COSTUMES BÍBLICOS: 2021


NATAL E, finalmente, o Natal é um feriado pagão?

O NATAL É PAGÃO?
Vou começar este artigo com o anúncio do Anjo Gabriel a Zacarias!
A história do nascimento de Jesus tem como palco Jerusalém, capital da teocracia judaica, e o episódio que o antecede - o nascimento de seu precursor, João Batista - é anunciado no interior do Templo, ou seja, no próprio palácio do Deus de Israel, e durante uma das cerimônias mais solenes  do culto sagrado: o oferecimento do incenso (símbolo das orações do povo judeu) no Lugar Santo (Lc 1.8-20).
Nenhum lugar do mundo poderia ser mais apropriado para este glorioso acontecimento que, de maneira tão íntima, une o grande drama da Antiga Aliança com o drama muito maior da Nova! O anjo Gabriel, na função de embaixador celestial, anunciou ao sacerdote Zacarias um grande acontecimento: o nascimento de João Batista; e em breve anunciaria a Maria o maior de todos os acontecimentos: o nascimento de Jesus o Messias de Israel!!
Tudo começou...

O anúncio do nascimento daquele que converteria muitos dos filhos de Israel ao Senhor, seu Deus, e iria adiante dele no espírito e virtude de Elias [...] com o fim de preparar ao Senhor um povo bem disposto (Lc 1.17), ocorreu à hora do sacrifício chamado perpétuo, que era oferecido duas vezes por dia: pela manhã, à hora terceira (9 horas da manhã), e à tarde, à hora nona (3 horas da tarde).
Lucas não informa se o episódio que ele narra aconteceu pela manhã ou à tarde; todavia, o mais provável é que tivesse acontecido pela manhã, porque nessa ocasião o sacrifício perpétuo revestia-se de maior grandiosidade. (Outros autores entendem que foi à tarde, como na ocasião em que o mesmo Gabriel aparecera a Daniel, predizendo o advento do Messias. Ver Dn 9.20-21.)
Mesquita erguida no lugar
 onde existiu o Templo de Jerusalém,
no interior do qual o anjo Gabriel
anunciou a Zacarias o nascimento
de João Batista (Lc 1.5-23)
Na aurora - cujo aparecimento era anunciado oficialmente por um sacerdote que subia e tocava o chifre de carneiro [shofar] no pináculo mais elevado do sagrado edifício -, reinava no átrio superior do Templo viva animação com os preparativos daquele ritual. Os sacerdotes que estavam de serviço naquele dia, em número de uns cinquenta, reuniam-se na sala chamada gazzith, e ali, para evitar competições e eleições arbitrárias, a sorte decidia qual haveria de ser a função de cada um.
O Talmude nos proporciona interessantes pormenores sobre essa distribuição dos ofícios. O mestre de cerimônias, depois que seus colegas se haviam colocado em círculo ao redor dele, escolhiam um número aleatoriamente (por exemplo, 12,25,32). Levantava em seguida, ao acaso, a tiara de um dos sacerdotes, com a qual indicava por quem começaria a contagem e, seguindo o círculo, ia contando até chegar ao sacerdote a quem correspondia aquele número; ele ficava designado para a cerimônia em questão.
O ritual de incensação foi mostrado a João no Tabernáculo celestial: E veio outro anjo e pô-se junto ao altar, tendo um incensário de ouro; e foi-lhe dado muito incenso, para pôr com as orações de todos os santos sobre o altar de ouro que está diante do trono. E a fumaça do incenso subiu com as orações dos santos desde a mão do anjo até diante de Deus (Ap 8.3,4)
[...]Esta bela cerimônia simbolizava, portanto, a adoração e as súplicas dos santos, do Israel de Deus, subindo à Sua Presença (Sl 141.2), e era parte do ritual de oferecimento do sacrifício perpétuo, [este ritual acontecia no interior do Lugar Santo, sobre o altar de ouro, e, como era uma honra tal acesso e tarefa, era algo mui desejado pelos sacerdotes].

E, finalmente, o Natal é um feriado pagão? (Curiosidades do Hebraico Bíblico)

Vamos começar com uma imagem um pouco escura. Em nenhum lugar das Sagradas Escrituras somos informados sobre uma celebração que comemora o nascimento de Cristo Jesus. Nada nas Escrituras nos dá qualquer evidência segura sobre a data desse magnífico evento. 
A falta de especificidade bíblica sobre os fatos que cercam o nascimento do Rei da Judéia contrasta fortemente com os detalhes disponíveis sobre sua morte (cada um dos quatro Evangelhos fornece o tempo exato da morte de Jesus).
No final do século II, o padre da Igreja grega, Orígenes, zombava das celebrações anuais dos aniversários de nascimento romanos, descartando-as como práticas profundamente pagãs. Isso sugere que as comunidades cristãs ainda não celebravam o Natal durante a vida de Orígenes (c.165-264) . A primeira figura da igreja a discutir a data do nascimento de Jesus foi Clemente (c. 200), um pregador egípcio de Alexandria. Porém, 25 de dezembro nem sequer foi mencionado. Em meados do século IV, no entanto, descobrimos que as igrejas ocidentais já estavam celebrando o nascimento de Cristo em 25 de dezembro, enquanto as Igrejas Orientais o fez em 07 janeiro th .
Como os primeiros cristãos chegaram a isso?
Surpreendentemente, a igreja primitiva seguia uma ideia muito judaica - que o início e o fim de importantes eventos redentores aconteciam frequentemente na mesma data (Talmud Babilônico, Rosh Hashaná 10b-11a). No início do terceiro século, Tertuliano relatou que desde que ele sabia exatamente quando Jesus morreu (14 th de Nissan ou 25 de março), ele também sabia exatamente quando ele foi concebido! Ele provavelmente estava errado em suas conclusões, mas pelo menos agora podemos ver como eles chegaram à data do Natal.
A lógica era a seguinte: Se Jesus foi concebido em 25 de março, então contando os 9 meses de gravidez de Maria colocaria Seu nascimento em 25 de dezembro. Isso é especialmente intrigante porque 1º de janeiro costumava ser celebrado como o Dia da circuncisão de Cristo (8 dias a partir da noite de 24 de dezembro).
É muito importante notar que não foi até a 4 ª -6 ª séculos da Era Comum que os cristãos começaram a “cristianizar” as celebrações pagãs locais dos povos que procuraram para evangelizar. Não há dúvida de que foi nessa época, mas não antes, que o Natal começou a adquirir algumas de suas tradições pagãs. Porque? Porque até c.300-320 EC, os cristãos travavam uma guerra contracultural com os pagãos do mundo romano e persa. Consequentemente, eles ainda não estavam com disposição para adaptações culturais.
Visto que 25 de dezembro, como a suposta data do nascimento de Cristo, circulou 100-150 anos antes do início da prática de “cristianizar” as celebrações pagãs, não é razoável concluir que essa data foi adotada para agradar aos pagãos romanos, como sugere a teoria da conspiração popular.
É verdade que em 274 EC um imperador romano declarou 25 de dezembro como “O Dia do Sol Invicto” ( Sol Invictus ). No entanto, isso aconteceu cerca de 70 anos depois que os cristãos estabeleceram o dia 25 de dezembro como sua data de Natal. (Além disso, o próprio decreto pode ter sido emitido para ajudar a erradicar a celebração cristã recém-criada). Antes de responder à nossa pergunta principal, acho que devemos responder algumas perguntas relacionadas:

O Natal é um feriado bíblico ?

