COSTUMES BÍBLICOS: abril 2024


A PÁSCOA DOS JUDEUS - Pêssach

A Páscoa, também conhecida como Pessach, é o feriado judaico de 8 dias celebrado no início da primavera que comemora a emancipação dos israelitas da escravidão no antigo Egito.

A HISTÓRIA DA PÁSCOA(RESUMIDA)

A Páscoa comemora a libertação milagrosa dos israelitas da escravidão no Egito. É um momento para refletir sobre a humildade, a energia Divina e o potencial para milagres.
Após décadas de escravidão aos faraós egípcios, Deus viu a angústia dos israelitas e enviou Moshê ao Faraó para exigir sua libertação. Apesar dos numerosos avisos, o Faraó recusou-se a acatar a ordem de Deus. Deus então infligiu ao Egito 10 pragas devastadoras. No final, a resistência do Faraó foi quebrada e ele praticamente expulsou seus ex-escravos da terra.

Durante a última das 10 pragas, a morte dos primogênitos egípcios, Deus poupou os filhos de Israel, “passando por cima” de suas casas – daí o nome do feriado. (Páscoa-Pêssach-Passagem-Passando por cima)
Conforme contado na Bíblia, depois de muitas décadas de escravidão aos faraós egípcios, durante as quais os israelitas foram submetidos a um trabalho árduo e a horrores insuportáveis, Deus viu a angústia do povo e enviou Moshê ao Faraó com uma mensagem: “Envie Meu povo, para que me sirvam”. Mas apesar dos numerosos avisos, o Faraó recusou-se a acatar a ordem de Deus. Deus então enviou ao Egito dez pragas devastadoras, afligindo-os e destruindo tudo, desde o gado até as colheitas.
À meia-noite do dia 15 de Nissan do ano 2.448 da criação (1.313 AEC), Deus visitou a última das dez pragas sobre os egípcios, matando todos os seus primogênitos. Ao fazer isso, Deus poupou os filhos de Israel, “passando por cima” de suas casas – daí o nome do feriado. Os israelitas partiram com tanta pressa, de fato, que o pão que assaram como provisões para o caminho não teve tempo de crescer. Seiscentos mil homens adultos, além de muito mais mulheres e crianças, deixaram o Egito naquele dia e começaram a jornada até o Monte Sinai e seu nascimento como povo escolhido de Deus.
Nos tempos antigos, a observância da Páscoa incluía o sacrifício do cordeiro pascal, que era assado e comido no Seder na primeira noite do feriado. Este foi o caso até o Templo de Jerusalém ser destruído no primeiro século.

COMO É CELEBRADA A PÁSCOA?

Menino judeu segurando uma matzá
Foto: Acervo Chabad.org -
a foto foi tirada antes da celebração
O destaque da Páscoa é o Seder, celebrado em cada uma das duas primeiras noites do feriado. O Seder é uma tradição familiar de quinze passos e uma festa repleta de rituais.
Os pontos focais do Seder são:
  • Comer matzá.
  • Comer ervas amargas — para comemorar a amarga escravidão sofrida pelos israelitas.
  • Beber quatro xícaras de vinho ou suco de uva — uma bebida real para celebrar nossa liberdade recém-adquirida.
  • A recitação da Hagadá , liturgia que descreve detalhadamente a história do Êxodo do Egito. A Hagadá é o cumprimento da obrigação bíblica de contar aos nossos filhos a história do Êxodo na noite da Páscoa. Começa com uma criança fazendo as tradicionais “ Quatro Perguntas ”.
O que torna esta noite diferente de todas as [outras] noites? (Abaixo as "Quatro Perguntas")👇 (Fonte: Chabad.org)
  • 1) Em todas as noites não precisamos mergulhar nem uma vez, nesta noite fazemos isso duas vezes?
  • 2) Em todas as noites comemos chametz ou matzá , e nesta noite só matzá ?
  • 3) Em todas as noites comemos qualquer tipo de verdura, e nesta noite maror ?
  • 4) Todas as noites comemos sentados ou reclinados, e nesta noite todos reclinamos ?
Os sábios de Israel em [Yalkut Shimoni] diz: (Sob a questão de tratar bem e com paciência, as crianças)👇

