COSTUMES BÍBLICOS: agosto 2023


O Significado de "Expiação" e "Pecado" no Hebraico

Expiação e Pecado No Hebraico Bíblico
Os leitores de Levítico saberão que os sacrifícios de animais fazem “expiação” pelos pecados de Israel. É comum que os leitores de inglês entendam o objetivo da expiação analisando as partes superficiais da palavra: “at-one-ment”. Ou seja, o sangue do animal através do sacrifício coloca Deus e a humanidade “um” no seu relacionamento. Contudo, não é isso que o hebraico subjacente significa. Em vez de indicar uma ruptura reparada na relacionalidade divino-humana, a linguagem original de Levítico refere-se à purificação do pecado através do sangue.
No pensamento bíblico, “pecado” ( חטא ; hatta ) é uma substância física que se apega aos pecadores e os sobrecarrega com um peso mortal. O pecado é uma mancha pegajosa e poluente que pode aderir aos seres humanos, ao altar, ao templo e até mesmo à própria terra. É por isso que a “expiação” deve ser feita pelo altar (por exemplo, Êxodo 29:36-37) e a terra deve ser expiada após um assassinato (ver Números 35:33). Se não for controlada, a placa do pecado pode tornar-se tão volumosa que pode construir-se no templo e expulsar Deus da morada sagrada. Como o Senhor disse a Ezequiel: “Filho do homem, você vê o que [meu povo] está fazendo, as grandes abominações que a casa de Israel está cometendo aqui, para me afastar do meu santuário?” (Ezequiel 8:6). Quando Deus tem que deixar o templo devido ao pecado recebido (ver Ez 11:22-23), esta ausência divina deixa o templo aberto ao ataque, razão pela qual os babilônios conseguiram saquear Jerusalém e destruir o templo de Salomão em 586 AEC.

Quando pensamos em “pecado”, podemos imaginar um conceito abstrato que afeta o pecador psicológica, emocional e espiritualmente. Embora o pecado possa nos impactar dessas maneiras, no pensamento hebraico, o pecado é algo muito mais concreto. De acordo com os antigos israelitas, o pecado é um peso físico real – um fardo pesado que o pecador deve carregar.
A ideia do pecado como um fardo a carregar aparece pela primeira vez quando Caim mata Abel. Depois de cometer esse crime contra seu irmão, “Caim disse ao Senhor: 'Meu pecado ( עון ;ʻâvôn (aw-vone')) é grande demais ( גדול ; gadol ) para ser carregado ( נשא ; nâsâʼ (naw-saw') )” (Gn 4:13). O pecado se manifestou como um grande peso sobre os ombros de Caim, e como o assassinato de outro ser humano está entre os mais graves de todos os pecados, porque fomos feitos à imagem de Deus (Gn 9:6), Caim reclama que o pecado que se apegou a si mesmo nas costas é grande demais para ele suportar.
A compreensão do pecado como um fardo dá sentido ao ritual sacrificial de Israel no Dia da Expiação: “Arão porá ambas as mãos sobre a cabeça do bode vivo e confessará sobre ele todas as iniquidades ( עונות ; avonot ) de Israel… colocando eles na cabeça do bode vivo…. O bode carregará ( נשא ; nâsâʼ (naw-saw') ) sobre si todas as suas iniqüidades ( עונות ; avonot ) para uma região árida” (Lv 16:21-22). O bode leva sobre si os pecados de Israel e os carrega fisicamente para longe do povo. Este método de remover o pecado, levando-o embora, prefigura Yeshua carregando nossos pecados na cruz: “Ele mesmo levou nossos pecados no madeiro, para que morramos para o pecado e vivamos para a justiça” (1 Pedro 2:24).
A palavra hebraica traduzida como “expiar” é כפר ( kipper ), que significa “purgar” ou “expurgar”. O ato de expiação não é sinônimo de “restauração de relacionamento” – embora as relações divinas-humanas adequadas sejam um corolário da expiação. Em vez disso, expiar é purificar o povo e a terra do seu pecado poluente e livrar-se da entidade pesada que se infiltrou no mundo de Deus. Levítico diz que no Dia da Expiação “a purgação ( יכפר ; yekhaper ) será [feita] para você para purificá-lo, e você será limpo diante do Senhor de todos os seus pecados ( חטאתיכם ; hattotekhem )” (Levítico 16:30) . Uma vez expurgado o pecado, Deus perdoa os pecadores com base nessa expiação. Quando Mateus diz que Yeshua “salvará o seu povo dos seus pecados” (1:21), o Evangelho significa que Jesus “derramará” o seu próprio “sangue” (26:28) para eliminar o fardo da iniqüidade. 
(O texto foi montado, editado e modificado aqui por Costumes Bíblicos com partes de artigos publicados originalmente em Israel Bible Center)