Não. Não foi ordenado por Deus na Bíblia.

A celebração do Natal contém elementos de origem pagã?

Absolutamente. Não há nenhuma dúvida sobre isso.

25 de dezembro é a data correta para a celebração do Nascimento?

Possível, mas altamente improvável.

E, finalmente, o Natal é um feriado pagão?

Não há nada de pagão em especular que 25 de dezembro é o aniversário de Jesus.

Impreciso?

Provavelmente.

Pagão?

Não

COMO O NATAL SALVOU A FESTA DAS LUZES DOS JUDEUS; CONHECIDA TAMBÉM COMO HANUKKAH 

No mês de dezembro, em países com considerável população cristã e judaica, dois feriados podem ser notados claramente. Natal, que comemora o nascimento de Jesus Cristo, e Hanukkah, que celebra o milagre que aconteceu por volta de 160 aC no Templo de Jerusalém na época da Revolta dos Macabeus.
O Natal como feriado não aparece no Novo Testamento porque o próprio feriado foi introduzido algum tempo depois dos eventos que comemora. Hanukkah não é mencionado na Bíblia Hebraica porque os eventos que ocorreram também aconteceram depois que a Bíblia Hebraica foi concluída. Ironicamente, embora o Hanukkah, também conhecido como Festa da Dedicação ou Festival das Luzes, não seja encontrado na Bíblia Hebraica, ele é encontrado no Novo Testamento. Em João 10:22, somos informados de que Jesus subiu a Jerusalém e “naquela época a festa da dedicação aconteceu em Jerusalém”.
Durante grande parte da história judaica posterior, o Hanukkah foi um feriado marginal e não foi amplamente comemorado. A razão para isso foi que o evento milagroso que celebrou foi ofuscado pela tragédia da subsequente e total destruição do Templo de Jerusalém há quase 2.000 anos.
Então, como é que Hanukkah voltou com tanto sucesso? Uma das respostas tem a ver com a comercialização do Natal. À medida que o Natal se tornou dominante em sua exibição comunitária, a comunidade judaica teve que apresentar sua própria alternativa para evitar a assimilação (para a qual a magia e a beleza do Natal sem dúvida contribuíram). Agora, para o bem ou para o mal, as cores branco e azul do Hanukkah competem e aumentam as cores tradicionalmente vermelhas e verdes da tradição do Natal ocidental . As histórias judaicas e cristãs estão conectadas mesmo quando tentam não estar.

O Significado da Manjedoura 

De acordo com Lucas, Maria deita seu filho recém-nascido em uma manjedoura (2: 7). Enquanto os presépios tendem a representar esta manjedoura como um berço intocado, cheio de palha, uma manjedoura era na verdade um comedouro para animais como burros e bois - um lugar menos que intocado, na verdade. Lucas destaca a manjedoura não apenas para ressaltar o início humilde de Jesus, mas também para prenunciar a Última Ceia, quando o Messias realizaria um ato simbólico ao oferecer seu próprio corpo como alimento para aqueles que o seguem. A manjedoura serve como um objeto profético que apresenta Yeshua ao mundo e aponta para sua morte salvífica para a salvação daquele mundo.
Logo após o nascimento de Jesus, Maria “o envolveu em panos e o deitou numa manjedoura (φάτνη; phátne )” (2: 7). Quando o anjo do Senhor aparece aos pastores, o mensageiro de Deus diz-lhes: 'Porque hoje vos nasceu na cidade de David um Salvador, que é o Messias o Senhor. E isso será um sinal para você: você encontrará um bebê embrulhado em panos e deitado numa manjedoura (φάτνη; phátne ) '”(2:12). Em resposta ao anjo, os pastores declaram: “Vamos a Belém e vejamos isto que aconteceu, que o Senhor nos deu a conhecer. E foram com pressa e encontraram Maria e José, e o bebê deitado em uma manjedoura (φάτνη; phátne) ”(2: 15-16). Assim, a manjedoura de Jesus desempenha um papel importante na narrativa do nascimento de Lucas: é o primeiro local terreno que Jesus encontra depois de deixar o abraço de sua mãe e serve como um "sinal" (σημεῖον; semeion ) de Deus que os pastores usam para identificar seus Messias.
Posteriormente no Evangelho, a referência de Jesus a uma manjedoura revela sua função como comedouro de animais. Yeshua pergunta ao chefe de uma sinagoga: “Cada um de vocês, no sábado, não desamarra seu boi ou jumento da manjedoura (φάτνη; phátne ) e o leva para regá -lo?” (Lc 13,15). É apropriado que Jesus tenha sido colocado neste tipo de recipiente para comida ao nascer, visto que ele nasceu em Belém ( בית לחם ; Beit Lechem ) que, em hebraico, significa “Casa do Pão / Comida”. No entanto, a função da manjedoura também antecipa as palavras de Jesus na Última Ceia: “Ele tomou o pão (ἄρτος; artos), e quando ele deu graças, quebrou-o o deu [aos discípulos], dizendo: 'Este é o meu corpo, que foi dado por vocês ”(Lc 22:19). O menino Jesus se deita em uma manjedoura, e essa imagem se completa quando ele oferece um alimento que representa seu próprio corpo. Desta forma, Lucas encerra o Evangelho com alusões a Jesus como “alimento” que simboliza as boas novas de salvação para todos os que dele participam.
(O texto foi montado e também inspirado por artigos maiores, publicados em Israel Bible Center, que oferece muitos detalhes sobre este e vários outros tópicos incrivelmente espetaculares que você pode estar ganhando em se matricular nos cursos do Hebraico Bíblico. Para acessá-lo, clique AQUI )

A Advertência de JESUS "A menos que..."

A MENOS QUE...
No Sermão da Montanha há um contrate na justiça do Reino do céu com a justiça dos escribas e fariseus. De acordo com Jesus, a verdadeira justiça não pode ser definida seguindo-se uma lista de coisas que devem ou não ser feitas (Mt 5.20). Não só temos que evitar o assassinato, o adultério e a quebra dos votos. Precisamos também evitar as causas destes pecados: a ira, a lascívia, e o desejo de manipular a verdade (Mt 5.21-26; 28-30; 33-37).