Moisés disse a Josué : “Esta nação que te confio ainda são cabritos, ainda são crianças. Não se irrite com eles pelo que fazem, pois o Mestre deles também não se irritou com eles pelo que fizeram.” Como está escrito: “Quando Israel era jovem, eu o amei; do Egito convoquei meu filho.”
Quando Israel se rebelou contra D'us no Mar dos Juncos, os anjos disseram a D'us : “Eles estão se rebelando e provocando, mas Tu estás em silêncio?!”
D’us disse aos anjos: “Eles são crianças. E não se irrita com crianças. Assim como uma criança sai suja do útero e depois é lavada, assim também Israel: 'Eu lavei o teu sangue de cima de ti. Ungi-te com óleo e vesti-te com roupas bordadas. . .'”
( Ez 16:9-10 )

Durante a Páscoa, o chametz (pão fermentado) é estritamente evitado e, em vez disso, é consumido matzá. O destaque é o Seder, [O Seder é uma festa repleta de rituais de 15 etapas, realizada nas duas primeiras noites da Páscoa. Envolve comer matzá e ervas amargas, beber quatro xícaras de vinho ou suco de uva e pedir às crianças que façam as Quatro Perguntas. A Hagadá {livro que reconta a história do êxodo, a partir do qual o seder da Páscoa é conduzido}, uma liturgia que detalha a história do Êxodo, é o guia.] uma festa repleta de rituais realizada nas duas primeiras noites, durante a qual comemos matzá, [matzá – pão achatado e sem fermento – é um componente central da Páscoa.] bebemos quatro taças de vinho, reclinamos e contamos a história da nossa liberdade. [as Quatro Taças, não é um requisito bíblico, nem envolve qualquer requisito bíblico – é de origem inteiramente rabínica. Reclinar-se e mergulhar, por outro lado, embora não sejam requisitos bíblicos em si, estão ligados aos requisitos bíblicos: reclinar-se é feito enquanto se cumpre a mitsvá bíblica da matzá; e mergulhar, pelo menos o segundo, envolve ervas amargas, também uma mitsvá bíblica nos tempos do Templo]
A noite do Seder de Pessach é na verdade “apenas” o primeiro e emocionante momento crítico em um drama que se desenrola que dura cinquenta dias. Não é o fim de algo: Pessach é muito mais o começo de algo.
A partir da noite seguinte à noite do Seder, os judeus observantes começam a contar. E conte. E conte. Conforme ordenado em Levítico 23:15-16, contam o seu caminho dia após dia durante as “sete semanas” e depois até o 50º dia de Shavuot (Festa das Semanas). Esta é a fonte da celebração cristã do Pentecostes 50 dias após o Domingo de Páscoa. Em Shavuot, os judeus celebram a entrega da Torá por Deus a Moisés e aos filhos de Israel no Sinai.

"A liberdade física e a redenção são extremamente necessárias, mas não suficientes. Devemos sempre olhar para a conclusão deste processo que vem com a liberdade espiritual que vem de seguir a Deus após a nossa redenção física."(Faydra Shapiro-IBC)

