Costumes Bíblicos: Judas

Israel Institute of Biblical Studies

Judas

JUDAS 
RESUMO
Uma carta de severa advertência para ajudar os leitores a fazer frente à nefasta influência dos falsos mestres na igreja.
Judas se tornou um dos líderes menos conhecidos com seu irmão Tiago nas primeiras décadas da igreja. Ele tinha a intenção de escrever uma carta doutrinária aos cristãos sobre a salvação. Mas, quando ele descobriu que muitos falsos mestres e pessoas imorais tinham se infiltrado nas igrejas, ele foi guiado pelo Espírito de Deus a dedicar a maior parte desta epístola para advertir os cristãos contra a crescente onda de apostasia. Ao fazer isto, ele deu ao cristianismo uma memorável e robusta descrição do poder protetor de Deus para aqueles que são verdadeiramente Seus.
O autor desta epístola é ele - Judas, irmão mais novo de Jesus e Tiago. A data é desconhecida, mas provavelmente seja de 80 d.C. Ele já estava pensando em escrever, (como citei acima) quando notícias alarmantes sobre falsas doutrinas (veja abaixo) o levaram a escrever, em caráter de urgência, esta breve e enérgica missiva. A carta tem um claro caráter judaico, pois está repleta de referências e alusões ao AT e traz ilustrações de pelo menos duas obras apócrifas judaicas (veja abaixo). Judas estava lidando com uma situação muito parecida com a de 2Pe. Na verdade, boa parte da carta de Judas se assemelha a 2Pe 2. As duas são tão parecidas que, ou uma foi baseada na outra, ou ambas se basearam numa obra anterior em que se combatia os falsos mestres.
Embora quisesse escrever "a respeito da salvação que temos em comum", Judas acabou escrevendo para incentivar os cristãos a permanecerem na verdade. Isto porque "certos indivíduos" se influenciaram no grupo e passaram a criar divisão com seus ensinamentos falsos (1-4). Esses homens eram arrogantes que negavam a Cristo e haviam transformado a liberdade cristã em licenciosidade.
Judas apresenta aos seus leitores exemplos da história e da traição judaica (5-7): aqueles que se desviam ou se entregam ao orgulho e à imoralidade sofrerão o castigo de Deus.
Esses homens desprezavam a autoridade de Deus, mas estavam destinados à destruição - como Sodoma e Gomorra, por sua perversão e imoralidade sexual (7; Gn 19); como Caim, por assassinar o irmão cuja vida desmascarou a dele (11; Gn 4); como Balaão, por trair sua posição de profeta (11; Nm 31.8, 16; veja 2Pe 2.15); e como Corá, por sua rebelião contra a autoridade dada por Deus (11; Nm 16). Os exemplos foram cuidadosamente escolhidos. Essas eram as mesmas coisas das quais os mestres eram culpados.
A intenção de Judas era aumentar a resistência a tais mestres. Os cristãos não são indefesos, mas devem fazer uso pleno de suas defesas. Devem edificar-se na fé santíssima - aquele conjunto definitivo de verdades que aprenderam. Devem orar e valer-se do poder do Espírito Santo. Devem viver à luz do fato de que Cristo virá outra vez. Não é preciso temer ou entrar em desespero, pois Deus é capaz de impedir que eles caiam.
Ora, àquele que é poderoso para vos guardar de tropeçar, e apresentar-vos irrepreensíveis, com alegria, perante a sua glória,
Ao único Deus sábio, Salvador nosso, seja glória e majestade, domínio e poder, agora, e para todo o sempre. Amém.
Judas 1:24,25
Anjos (6) A afirmação sobre os "filhos de Deus" em Gn 6.12-2 levou à crença num conflito, no céu, entre anjos bons e anjos maus. O orgulho e ambição destes teriam levado à sua queda. "O mito grego da destruição dos titãs por Zeus, a lenda zoroástrica da queda de Arimã e seus anjos, e a ampliação rabínica do relato de Gn 6.1 mostram quão difundida era essa crença nos círculos da religião popular. Era uma tentativa de racionalizar as contradições e o mal que há no mundo" (Michel Green). Tratava-se de uma adequada ilustração para a argumentação de Judas.
V.9 A história foi tirada do livro apócrifo Assunção de Moisés. Miguel foi enviado para enterrar Moisés, mas o diabo alegou direito sobre o cadáver, dizendo que Moisés assassinara um egípcio. Para Judas, a resposta prudente de Miguel serve de lição ao povo. Ensina a ter cuidado com as palavras e não tratar o diabo com leviandade.
Festas de fraternidade (12) Na  igreja antiga, a ceia do Senhor ou santa ceia era celebrada no contexto de uma refeição comunitária.
Vs. 14-15 Citação do Livro de Enoque, uma obra apócrifa. Judas tirou suas ilustrações de livros que ele e seus leitores conheciam e respeitavam, assim como das próprias Escrituras.
O AUTOR
SUMÁRIO CRONOLÓGICO
I. Judas, o agnóstico.
  1. Até a ressurreição de Jesus (seu meio-irmão), Judas era incrédulo (Jo 7.3-5).
  2. Ele, provavelmente, era um homem casado (1Co 9.5).
II. Judas, o associado.
Considerando que ele seja o Judas de Atos dos Apóstolos 15.22,23, temos o seguinte.
  1. Ele era um ancião respeitado na Igreja de Jerusalém.
  2. Ele era colega de trabalho de Paulo e Barnabé.
  3. Ele foi escolhido para informar várias igrejas sobre as decisões importantes feitas pelo conselho acerca da circuncisão.
III. Judas, o autor
Ele é o autor da epístola do Novo Testamento que tem seu nome.
DADOS
Pai: José (Mt 13.55).
Mãe: Maria (Mt 13.55).
Irmãos: Tiago, José, Simão (Mt 13.55).
Irmãs: várias, cujos nomes não são mencionados (Mt 13.55).
Citado pela primeira vez na Bíblia: Mateus 13.55.
Citado pela última vez: Judas 1.1.
Significado do nome: "Adoração"
Mencionado: quatro vezes.
Livros da Bíblia que citam Judas: quatro livros (Mateus, Marcos, Atos dos Apóstolos, Judas).
Lugar onde nasceu: provavelmente Nazaré.
Detalhe importante sobre a vida de Judas: ele era o meio-irmão de Cristo e o autor do livro Judas, do Novo Testamento.
"Mas o arcanjo Miguel, quando contendia com o diabo, e disputava a respeito do corpo de Moisés, não ousou pronunciar juízo de maldição contra ele; mas disse: O Senhor te repreenda."
Judas 1:9


DESTAQUE NO SITE

O CASAMENTO DO CORDEIRO

Quais são os fatos acerca do casamento do Cordeiro? A. As referências das Escrituras envolvidas. a) Esse casamento é descrito ...

MAIS ACESSADOS