A Sua Advertência: (Ap 22.18,19)

(*)Jesus disse aos seus seguidores : “ … a menos que a vossa justiça ultrapasse a dos escribas e fariseus, não entrareis no reino dos céus ”. (Mat.5: 20) Na reconstrução tradicional, as pessoas chamadas de “escribas e fariseus” estavam entre os judeus mais sagrados. Mas foi realmente assim?
Primeiro, a maioria dos escribas era conhecida por fazer alterações nos textos. Jesus até emitiu um aviso para preservar as palavras originais com precisão, pois os futuros escribas copiariam o texto: “ se alguém acrescentar ... e se alguém tirar as palavras do livro desta profecia, Deus tirará sua parte da árvore da vida ... ”(Apocalipse 22: 18-19). Mesmo que os escribas não fossem considerados de forma negativa como os cobradores de impostos, seu nível de retidão não era considerado alto por muitos.
Em segundo lugar, os fariseus também não eram considerados os mais justos de todos os judeus, pelo menos por alguns. Mais notavelmente por essênios cujos escritos, a coleção de Manuscritos do Mar Morto, em parte preserva. Os essênios acreditavam que os fariseus venderam Jerusalém aos gregos e conspiraram com os inimigos de Deus para comprometer a santidade de seu templo. Para deixar seus pontos de vista claros, eles chamavam os fariseus de “buscadores das coisas suaves” ( דורשי החלקות ) em vez de seu próprio nome preferido de “buscadores dos caminhos (de Deus)” ( דורשי ההלכות ). Em suma, esses judeus (essênios) também não se importavam muito com a justiça farisaica (4Q169).
À luz desses exemplos, devemos concluir que as palavras de Jesus devem ser interpretadas literalmente - o nível de justiça dos escribas e fariseus não era suficiente para entrar no Reino de Deus. Muito mais era necessário.(* este texto é parte de um artigo publicado pelo Dr.Eli Lizorkin-Eyzenberg em Israel Bible Center e editado aqui por Costumes Bíblicos - Conheça os Cursos de Hebraico Bíblico)
"A vida diária também daria às palavras de Yeshua mérito na verdade. Em meu país, {Inglaterra}os políticos de posição especialmente elevada parecem estar em um barco semelhante aos escribas e fariseus. Como fazem em muitos países, enganam e mentem e continuam a chamar isso de diplomacia ou política em nome do eleitorado. Essa atitude e suas estratégias dão continuidade ao processo e projetam as ações fora da política, para os outros, acreditando que sejam aceitáveis. Não importa se na política, negócios, saúde ou educação. Yeshua sugere que Deus se ofende com esses atos e, portanto, não devemos seguir tais atos."[Por Geoffrey Flather]
Mateus 5 ao 7 é chamado de sermão da montanha porque Jesus entregou-o em uma colina próxima a Cafarnaum. Este sermão provavelmente durou vários dias de pregação.
Quando Jesus anunciou que o Reino estava próximo (Mt 4.17), as pessoas naturalmente perguntaram: "Como posso qualificar-me para estar no Reino dos Céus?" No sermão da montanha, Jesus desafiou os orgulhosos e legalistas líderes religiosos da época. Isso relembrou-os das mensagens dos profetas do Antigo Testamento, que, assim como o Mestre, ensinaram que a sincera obediência é mais importante que a prática legalista.
Jesus também disse que o Reino de Deus tem prioridades diferentes das dos reinos mundanos. Os cidadãos do Reino celeste buscam bênçãos e benefícios diferentes e têm atitudes diferentes. No Reino dos Céus,riqueza, poder e autoridade não são muito importantes - mas a fiel obediência é.
Poucos comentários são necessários para descrever o triste estado da cristandade de hoje. Diversos grupos que descaradamente se autodenominam cristãos parecem preferir o comunismo à democracia, encorajar a imoralidade, apoiar a anarquia, minimizar todas as doutrinas bíblicas importantes, ridicularizar aqueles que creem na Bíblia e, de modo geral, cumprir a previsão de Paulo: tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela (2Tm 3.5)

Um breve artigo sobre a Torá nos Evangelhos Judaicos sobre os erros de interpretação de Hebreus 7.12; 18-19 (*)

Não é incomum ouvir as pessoas dizerem que Hebreus ensina que os mandamentos mosaicos são fracos e inúteis, e que Jesus fez uma aliança melhor que substituiu as antigas leis de Moisés. Mas é esta a verdadeira mensagem de Hebreus? Um olhar mais atento à carta revela que o autor não descarta toda a Torá à luz de Yeshua; em vez disso, Hebreus mostra como Jesus representa os sacrifícios sacerdotais que não podiam mais ser feitos após a destruição do Segundo Templo.
É verdade que Hebreus menciona uma “mudança” na Lei de Moisés: “Porque, quando o sacerdócio é mudado, necessariamente ocorre uma mudança da lei…. Pois, por um lado, há uma anulação de um mandamento anterior por causa de sua fraqueza e inutilidade. (pois a Lei nada aperfeiçoou) e, por outro lado, há a introdução de uma esperança melhor, por meio da qual nos aproximamos de Deus ”. (Hebreus 7:12, 18-19 NASB)
Esses versículos são freqüentemente usados ​​para demonstrar que a Lei foi posta de lado como algo obsoleto. É simples, dizem alguns: Yeshua é um novo sacerdote que muda a Lei! Mas devemos esclarecer o contexto em que nosso autor se refere aos mandamentos. Aqui está uma dica ... Hebreus tem alguns mandamentos sacerdotais muito específicos em mente. Se perdermos ou ignorarmos esse contexto crucial, com certeza compreenderemos mal o significado do escritor. A passagem acima de Hebreus não discute a validade ou utilidade da Torá em geral. Esses versículos estão interessados ​​apenas no papel do Messias em relação ao sacerdócio levítico.
Uma análise do contexto mais amplo é útil. Hebreus 4 fala de entrar no descanso da aliança de Deus , o Shabat do tempo do fim de Deus, a presença do Senhor. O capítulo 5 afirma que Yeshua é um Sumo Sacerdote superior em comparação com os sacerdotes terrestres, e o capítulo 6 compara Jesus com o sacerdote real Melquisedeque. Finalmente, o capítulo 7 destaca como as tradições de Melquisedeque se relacionam com os ensinamentos sobre o Messias. Assim, Hebreus 4-7 não trata de toda a Lei de Moisés, nem estabelece uma dicotomia entre Jesus e a Torá. Em vez disso, esses capítulos enfocam uma discussão sobre o sacerdócio, que constitui apenas uma parte da Lei de Moisés.
O restante de Hebreus também destaca conceitos como sacerdócio e sacrifício. O Capítulo 8 explora as facetas do sacerdócio de Jesus e da Nova Aliança. Hebreus 9 e 10 proclamam a superioridade da Nova Aliança e delineiam os benefícios do sacrifício de Yeshua de seu próprio corpo. Toda essa discussão sacerdotal não questiona a validade da Torá, mas sim destaca o papel único de Yeshua como um sumo sacerdote eterno.
Portanto, aqui estão as perguntas que os leitores precisam fazer: “ Qual lei está sendo mudada em Hebreus 7:12?” e "Quais mandamentos são fracos em Hebreus 8:18?" Certamente, nem todos eles! Em vez disso, o escritor de Hebreus está preocupado em como Jesus se relaciona com os mandamentos para os sacerdotes de Israel. Quando o hebraico diz que Jesus “pôs de lado” (ἀθέτησις; ateteisis ) um mandamento anterior (7:18), a ordem pertence ao serviço sacerdotal. Hebreus menciona a “fraqueza” ou “falta de perfeição” (ἀσθενής, astheneis ) nesses mandamentos porque os sacerdotes humanos são humanos e, portanto, imperfeitos (ver Hb 10: 1).
Além disso, é provável que Hebreus tenha sido escrito após a destruição do Segundo Templo em 70 EC, o que tornou os sacrifícios não mais possíveis. Portanto, nosso autor de cartas está oferecendo aos leitores uma maneira de assegurar uma expiação contínua após o Templo terrestre: como exaltado sumo sacerdote celestial, Jesus ofereceu a si mesmo como um sacrifício “uma vez por todas” pelo pecado (cf. Hb 7:27; 9:26 ; 10:10). Dessa forma, Jesus realmente cumpre os mandamentos sobre o sacrifício e a expiação dados aos levitas; embora a cessação do sacerdócio após 70 tenha manifestado sua fraqueza e fragilidade, Yeshua fortalece e estende a longevidade do sistema sacrificial. Hebreus não descarta a Torá como obsoleta ou inútil, mas se dirige a um mundo sem os sacrifícios habituais e mostra como Jesus serve como um sumo sacerdote eterno no céu que faz expiação para sempre. (* Por Pinchas Shir)