Com certeza, Pêssach é uma solenidade que deu a Israel uma identidade, um legado e uma responsabilidade para com as nações. A história do resgate da escravidão à liberdade, da morte para a vida, fará parte toda a narrativa bíblica. O povo do Eterno (judeus e não-judeus) celebra Pêssach não apenas para lembrar do passado, mas para renovar nossa esperança na futura redenção anunciada por Yeshua e pelos profetas.
Mil e quatrocentos anos após o êxodo do Egito, Yeshua foi a Jerusalém com Seus discípulos para celebrar o Pêssach. Ele e Seus discípulos já haviam celebrado o Pêssach em Jerusalém muitas vezes, porém, essa celebração seria diferente das outras. Quando se aproximaram de Jerusalém, Yeshua disse: “O meu tempo está próximo; em tua casa celebrarei a Páscoa com os meus discípulos.” (Mt 26:18).
Horas antes do povo de Israel oferecer o sacrifício de Pêssach no Templo, Yeshua se tornou um sacrifício espiritual - o cordeiro da Páscoa que tira o pecado do Mundo. Quando o povo judeu sacrificava em lembrança do resgate do Egito, Yeshua foi à cruz. Quando obedecemos a instrução apostólica e celebramos o Pêssach como a Igreja do 1° século fazia, lembramos da salvação histórica do Egito e também da salvação que nos foi concedida pelo sacrifício de Yeshua. Somos confrontados com a necessidade de desenvolver a nossa santidade, abrindo mão de toda prática pecaminosa e nos revestindo do matzá da bondade e da sinceridade do Eterno. Paulo escreve: “Lançai fora o velho fermento, para que sejais nova massa, como sois, de fato, sem fermento. Pois também o Messias, nosso Cordeiro pascal, foi imolado. Por isso, celebremos a festa não com o velho fermento, nem com o fermento da maldade e da malícia, e sim com o matzá da sinceridade e da verdade.” (1Co 5:7-8)


Chag Pêsssach Sameach - Feliz Festa de Pêssach!

O Deus de Israel tem um nome pessoal

"...Deus é aquele com quem você conversa quando as coisas ficam difíceis, o único que realmente sabe o que está em seu coração, e também o único, dada a Sua posição, que pode realmente cuidar de qualquer problema. ..."

Como Moisés aprendeu na sarça ardente, o Deus de Israel tem um nome pessoal. Depois de dizer a Moisés para retornar ao Egito e libertar seu povo da escravidão, o Senhor diz: “Assim dirás aos filhos de Israel: 'יהוה ( yhvh ) o Deus de seus antepassados, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque. , e o Deus de Jacó me enviou a vocês. Este será o meu nome para sempre e este será o meu memorial geração após geração.” (Êxodo 3:15). Tal como acontece com todas as outras divindades do antigo Oriente Próximo – como “Baal” de Canaã (por exemplo, Números 25:3-5) ou “Quemosh” de Moabe (por exemplo, Juízes 11:24) – o Deus de Israel revela um apelido pessoal ; e o nome deste Deus é composto de apenas quatro letras hebraicas: יהוה ( yhvh ). No entanto, em toda a Bíblia, os seres humanos acrescentam nomes à lista de nomes divinos. Muitas vezes, os nomes que as pessoas dão a Deus oferecem uma visão mais profunda do título que Deus revela a Moisés e destacam a intervenção e a salvação do Senhor no relacionamento com o povo escolhido.