Os Zelotes e a Destruição de Jerusalém e de seu Segundo Templo

Zelotes extremistas contra Zelotes Moderados!
Este trecho da Guerra Judaica de Josefo descreve as lutas internas dos fanáticos entre si durante uma revolta contra Roma e Agripa II (século I dC). Menahem ben Yehudah, que é muito possivelmente o mesmo que Menahem, o Essênio, tornou-se extremamente violento contra outros judeus, e isso fez com que Eleazar ben Yair e outros temessem a possibilidade de sua futura liderança. Josefo e fontes rabínicas atribuíram a destruição de Jerusalém e seu Templo à violência brutal, derramamento de sangue prolongado e ódio infundado entre outros judeus. Este trecho descreve as ações dos judeus revolucionários contra outros judeus enquanto buscavam a liberdade da dominação romana. De muitas maneiras, o texto de Josefo ressoa com as advertências de Jesus nos Evangelhos sobre ódio, violência, destruição iminente e guerra.

“Um certo Menahem, filho de Judas, chamado Galileu, atuou como comandante e levou alguns dos homens notáveis ​​com ele, e foi para Massada, (434) onde quebrou o arsenal do rei Herodes e deu armas não apenas para seu próprio povo, mas também para bandidos. Ele os designou como guardas e voltou de maneira real a Jerusalém; assim, ele se tornou o líder da rebelião e deu ordens para continuar o cerco à cidade. (435) Mas eles queriam ferramentas adequadas, e não era prático minar a parede, porque as flechas caíram sobre eles de cima. Mas ainda assim, eles cavaram um poço, de uma grande distância, sob uma das torres e a fizeram cambalear, e tendo feito isso, eles incendiaram o que era combustível e o deixaram. (436) E quando as fundações foram queimadas abaixo, a torre desabou. No entanto, eles encontraram ainda outra parede que havia sido construída dentro; os sitiados (forças de Agripa II) perceberam de antemão o que estavam fazendo, e provavelmente a torre tremeu ao desabar, então eles fugiram para outra fortificação. (437) Os sitiados pensaram que o inimigo já havia vencido ... então eles abandonaram seu acampamento ... e fugiram para as torres reais: um chamado Hippicus, um chamado Phasaelus e outro chamado Mariamne. (440) Menahem e seu grupo atacaram o local de onde os soldados estavam fugindo e mataram o máximo que puderam antes de chegarem às outras torres, saquearam o que deixaram para trás e incendiaram seu acampamento. Isso foi executado no sexto dia do mês Gorpiaeus [Elul]. (441) No dia seguinte, o sumo sacerdote foi pego onde estava escondido, morto em um aqueduto, junto com Ezequias, seu irmão, pelos bandidos. Assim, as forças revolucionárias sitiaram as torres e as mantiveram vigiadas, para que os soldados não pudessem escapar. (442) [Vocês percebem, agora, um dos vários motivos pelos quais o Rabino Yeshua(Jesus), estava sempre levando Seus discípulos para lugares menos povoados e um pouco mais tranquilo? Onde Ele pudesse ensinar-lhes o verdadeiro sentido da Torá e da Lei e passar-lhes o Seu Ministério? Ele era singular! Ninguém pregava e ensinava como Ele! No meio de uma sociedade diversa, onde grupos guerreavam contra grupos com o mesmo objetivo: de proteger a Nação e a Lei, mas por meios completamente reprováveis; por assim dizer!] Agora, a derrubada dos lugares de força e a morte do sumo sacerdote Ananias, encorajaram tanto Menahem que ele se tornou incontrolavelmente cruel, pois pensava que não tinha oponentes para disputar a administração dos negócios com ele, ele não era melhor que um tirano; (443) mas Eleazar e seu partido, quando as palavras foram trocadas entre eles, como não era apropriado quando eles se revoltaram contra os romanos, pelo desejo de liberdade, apenas para trair essa liberdade para qualquer um de seu próprio povo e para ter um mestre que, embora não devesse ser culpado de violência, era mais cruel do que eles. Visto que eram obrigados a designar alguém para administrar os assuntos públicos, era melhor dar esse privilégio a outra pessoa do que a ele. Então eles o agrediram no templo (444) porque ele subiu lá para adorar de maneira cerimonial, adornado com roupas reais e tinha seus seguidores com ele em suas armaduras. (445) Mas Eleazar e seu grupo o atacaram, assim como o resto das pessoas na cidade, e pegando pedras, eles as jogaram no comandante e esperando que se ele encontrasse seu fim, toda a revolta desmoronaria. (446) Menahem e seu grupo resistiram por um tempo, mas quando perceberam que a multidão da população da cidade os estava atacando, eles fugiram, e aqueles que foram capturados foram mortos… (447) Alguns deles correram para Massada, entre os quais Eleazar, filho de Jarius, que era parente de Menahem, e ele próprio atuou como tirano em Massada depois. (448) Quanto ao próprio Menahem, ele fugiu para o lugar chamado Ophla onde eles se esconderam em segredo, mas eles o pegaram vivo e o trouxeram para fora antes de tudo, atormentaram-no de várias maneiras, e afinal, eles finalmente o mataram, como fizeram com os capitães que estavam sob ele também... (Josefo, mas os outros não tinham pressa em pôr fim à guerra contra os romanos, mas esperavam processá-la com menos agressividade agora que mataram Menahem. (Josefo, mas os outros não tinham pressa em pôr fim à guerra contra os romanos, mas esperavam processá-la com menos agressividade agora que mataram Menahem.