ANALOGIA DE PAULO CONTRA SATANÁS

Analogia que Paulo emprega para ilustrar uma proteção adequada do crente contra Satanás (Ef 6.10-17)
Paulo usa a analogia de uma armadura vestida por soldado romano para ilustrar uma proteção adequada do crente contra Satanás.

O CINTO DA VERDADE (v.14).

Satanás é um mentiroso (Jo 8.44), mas o crente cuja vida é controlada pela verdade irá derrotá-lo. O cinto mantém juntas as outras partes da armadura, e a verdade é a força de integridade na vida do crente vitorioso. Um homem íntegro, com uma consciência limpa, pode enfrentar o inimigo sem medo. O cinto também segura a espada. A não ser que pratiquemos a verdade, não poderemos usar a Palavra da verdade.

A COURAÇA DA JUSTIÇA (v.14).

Essa parte da armadura, feita de chapas de metal ou correntes, cobria o corpo, do pescoço à cintura, na frente e atrás. Ela simboliza a justiça do crente em Cristo (2Co 5.21) assim como sua vida justa em Cristo (Ef 4.24). Satanás é o acusador, mas ele não pode acusar o crente que está vivendo uma vida justa no poder do Espírito. A vida que vivemos pode fortalecer-nos contra os ataques de Satanás ou tornar mais fácil para derrotar-nos (2Co 6.1-10). Quando Satanás acusa o crente, é a justiça de Cristo que garante ao crente a salvação. Mas, posicionar nossa justiça em Cristo, sem praticar justiça na vida diária, apenas dá a Satanás uma oportunidade de atacar-nos.

OS CALÇADOS [..] DO EVANGELHO (v. 15).

O soldado romano usava sandálias com travas na sola para dar-lhes uma melhor tração na batalha. Se formos lutar e resistir, então precisamos dos calçados do evangelho. Por termos a paz de Deus (Rm 5.1) que vem do evangelho, não precisamos temer o ataque de Satanás ou do homem. Devemos estar em paz com Deus e com o próximo se quisermos derrotar o diabo (Tg 4.1-7). Mas os calçados têm outro significado. Devemos estar preparados todos os dias para compartilhar o evangelho da paz em um mundo perdido. O crente mais vitorioso é um crente que testemunha. Se calçarmos o calçado do evangelho, então teremos os "suaves pés" mencionados em Isaías 52.7 e Romanos 10.15. Satanás declarou guerra, mas eu e você somos embaixadores da fé (2Co 5.18-21), e, sendo assim, levamos o evangelho da paz para onde quer que formos.

O ESCUDO DA FÉ (v.16).

O escudo era grande, geralmente, com 1,2m, feito de madeira e coberto com couro bruto. Quando o soldado o segurava à sua frente, ele o protegia de lanças, flechas e dardos inflamados. Os cantos do escudo eram construídos de forma que toda uma fileira de soldados poderiam acoplar os escudos e marchar em direção ao inimigo como um muro sólido. Isso sugere que nós, crentes, não estamos na batalha sozinhos. A fé mencionada aqui não é a fé que salva, mas a fé que vive, uma confiança nas promessas e poder de Deus. A fé é uma arma defensiva que nos protege dos dardos inflamados de Satanás.
Nos dias de Paulo, flechas embebidas em alguma substância inflamável e, depois, acesas, eram atiradas contra o inimigo. Satanás lança dardos inflamados em nosso coração e mente: mentiras, pensamentos blasfemos e de ódio contra o próximo, dúvidas e desejos ardentes pelo pecado. Se não apagarmos esses dardos por meio da fé, eles irão acender um fogo interior e desobedeceremos a Deus. Nunca sabemos quando Satanás irá lançar um dardo contra nós, então devemos sempre andar em fé e usar o escudo da fé.

O CAPACETE DA SALVAÇÃO (v. 17).

Satanás quer atacar a mente, a forma que derrotou Eva (Gn 3; 2Co 11.1-3). [Embora essa serpente, no original Hebraico, não se aplica a Satanás. Na verdade, nas Escrituras  do original, hebraico, não se sabe a origem de Hasatan {Satanás em hebraico}. Apenas nas nossas traduções do Inglês.] O capacete refere-se à mente controlada por Deus [...] [E]le tem um papel vital no crescimento, serviço e vitória do crente. Quando Deus controla a mente, Satanás não pode desviar o crente. O crente que estuda as doutrinas das Escrituras Sagradas não será desviado tão facilmente. Precisamos ser por Deus ensinados, como está a verdade em Jesus (Ef 4.21). Devemos crescer na graça e conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo (2Pe 3.18). Sempre que Paulo ministrava, ele ensinava aos novos convertidos as verdades da Palavra de Deus, e esse capacete protegia-os das mentiras de Satanás.

A ESPADA DO ESPÍRITO (v. 17).