O significado do nome de Deus, conforme revelado a Moisés, está aberto ao debate. As quatro letras - às vezes chamadas simplesmente de “Tetragrammaton” (grego para “quatro letras”) – são fundamentadas na declaração de Deus “Eu sou quem eu sou” (אהיה אשר אהיה; eheyeh asher eheyeh ; Êxodo 3:14). Basicamente, então, יהוה ( yhvh ) refere-se de alguma forma ao ser ou existência de Deus. No estudo do nome de Deus e nas tentativas de traduzir o título divino, os estudiosos investigaram a história da pronúncia do nome de Deus. É costume que os judeus praticantes evitem pronunciar o nome de Deus hoje, e essa evitação tem uma história antiga. O próprio Jesus sugere que não se deve invocar o nome pessoal ao fazer o juramento (ver Mateus 5:33-44) porque invocar esse nome e deixar um juramento não cumprido traria condenação para quem faz o juramento. Outro Jesus – Jesus ben Sira – afirma o mesmo muito antes de Yeshua, o Messias, nascer, dizendo: “Não habitues a tua boca a juramentos nem pronuncies habitualmente o nome do Santo... A pessoa que sempre jura e pronuncia o O nome nunca será purificado do pecado... Se ele jurar em erro, seu pecado permanecerá sobre ele, e se ele desconsiderar [um juramento], ele peca duplamente” (Eclo 23:9-11). Ambos os Jesuses destacam o poder de pronunciar o nome de Deus, o que pode ter consequências negativas para aqueles que o utilizam indevidamente (cf. Êxodo 20:7). Por esta razão, além de uma postura de reverência a Deus, os judeus modernos se abstêm de pronunciar o nome de Deus.
Contudo, os israelitas descritos nas Escrituras invocavam o nome pessoal de Deus em oração. Na verdade, um salmo atribuído a Moisés declara: “יהוה ( yhwh ), volte-se [para nós]! Quanto tempo? Tenha compaixão de seus servos. Sacia-nos pela manhã com a tua fidelidade à aliança, para que nos regozijemos e nos alegremos todos os nossos dias” (Sl 90:13-14). Segundo a Bíblia, Moisés não se esquivou de pronunciar o nome de Deus. Outras figuras bíblicas dão novos nomes a Deus que lembram aos leitores o cuidado de Deus para com Israel e o desejo divino de libertá-los. Por exemplo, Hagar “nomeou יהוה ( yhwh ) que falou com ela [dizendo], 'Tu és El-Roi (אל ראי)'” – um nome que significa: o Deus que me vê (Gênesis 16:13). Este título prenuncia o que Deus diz a Moisés imediatamente antes de o Senhor lhe revelar o nome pessoal na sarça ardente: “Eu certamente vi (ראה ראיתי; raoh raiti ) a aflição do meu povo que está no Egito... e eu vim desceu para livrá-los da mão dos egípcios” (Êxodo 3:7-8). Quando Hagar chama o Deus de Israel de aquele que “vê”, esta denominação alude ao nome pessoal que o Senhor revelará mais tarde a Moisés. Embora possamos não saber o significado preciso do nome de Deus hoje, a Bíblia nos aponta e entende o significado de יהוה; Este nome divino não apenas significa um Deus santo e compassivo que vê quando a humanidade está sofrendo, mas também comemora a ideia de que os seres humanos – como Hagar, Moisés e aqueles que seguem seus passos – podem interagir com o Deus de Israel para promulgar a salvação no mundo.

VINTE E UM NOMES DE DEUS USADOS PELOS JUDEUS

D’us tem muitos títulos [É costume inserir um travessão no nome de D'us quando escrito ou impresso em um meio que possa ser desfigurado.]
“D'us” é uma palavra europeia relativamente nova de origem proto-germânica. Em hebraico, são usados ​​vários títulos, cada um com um significado diferente de acordo com a circunstância.
Os judeus não tem permissão para apagar ou destruir um título de D'us, escreveremos os títulos abaixo com hífens entre as letras. Observe que eles(judeus) não pronunciam esses títulos em voz alta sem uma boa razão para fazê-lo (por exemplo, ao orar ou dizer uma bênção antes ou depois de comer).
Até mesmo dizer: “Oh meu D'us!” levianamente é considerado desrespeitoso e altamente desencorajado. [Temos muito o que aprender com esse maravilhoso povo!!!]
Tal como acontece com a maioria dos tópicos, há muita discussão sobre a que se referem esses títulos. Forneceremos algumas das interpretações mais comuns aqui.

Sete Nomes

YHVH (י–ה–ו–ה): Este é o único título referido como o nome de D'us, e não simplesmente um título descritivo.
Só é pronunciado no Templo na bênção sacerdotal, ou pelo Sumo Sacerdote quando este entra no Santo dos Santos . Como o Templo não está atualmente em funcionamento em Jerusalém , nunca o pronunciamos hoje. Em vez disso, substituímos o nome A-do-nai.
Isto está de acordo com as instruções de D’us a Moshê . Quando D'us finalmente disse a Moshê para dizer aos israelitas este Seu nome, Ele concluiu: “Este é o Meu nome para sempre, e é assim que serei mencionado por todas as gerações”.
A palavra hebraica para “para sempre” está escrita de tal forma que também pode ser lida como “ocultar”. Conseqüentemente, as palavras podem ser lidas: “Este meu nome deve ser escondido”. Como podemos esconder isso? Substituindo outro nome ao lê-lo em voz alta.
Embora, como afirmado, seja um nome e não uma descrição, ainda contém significado. É uma conjunção do verbo “ser”, combinando o particípio presente e a forma imperfeita. Na prática, isso significa que combina o presente com o passado e o futuro. D’us é imutável, atemporal – além do tempo.
Alternativamente, é um verbo causativo, que significa “Aquele que causa o ser”. 
E-lo-him: Este título refere-se a D'us como Ele é poderoso e poderoso, capaz de realizar qualquer coisa em qualquer lugar. É o primeiro título que aparece nos Cinco Livros de Moshê e não se aplica apenas a D'us. Os anjos, quando autorizados a agir como agentes divinos, às vezes também recebem este título.
Outro significado é que D'us é o D'us supremo. Também é usado para seres humanos quando atuam como juízes.
Este título aceita sufixos possessivos, o que significa que você pode dizer:

meu D'us: E-lo-hai


nosso D'us: E-lo-hai-nu


seu D'us: E-lo-heh-cha


seu D'us: E-lo-hai-hem

…e assim por diante com outras formas possessivas.
A-don-ai: “Adon” significa “mestre”, então este título fala de D'us como mestre do universo e de todas as Suas criaturas.
Sha-da'i: Várias explicações foram dadas para este título. Uma é que se refere a D'us enquanto Ele controla e manipula o mundo natural.
El: Isso se refere a D'us, pois Ele é gentil e atencioso com Suas criaturas. Também significa que D'us é um poder superior. Novamente, também é usado em referência a seres humanos, como em “Ele tomou os homens fortes (ellim) da terra”.  Aceita o sufixo possessivo para primeira pessoa do singular: “E-li” para “meu D'us”.
Eh-he-yeh: Quando Moshê perguntou a D'us Seu nome para que Ele pudesse contar aos israelitas que haviam falado com ele, D'us respondeu: “Eh-he-yeh asher Eh-he-yeh,” que significa “ Serei quem serei” ou “Sou quem sou”. Isto significa que todos esses títulos simplesmente se referem às modalidades de D’us, enquanto Ele mesmo está além de qualquer título.
Outra interpretação, que se enquadra no contexto da narrativa: “Estou com você na sua angústia e sempre estarei com você em todos os momentos de angústia”. 
Este título também é considerado um título sagrado que não pode ser apagado. Refere-se a D'us como Ele está além de todas as coisas.
Tze-va-ot ["ADONAI-Tz'vaot", que significa, "SENHOR das Hostes"-1Samuel 1.11(BJ);Tehillim/Salmos 24.10]: Este título foi introduzido por Chana(Hannah=Ana) , mãe de Samuel . Sempre aparece junto com outro título.

Outros títulos usados ​​para D'us em hebraico incluem:

Shalom: Paz. Paz é um nome de D'us. No Livro dos Juízes, Gideão constrói um altar e o dedica a “YHVH Shalom”. Isso não significa “O D'us da paz”, significa “D'us que é Paz”.
Como não mencionamos nenhum nome usado para D’us em lugares impuros, como um banheiro, os rabinos do Talmud ensinaram que se você encontrar alguém em tal lugar, você não deve cumprimentá-lo com a saudação comum: “ Shalom” . Aleichem !" (que significa: "A paz esteja com você!").
E se o nome do seu amigo for Shalom? Você pode dizer: “Cuidado com o pé, Shalom!” no banheiro masculino, ou isso também não está bem?
A pergunta foi feita, e o consenso é que já que você está falando com seu amigo e não com D'us, você está bem.
Harachaman: O Misericordioso ou Compassivo. Em aramaico é Rachmana .
Hakadosh Baruch Hu: O Santo, bendito seja Ele. Em aramaico é Kudesha Berich Hu .
Shechiná: Quando a presença de D'us é sentida em um lugar, dizemos “a Shechiná está aqui”.
Hamakom: Literalmente “o lugar”. Os sábios de Israel explicam que “Ele é o lugar do mundo, mas o mundo não é o Seu lugar”. Significado: Ele não é outro ser dentro do mundo. Em vez disso, o mundo existe dentro Dele.
Ein Sóf Infinito: Comumente usado como referência a D'us principalmente por Cabalistas e Mestres Chassídicos, mas também em algumas obras filosóficas do final do período espanhol. Ohr Ein Sof é traduzido como “Luz Infinita” e também é usado, embora, começando com R. Schneur Zalman de Liadi , tenha passado a ser entendido como “a luz do Infinito”, uma vez que o próprio D'us não pode ser descrito nem mesmo por tais palavras. uma abstração indescritível como luz infinita .
Atik Yomin: Ancião dos Dias. Retirado de um versículo de Daniel 14 ,este termo é comumente usado pelos Cabalistas quando discutem D'us, já que Ele está totalmente removido de todas as coisas e, ao mesmo tempo, está na essência de todas elas. Os ensinamentos do Baal(Aquele que é adorado) Shem Tov vieram da essência do Atik Yomim. Também conhecido como “o começo que não pode ser conhecido”.
Ribono Shel Olam: Mestre do Mundo. Não requer agendamentos. Comum na oração, tanto formal quanto informal. Uma mãe judia frustrada pode olhar para o céu e exclamar: "Ribono Shel Olam! Eu fiz a minha parte! Agora, por favor, cuide desta criança."
Hashem: Isto significa simplesmente “o nome”. Não é um título real, apenas um espaço reservado.
Os judeus de língua iídiche comumente se referem a D'us de diversas maneiras. Além de usar termos hebraicos e a palavra “ G-tt ”, que significa “D'us”, eles também usam vários outros termos. Aqui estão dois:

Oybershter (ou Aybishter): Aquele acima.

Bashefer: Criador

Entre os sefarditas de língua ladina , D'us é referido como Di-os. e os judeus de língua árabe simplesmente dizem Al-lah.

(O Texto foi montado e editado aqui por Costumes Bíblicos, usando pedaços de artigos publicados originalmente em Israel Bible Center e em Chabad.org)

A estranha bênção de Jacó para seu filho Dã

Há um texto intrigante e enigmático sobre Dan na Torá. Na bênção final de Jacó sobre seus filhos em Gênesis 49, Dã é comparado a uma “serpente” (נָחָשׁ; nachash ) no caminho. Qual poderia ser o significado desta estranha bênção concedida por um pai moribundo a um filho?
O texto diz: “Dã julgará seu povo como uma das tribos de Israel. Dã será uma serpente no caminho, uma víbora com chifres no caminho, que morde os calcanhares do cavalo e faz cair o seu cavaleiro para trás. Pela Tua salvação, eu espero, Senhor.” (Gênesis 49:16-18 NASB)
Os escritores cristãos do século III dC Hipólito de Roma ( Sobre o Gênesis ) e Tertuliano ( Sobre a Ressurreição da Carne ) entenderam a comparação Dan-serpente como sugerindo que, nos últimos dias, o Anticristo viria da tribo de Dan. Para estes primeiros pais da igreja, a bênção bíblica também era uma previsão da apostasia de Dã. Em suas Homilias no Gênesis , Orígenes espiritualizou Dã como a imagem do próprio pecado.

É disso que se trata esta bênção? É realmente uma maldição? Não é surpreendente que as pessoas interpretem esta analogia como uma espécie de comparação negativa e depreciativa. As cobras muitas vezes carregam conotações negativas para a maioria das pessoas, e é tentador vincular esta imagem da “serpente” (נָחָשׁ; nachash ) àquela do Éden. No entanto, embora as cobras sejam criaturas do caos, de acordo com a literatura do Antigo Oriente Próximo, elas não estão automaticamente ligadas ao mal ou ao pecado.
Na verdade, nem todas as imagens de cobras na Bíblia são negativas. Na história do Êxodo, por exemplo, o bastão de Moisés transformou-se numa serpente para chamar a atenção do Faraó (Êx 7:10). Além disso, no deserto, os israelitas foram curados de uma praga ao olharem para uma serpente numa haste (ver Números 21:9). Em Mateus 10:16, Jesus instrui seus discípulos a “serem astutos como as serpentes” – ele não teria sugerido com uma comparação se as cobras são inequivocamente más.