Os Zelotes e a Última Páscoa no Segundo Templo

Em homenagem à Páscoa , muitos judeus de toda a Judéia arriscaram suas vidas para fazer sua peregrinação a Jerusalém , chegando um pouco antes do exército romano que se aproximava rapidamente. Quando chegaram, encontraram uma cidade dividida entre facções em guerra, mesmo com os romanos à vista.
Uma improvável aliança de fariseus e saduceus – os quais não queriam envolver os romanos na guerra – controlava grandes áreas da cidade. Os Sicarii, liderados por Simon ben Giora, controlavam grande parte da Cidade Alta e partes da Cidade Baixa. Os zelotes, divididos entre si, controlavam a área do Templo : uma facção moderada, liderada por Eleazar ben Simon, acampava no próprio complexo do Templo, enquanto os zelotes extremos, liderados por Yochanan de Gush Chalav, acampavam no Monte do Templo - entre os moderados zelotes e os saduceus.
Os zelotes moderados abriram generosamente as portas do Templo para que os judeus pudessem entrar e oferecer seus sacrifícios pascais. Mas os extremistas, fingindo ser judeus vindo oferecer sacrifícios, também entraram. Uma vez lá dentro, eles sacaram suas espadas e começaram a matar moderados, bem como judeus visitantes. [Aí está, mais uma referência que prova que não foram os judeus que assassinaram Jesus, e, sim, as lideranças de facções extremistas disfarçadas de judeus religiosos e praticantes - Leia também: A Religião Judaica na época do Novo Testamento] Não querendo aumentar o pânico entre as massas de judeus no Templo, os moderados não reagiram. Assim, os extremistas assumiram o controle de toda a área do Templo. A facção de Eleazar ben Simon foi eliminada e parece que ele morreu.
(Josefo, Guerra 2. 433-249, tradução de Whiston, modificada por Pinchas Shir em Israel Bible Center/e partes de publicações enviados em Chabad.org-Montado com algumas alterações e editado aqui por Costumes Bíblicos)

Postagem em destaque

Os Crentes Gentios Permanecem para sempre Distintos do Povo de Israel!

Os antigos comentaristas crentes posteriores ao Novo Testamento tendiam a ver os membros da igreja multinacional como um “novo” ou “verdadei...