Essa espada é a arma ofensiva que Deus nos dó. O soldado romano usava no cinto uma espada curta que era utilizada para combate a curta distância. Hebreus 4.12 compara a Palavra de Deus à espada, porque é afiada e capaz de perfurar o homem interior assim como a espada física fura o corpo [...].
Uma espada física perfura o corpo, mas a Palavra de Deus perfura o coração. Quanto mais você usa uma espada física, mais cega ela fica; mas usar a Palavra de Deus apenas a torna mais afiada em nossa vida. Uma espada física exige a mão de um soldado, mas a espada do Espírito tem poder próprio, pois é viva, e eficaz (Hb 4.12). O Espírito escreveu a Palavra, e o Espírito empunha a Palavra quando a tomamos pela fé e a colocamos em uso. Uma espada física fere para causar dano e matar, mas a espada do Espírito fere para curar e dar vida. Mas, quando usamos a espada contra Satanás, estaremos dando um golpe nele que irá incapacitá-lo e impedi-lo de atrapalhar a obra de Deus.
De certa forma, a armadura de Deus é uma metáfora de Jesus Cristo. Cristo é a Verdade (Jo 14.6), e Ele é nossa justiça (2Co 5.21) e nossa paz (Ef 2.14). Sua fidelidade possibilita a nossa fé (Gl 2.20). Ele é a nossa salvação (Lc 2.30); e Ele é a Palavra de Deus (Jo 1.1,14). Isso significa que, quando confiamos em Cristo, recebemos a armadura (Rm 13.11-14). Despertemos (Rm 13.11), lancemos fora o pecado e vistamo-nos das armas da luz (Rm 13.12). Fazemos isso revestindo-nos do Senhor Jesus Cristo (Rm 13.14). Pela fé, coloque a armadura e confie em Deus para obter a vitória. De uma vez por todas, colocamos a armadura no momento da salvação. Mas deve haver uma adaptação diária. Quando o rei Davi colocou sua armadura e voltou para o palácio, ele estava em maior perigo do que quando estava no campo de batalha (2Sm 11). Nunca estamos fora do alcance dos artifícios do diabo, então nunca devemos estar sem a armadura completa de Deus (Be Rich [Ephesians].p. 58,59)

Um pensamento final acerca da ação do crente com esse equipamento:

"andamos como peregrinos, falamos como testemunhas, corremos como competidores, mas resistimos como lutadores."

AGORA VAMOS RUMINAR SOBRE O QUE SATANÁS FAZ!

  • Ele enche o coração das pessoas com seus desígnios malignos At 5.3
  • Ele tenta o ser humano, tal como tentou Jesus Mt 4.1-11; 1Co 7.5
  • Ele lança armadilhas para controlar a vontade do homem 2Tm 2.24-26; 1Tm 3.6-7
  • Ele retira a palavra da verdade que foi semeada no coração das pessoas Mc 4.15
  • Ele é o pai da mentira Jo 8.44-47
  • Ele cega o entendimento das pessoas e é o deus deste século 2Co 4.1-6; 1Jo 5.19
  • Ele semeia seus filhos no mundo (filhos do maligno) para que produzam suas obras na terra Mt 13.24-30, 36-43
  • Ele e seus servos podem se apresentar como se fossem justos e corretos 2Co 11.14-15
  • Ele maquina planos para frustar a missão dos seguidores de Jesus 1Ts 2.18
  • Ele pode entrar no homem, inclusive em quem siga Jesus sem fidelidade Lc 22.3 (há muito crente endemoninhado) - não tem fidelidade a Cristo. O crente para manter-se fiel a Jesus, tem que jejuar e orar com frequência. Não tem como ser crente sem oração e jejum!
  • Ele ataca os justos 2Co 12.7; Jd 9 (Nós podemos ser justos, mas seremos atacados)
  • Ele oprime as pessoas que não liberam perdão ao próximo 2Co 10.11
  • Ele é um inimigo que quer destruir os discípulos de Jesus Lc 22.31; 1Pe 5.8
  • Ele traz sofrimento, testes e acusação contra os discípulos Ap 2.10
  • Ele não quer que os discípulos se arrependam e age nas profundezas Ap 2.20-25 (porque o pecado é o alimento dele) - ele tenta convencer o crente  que não tem nada de mais fazer "aquilo"; então quando o crente peca, ele te acusa!
  • Ele pode colocar enfermidades nas pessoas Lc 13.10-17
  • O anticristo e a operação do engano são obras de Hasatan 2Ts 2.3-11
  • Ele acusa as pessoas diante de Deus Ap 12.10 (ele acusa de dia e de noite. Ele faz o crente pecar, e pecado é um crime contra o Eterno e depois ele acusa o crente que pecou! E aí ele ganha autoridade sobre a vida do crente. ( o bicho é sagaz! ele tenta, ele seduz, ele engana a pecar e depois o crente é acusado diante do Trono da Justiça e aí o fim da pessoa é horroroso! 

COMO VENCER SATANÁS!

  • Orando, jejuando, citando e praticando as Escrituras, tal como fez Jesus. Mt 4 (não adianta estudar e não praticar! Tem que viver o que você prega - esse é o maior princípio: orar, jejuar e vivenciar as Escrituras! Foi assim que nosso Senhor Jesus venceu Hasatan!
  • Não entrando em tentação. Mt 6.13 - fuja da tentação, se entrar, pode cair!
  • Não dando espaço para Satanás. Ef 4.27
  • Sujeitando-se a Deus. Tg 4.7
  • Recebendo autoridade de Jesus sobre Satanás e seus demônios. Lc 10.17-20 (isso não é algo que se aprende num livro! Tem que buscar! Orar, jejuar se santificar e receber poder do alto!
  • Somente com o sangue do Cordeiro e pela palavra do testemunho de Jesus. Ap 12.7-12 - Só Jesus expulsa demônios. Quando os demônios quer dar aquele show, é só o NOME de Jesus que expulsa! E para ter autoridade para usar o Nome de Jesus, precisa-se ter vida com Ele! precisa ser usado por Ele!
  • Travando batalha espiritual. Ef 6.11-19 - TEM QUE VESTIR A ARMADURA COMPLETA!

LEIA A IGREJA COMO UM SOLDADO

Histórias sobre dilúvios

HISTÓRIAS SOBRE O DILÚVIO
Reminiscências de um dilúvio ou de vários podem ser encontradas em todo mundo. Como seria de esperar, apresentam vários aspectos em comum: pessoas são salvas dentro de um navio; animais foram levados a bordo; o navio "atracou" no alto de um monte. Da Babilônia (e só de lá, entre as histórias antigas de dilúvio) nos vem um relato tão parecido com o de Gênesis que as pessoas se perguntam se não houve empréstimos ou influência de um sobre o outro.
Já faz um século que  conhecemos a Epopéia de Gilgamés, tabuinha 11. O tema da narrativa é o seguinte: os seres humanos não podem ter nenhuma esperança de imortalidade, pois o único que a alcançou foi o Noé babilônico. Essa narrativa foi inserida no ciclo de Gilgamés a partir de uma obra anterior, a Epopéia de Atrakhasis, onde faz parte de um relato mais longo sobre a história humana desde a criação, como no Gênesis.