imagem

Assim, há boas razões para pensar que a comparação de Dã com uma cobra é uma referência positiva ao poderio militar de Dã. A imagem da serpente é uma ilustração da capacidade da tribo de lutar e ferir soldados inimigos a cavalo. No texto, quando a serpente morde, o cavaleiro “cai para trás” (Gn 49:17). No paralelismo poético, Dan também é comparado a uma "víbora" ou a uma "cobra com chifres" (שְׁפִיפֹן, shefifon ). De acordo com Rashi, este nome especial está ligado ao som sibilante desta cobra em particular – um som que pretende ser um aviso ameaçador ao inimigo. Nesse contexto, Dan pode ser visto como um defensor. As serpentes rastejam pelo chão e sentem as vibrações dos cascos dos cavalos que se aproximam à distância. Eles emitem um som de alerta e então atacam para se defenderem.
Uma vez compreendida a imagem da serpente, não há nada de negativo na bênção. “Dã julgará seu povo” é um jogo de palavras em hebraico, com “Dã” (דָּן) soando como a palavra “julgar” (יָדִין; yadin ). Rashi acreditava que esta era uma previsão sobre Sansão, o famoso juiz da tribo de Dan. Um juiz é uma posição de honra. O final da bênção em Gênesis refere-se à “salvação” divina (יְשׁוּעָה; yeshuah ; 49:18). À luz do imaginário militar, esta observação oferece aos leitores um novo ângulo interpretativo: Dan é uma serpente, um lutador formidável, mas a salvação ainda vem do Senhor. A bênção de Jacó elogia seu filho Dã, mas em última análise exalta Deus sobre todos os futuros inimigos de Israel.

Mais sobre a tribo israelita, DAN:

Rachel nomeou o primeiro filho de sua babá Bilhah , Dan , um nome que incorpora a qualidade da justiça. Julgamento e justiça tratam de estabelecer limites e manter a objetividade para evitar confusão. A civilização baseia-se na justiça das suas leis e na sua capacidade de traçar linhas claras entre o certo e o errado.
A tribo de Dan, a última tribo a viajar na formação de acampamento no deserto do país, tinha a tarefa de coletar todos os itens deixados para trás. São eles que navegam nas fronteiras e, mantendo as distinções, tecem um ponto de vista objetivo e justo.
Números 8-12 descreve o acampamento do povo judeu no deserto e a maneira como eles viajaram. Depois de ouvirem o sinal soado por trombetas de prata especiais, as 12 tribos de Israel armaram o acampamento, alinharam-se numa ordem designada e marcharam para o deserto. A tribo de Dã sempre marchava por último.
O trabalho deles era ficar na retaguarda e recolher quaisquer objetos deixados para trás — meias desaparecidas, talvez, ou crianças perdidas. Eles pegaram depois de todo mundo.
Não é um papel muito glorioso. Não é tão impressionante quanto liderar as tribos, como Judá , ou carregar os vasos sagrados, como os levitas . Mas era um trabalho que precisava ser feito.
DANITAS: além de manter o departamento de retirada de bagagens, os danitas também administravam um tipo diferente de “achados e perdidos”. Há algo que as pessoas podem perder quando estão na frente, absorvendo toda a glória. Eles podem perder a perspectiva. Eles podem perder a sensibilidade para com os outros e a consciência de sua própria falibilidade. Os danitas conseguiram devolver isso às tribos que estavam na frente. Estavam em último lugar, mas estavam na corrida, de olho no gol. Sem qualquer alarde, eles fizeram o que precisava ser feito e permaneceram focados nas necessidades dos outros. Com uma mistura maravilhosa de auto-anulação e auto-estima, eles não sentiam necessidade de progredir. Eles sabiam que estavam fazendo exatamente o que Deus precisava deles.
(Este estudo foi montado e editado aqui, por Costumes Bíblicos, com partículas de artigos publicados originalmente em Israel Bible Center e Chabad.org)

Postagem em destaque

GOG E MAGOG - ESCATOLOGIA JUDAICA

A Garganta de Darial antes de 1906. FOTO:   As  Portas de Alexandre  foram uma barreira lendária construída por Alexandre, o Grande no Cáuca...