 4.4). Já os textos proféticos expressava essa duali...