O moral da história

A história do dilúvio na Babilônia aparece também num texto sumeriano, que conta praticamente a mesma história, só que de forma abreviada. E muitas outras composições sumerianas se referem `época do dilúvio, num passado remoto, ou até mesmo a um tempo pré-diluviano.
A história do dilúvio no Gênesis está, claramente, ambientada na Mesopotâmia, e as numerosas semelhanças encontradas dão a entender que se trata de um relato sobre o mesmo acontecimento mencionado na narrativa babilônica. Temos, neste caso, pessoas de diferentes lugares que guardam reminiscências do mesmo desastre natural. Mas o moral da história e o conteúdo teológico das duas narrativas são muito diferentes entre si. A revelação de Deus se encontra, não apenas na narração dos acontecimentos, mas também na interpretação dos fatos.

O final do dilúvio na narrativa babilônica

Eu ofereci uma libação no alto da montanha,
Os deuses sentiram o cheiro,
Os deuses sentiram o cheiro suave,
Os deuses se ajuntaram como moscas ao redor 
do que oferecia o sacrifício.
Quando finalmente a grande deusa (Ishtar) apareceu (ela disse):
"Todos vocês deuses aqui, como nunca esquecerei meu colar de lápis-lazúli,
Eu vou me lembrar desses dias, e deles nunca me esquecerei".

O final do dilúvio no relato do Gênesis

Levantou Noé um altar ao SENHOR e, tomando de animais limpos e de aves limpas, ofereceu holocaustos sobre o altar. E o SENHOR aspirou o suave cheiro e disse consigo mesmo: Não tornarei a amaldiçoar a terra por causa do homem, porque é mau o desígnio íntimo do homem desde a sua mocidade; nem tornarei a ferir todo vivente, como fiz. (Gn 8.20-21)

PERDEMOS O PONTO DA HISTÓRIA DE NOÉ?(*)

A Torá muitas vezes usa uma bela estrutura literária. A ideia básica é que palavras, frases ou outros elementos podem ser arranjados para espelhar uns aos outros , de modo que o texto estabeleça um determinado conjunto de significados e depois volte por seus paralelos na ordem inversa. Analisar o uso do quiasma (o nome formal desta estrutura literária) pode revelar o design intrincado e a natureza holística de um texto. Embora geralmente nos lembremos de como o mundo humano e animal foi salvo por meio da arca construída por Noé, é possível que não tenhamos entendido quase completamente o ponto dessa antiga história hebraica?
Normalmente, pares como A e A ', B e B' e assim por diante são usados ​​para simbolizar esses elementos “espelhados”. Se analisarmos a história de Noé dessa maneira, veremos um longo padrão culminando na linha P (que carece de um paralelo e significa o ponto principal) no centro do quiasma. Aqui está um esboço para ilustrar o quiasma temático em Gênesis 6-9:

A Noé (6: 10a)
__B Sem, Cão e Jafé (6: 10b)
___C Arca a ser construída (6: 14-16)
____D Dilúvio anunciado (6:17)
_____E Aliança com Noé (6: 18-20)
______F Alimentos na arca (6:21)
_______G Comando para entrar na arca (7: 1-3)
________H 7 dias esperando pelo dilúvio (7: 4-5)
_________I 7 dias esperando pelo dilúvio (7: 7-10)
__________J Entrada na arca (7: 11-15)
___________K O SENHOR ( YHWH ) fecha Noé (7:16)
____________L 40 dias de dilúvio (7: 17a)
_____________M Água aumenta (7: 17b-18)
______________N Montanhas cobertas (7: 19-20)
_______________O 150 dias: prevalece a água (7: 21-24)
________________ P DEUS SE LEMBRA DE NOÉ (8: 1)
_______________O '150 dias: as águas diminuem (8: 3)
______________N' Topos das montanhas visíveis (8: 4-5)
_____________M 'As águas diminuem (8: 5)
____________L' 40 dias (fim de) (8: 6a)
___________K 'Noé abre janela da arca (8: 6b)
__________J 'Corvo e pomba deixam a arca (8: 7-9)
_________I' 7 dias esperando que as águas baixem (8: 10-11)
________H '7 dias esperando que as águas baixem (8: 12-13)
_______G 'Comando para sair da arca (8: 15-17 [22])
______F' Comida fora da arca (9: 1-4)
_____E 'Aliança com toda a carne (9: 8-10)
____D' Sem inundação em o futuro (9: 11-17)
___C 'Arca esquerda (9: 18a)
__B' Sem, Cão e Jafé (9: 18b)
A 'Noé (9:19)

O elemento central do quiasma em Gênesis 8: 1 é o seguinte:

וַיִּזְכֹּר אֱלֹהִים אֶת־נֹחַ וְאֵת כָּל־הַחַיָּה וְאֶת־כָּל־הַבְּהֵמָה אֲשֶׁר אִתּוֹ בַּתֵּבָה וַיַּעֲבֵר אֱלֹהִים רוּחַי

Deus se lembrou de Noé e de todos os animais e de todo o gado que estava com ele na arca, e Deus fez um vento soprar sobre a terra e as águas baixaram. (Gen 8: 1)

Uma vez que o elemento central do quiasma funciona como o ponto focal de toda a história - o ponto de inflexão a não perder - devemos atribuir-lhe a primeira importância. E verything outra descrito na história também é importante, mas não tão importante quanto a mensagem da Genesis 8: 1 (Deus lembrando Noé). Este “evento” marca o triunfo da misericórdia sobre o julgamento. Deus se lembrou de Noé, assim como mais tarde se lembrará de Abraão (Gn 19:29) e outras grandes figuras da história redentora de Israel - e, talvez o mais importante, do povo de Israel durante a libertação da Páscoa do Egito que ainda estava por vir. Naquela época, somos informados, Deus se lembrou de sua aliança com Abraão, Isaque e Jacó (Êxodo 2: 23-25). (*Por Dr. Eli Lizorkin-Eyzenberg em Israel Bible Center-Curiosidades da Bíblia Hebraica-Editado aqui por Costumes Bíblicos)

A aparência dos Anjos na História Judaica

A APARÊNCIA DOS ANJOS
O termo bíblico para 'anjo' [מַלְאָךְ‎, malach] que significa de acordo com uma derivação simples, "mensageiro", passou a receber sentido extra de "anjo" apenas por meio da adição do nome de Deus , como ocorre por exemplo, em Zac 12.8 onde lemos מלאך יְהוָה, אלוהים מַלְאָךְ (anjo de Deus, anjo de Hashem). Outros termos incluem: ("filhos de Deus") como é possível ser visto Gn 6.4; Jó 1.6; Sl 29.1, e também ("os santos") no Sl 89.6-8.
No texto bíblico, os anjos aparecem ao homem na forma de seres humanos de extraordinária beleza, e não são reconhecidos imediatamente como tais (Gn 18.2; 19.5; Jz 6.17; 13.6; IISm 29.9); eles voam pelo ar; eles se tornam invisíveis; sacrifícios tocados por eles são consumidos pelo fogo; eles desaparecem no fogo sacrificial, como Elias, que cavalgou para o céu em uma carruagem de fogo; e aparecem nas chamas do espinheiro (Gn 16.13; Jz 6.21,22; IIRs 2.11; Ex 3.2). Eles são puros e brilhantes como o céu; consequentemente, eles são formados de fogo e são cercados pela luz (Jó 15.15), como diz o salmista "Que faz dos ventos seus mensageiros; seus ministros de um fogo flamejante" (Sl 104.4). Embora tenham relações com as filhas dos homens (Gn 6), e comam do pão celestial (Sl 7825), eles são imateriais, não estando sujeitos às limitações de tempo e espaço. (Veja mais, 'anjos na Bíblia')

A aparência

Embora sobre-humanos, eles assumem a forma humana. Esta é a primeira concepção. Gradualmente, e especialmente nos tempos pós-bíblicos, eles vêm a ser incorporados em uma forma correspondente à natureza da missão a ser cumprida - geralmente, no entanto, a forma humana. Eles carregam espadas desembainhadas ou armas que destroem em suas mãos, outro aparece carregando um chifre de tinta ao seu lado e ainda outro, monta cavalos (Nm 22.31; Js 5.13; Ez 9.2; Zc 1.8 e seq) Um anjo terrível é mencionado em ICr 21.16-30, "entre a terra e o céu, tendo na mão uma espada desembainhada". No livro de Daniel, provavelmente escrito em 165 aEC, é feita uma referência a um anjo "vestido de linho, cujos lombos eram cingidos de ouro fino de Ufaz; seu corpo era como o berilo e seu rosto como a aparência de um relâmpago; seus olhos como lâmpadas de fogo, e seus braços e pés como em cor de latão polido, e a voz de suas palavras como a voz de uma multidão" (Dn 10.5,6). É uma questão aberta se naquela época os anjos eram considerados como seres possuidores de asas (Dn 9.21).
Os anjos são poderosos e terríveis, dotados de sabedoria e conhecimento de todos os eventos terrestres, corretos em seu julgamento, santos, mas não infalíveis, porque eles se às vezes entram em contraste um com o outro, e Deus faz  paz entre eles. Quando seus deveres não são punitivos,os anjos são benéficos para o homem (Sl 103.20; 78.25; 2Sm 14.17-20; 19.27; Zc 14.5; Jó 4.18; 25.2).
O número de anjos é enorme. Jacó encontra uma série deles; Josué vê o "capitão do exército de Hashem"; Deus se senta no seu trono e "todo o exército do céu" permanece "em pé junto à sua direita e à sua esquerda"; os filhos de Deus vêm para "apresentar-se perante Hashem" (Gn 32.2; Js 5.14,15; 1Rs 22.19; Jó 1.6; 2.1; Sl 89.6; Jó 33.23). A concepção geral é a de Jó (25.3): "Existe alguma contagem dos seus exércitos?"
Embora os escritos mais antigos geralmente mencionem um anjo de Hashem, as embaixadas enviadas aos homens, em regra, compreendiam vários mensageiros. Os anjos são mencionados em conexão com suas missões especiais; como, por exemplo, o "anjo que redimiu", "um intérprete", "o anjo que destruiu", "o mensageiro da aliança", "o anjo da sua presença" e "um grupo de anjos maus" (Gn 48.16; Jó 33-23; 2Sm 24.16; Ml 3.1; Is 63.9; Sl 78.49). Quando, no entanto, a hoste celestial é considerada em seu aspecto mais abrangente, uma distinção pode ser feita entre querubins, serafins, ḥayyōṯ [חַיּוֹת] ("criaturas vivas"), ofanim ("rodas") e arelim (o significado de qual termo é desconhecido).  Deus é descrito como cavalgando sobre os querubins e como "Hashem das hostes, que habita entre os querubins"; enquanto os últimos guardam o caminho da árvore da vida (1Sm 4.4; Sl 80.1; Gn 3.24). Os serafins são descritos por Isaías (6.2) como tendo seis asas; e Ezequiel descreve as ḥayyōṯ (Ez 1 e seguintes) e os ofanim como seres celestiais que carregam o trono de Deus.
Nos tempos pós-bíblicos, as hostes celestiais tornaram-se mais altamente organizadas (possivelmente já em Zacarias 3.9 e 4.10); e, certamente em Daniel, em cuja história vieram a existir vários tipos de anjos, alguns até mesmo com nomes, como será mostrado abaixo.
Os anjos aparecem ao homem como meio do poder e da vontade de Deus e para executar Sua vontade. Os anjos se revelam tanto aos indivíduos quanto a toda a nação, para anunciar eventos bons e ruins, que os afetam. Anjos predizem a Abraão o nascimento de Isaque, a Manoá o nascimento de Sansão e a Abraão a destruição de Sodoma. Anjos da guarda são mencionados, mas não como aconteceu mais tarde, onde surgem os 'espíritos guardiões' de indivíduos e nações. Deus envia um anjo para proteger o povo após o seu êxodo do Egito, pata conduzi-lo à terra prometida e para destruir as tribos hostis em seu caminho (Êx 23.20; Nm 20.16). Em Juízes (2.1) temos um anjo de Hashem, a menos que aqui e nos exemplos anteriores (compare Is 42.19; Ag 1.13; Ml 3.1) a referência seja a um mensageiro humano de Deus que dirige-se a todo o povo, prometendo conduzi-los à terra prometida. Um anjo traz para Elias carne e água (1Rs 19.5); e assim como Deus vigiava Jacó, assim é toda a pessoa piedosa protegida por um anjo que cuida dele em todos os seus caminhos (Sl 34.7). Há anjos aguerridos, um dos quais agride em apenas uma noite todo o exército assírio de 185.000 (2Rs 19.35); mensageiros saem de Deus "em navios para fazerem com que os etíopes descuidados tenham medo" (Ez 30.9); o inimigo é espalhado diante do anjo como palha (Sl 35.5,6). Anjos vingadores são mencionados, como o de 2Sm 24.16,17, que aniquila milhares. Parece que a pestilência foi personificada e que os "anjos maus" mencionados no Sl 78.49 devem ser consideradas personificações deste tipo. O "mal" aqui não deve ser tomado no sentido causativo, como que "produzindo o mal"; pois, como dito acima, os anjos são geralmente considerados, por natureza, benéficos para o homem. Eles glorificam a Deus, de onde vem o termo "anjos glorificadores" (Sl 29.1; 103.20; 148.2; compare Is 6.2 e seguintes.). Eles constituem a corte de Deus, sentados em conselho com ele (1Rs 22.19; Jó 1.6; 2.1); por isso eles são chamados de "conselho dos (Seus) santos" (Sl 89.7, ou "assembleia dos santos"). Eles acompanham a Deus como Seus assistentes quando Ele aparece ao homem (Dt 33.2; Jó 38.7). Esta concepção foi desenvolvida após o exílio; e em Zacarias, anjos de várias formas são designados "a andar de um lado para o outro da terra" a fim de descobrir e relatar o que acontece (Zc 6.7). Nos livros proféticos, os anjos também aparecem como representantes do espírito de profecia, e trazem aos profetas a palavra de Deus. Assim, o profeta Ageu foi chamado mensageiro de Deus ('anjo'); e sabe-se que "Malaquias" não é um nome real, mas significa "mensageiro" ou "anjo" de Hashem. Vale ressaltar que em 1Rs 13.18, um anjo traz a palavra divina ao profeta.
Sobre o importante problema da origem dos anjos, os escritores bíblicos nada mencionam; porém, infere-se eles existindo antes mesmo da Criação (Gn 1.26; Jó 38.7). Os escritos bíblicos anteriores não especularam sobre eles; simplesmente consideravam os mesmos em suas relações com o homem, como agentes de Deus. Consequentemente, eles não os individualizaram ou os denominaram; e em Juízes 13.18 e Gênesis 32.29, os anjos, quando questionados, recusam-se a dar seus nomes. Em Daniel, no entanto, já ocorrem os nomes Michael (Miguel) e Gabriel (Gabriel). Miguel é o representante de Israel no céu, onde outras nações - os persas, por exemplo - também eram representadas por príncipes angélicos. Mais de trezentos anos antes do livro de Daniel ter sido escrito, Zacarias classificou os anjos de acordo com sua posição, mas não os nomeou. A noção dos sete olhos (Zc 3.9; 4.10) pode ter sido afetada pela representação dos sete arcanjos e também possivelmente pelos sete amshaspanda da mitologia persa (compare com Ez 9.2).

AS PÁSCOAS DURANTE O MINISTÉRIO DE JESUS

Todos os grandes comentaristas da Bíblia estão de acordo que a vida pública de Jesus durou realmente três anos. O quarto evangelista, que propôs a completar os evangelhos sinópticos, lançou forte luz sobre este ponto em questão, citando toda uma série de festas religiosas, escalonadas ao longo da vida pública de Jesus e que, se forem muito bem consideradas, exigem que esta vida pública tenha durado cerca de três anos ou mais.

Vejamos a lista:

  • PRIMEIRA: Uma primeira Páscoa (Jo 2.13);
  • SEGUNDA: Uma festa entre os judeus, cuja natureza procuraremos determinar (Jo 5.1);
  • TERCEIRA: Outra Páscoa (Jo 6.4);
  • QUARTA: A Festa dos Tabernáculos, depois da Páscoa (Jo 7.2);
  • QUINTA: A Festa da Dedicação (Jo 10.22);
  • SEXTA: A última Páscoa (Jo 12.1; 13.1).
Esta lista nos permite perceber claramente três Páscoas sucessivas. A primeira, bem no início do ministério de Jesus (pouco depois do seu batismo); a segunda, em torno da época da primeira multiplicação dos pães; e a terceira, no período da Paixão e morte de Cristo.
Conforme o testemunho tão antigo e cheio de autoridade de Ireneu, a estas três Páscoas deve ser acrescentada, provavelmente, uma outra que, no segundo tópico da lista que fizemos acima, foi chamada de uma festa entre os judeus. A maioria dos estudiosos acredita que essa expressão tenha sido usada por João para referir-se à Páscoa. Entre a primeira e a última Páscoa, teriam transcorrido três anos. Mas como a vida pública de Jesus, foi inaugurada num período antes da primeira Páscoa - vários meses, sem dúvida -, resulta que a duração total de seu ministério foi de uns três anos e meio.
Há uma opinião intermediária, segundo a qual Jesus só teria pregado durante um período de dois anos ou, quando muito, de dois anos e meio. Os adeptos dessa opinião dizem que não houve mais de três Páscoas durante o curso da vida pública de Jesus, reduzindo esse período a pouco mais de dois anos.
Se a primeira dessas três primeiras Páscoas foi celebrada (conforme cálculos anteriores) nos primeiros dias de abril do ano 780 de Roma (27 da era cristã), a quarta aconteceu no ano 783 de Roma (30 da era cristã).
As páginas anteriores, sobretudo as que se referem às informações cronológicas do quarto evangelho, permitem-nos fixar alguns parâmetros que mostram que a vida pública do Salvador pode ser dividida em períodos regulares, tornando menos difícil colocar em ordem a provável sucessão dos acontecimentos.
O conjunto de fatos e de palavras que os evangelhos sinópticos apresentam é o mesmo, e também o plano geral. É certo que Mateus e Marcos, mais o primeiro do que o segundo, prestaram pouca atenção aos pormenores de natureza cronológica. Lucas, no entanto, é normalmente fiel em cumprir a promessa feita no prólogo (Lc 1.3). Seu registro está de acordo com a verdadeira ordem dos acontecimentos. Ele nos dá datas sincrônicas de grande valor como pontos de convergência (Lc 2.1,2; 3.1,2).
A narração de Lucas, à primeira vista, parece referir-se integralmente à última viagem de Jesus a Jerusalém (Lc 19.28). O evangelista faz isso em três ocasiões (Lc 9.52; 13.22; 17.11) ao mencionar as viagens distintas de Jesus até aquela cidade. Esses dados supõem claramente que não se trata apenas de uma única viagem feita por nosso Senhor a Jerusalém, conforme se poderia crer anteriormente. Mas isso se tomarmos  ao pé da letra as narrações de Mateus e Marcos.

UMA CURIOSIDADE DA BÍBLIA HEBRAICA

Por que Pedro foi preso na Páscoa?(*)
No início de Atos 12 , Herodes prende Pedro e o coloca na prisão durante a festa da Páscoa (12: 3-4). Assim como a primeira Páscoa no Egito levou à libertação de Israel da escravidão, Deus reproduz aquela noite de Páscoa inicial quando um anjo liberta Pedro da prisão. A Páscoa e o êxodo individuais do discípulo enfatizam a presença contínua do Deus de Israel com os primeiros seguidores judeus de Jesus.
Enquanto Pedro dorme na prisão, um anjo do Senhor aparece durante a noite e lhe diz: “ Cinge-te (ζῶσαι; zosai ) e ata (ὑπόδησαι; hupódesai ) as tuas sandálias ” (Atos 12: 8). As instruções do anjo a Pedro nesta noite ecoam as palavras de Deus aos hebreus na noite em que comerem o cordeiro pascal : “Assim o comerás com o teu cinto cingido (περιεζωσμέναι; periezosménai ), e as tuas sandálias (ou“ ataduras ”, ὑποδήματα ; hupodémata) em seus pés ”(Êxodo 12:11 LXX). Essas instruções semelhantes a Israel e a Pedro precedem uma libertação milagrosa da escravidão. Além disso , quando Pedro e o anjo chegam aos limites do terreno da prisão, um portão de “ ferro ” (σιδηροῦς; sideral ) se abre para eles e eles escapam para a cidade (Atos 12:10). A atenção de Lucas ao metal do portão lembra a libertação de Israel do Egito , a “fornalha de ferro (σιδήρεος; sidéreos )” (cf. Dt 4:20; Jr 11: 4 LXX).
Ao lado dessas semelhanças, há também uma diferença notável entre as duas Páscoas. Para libertar os hebreus da escravidão, Deus mata o primogênito: “ Passarei pela terra do Egito naquela noite, e atingirei (πατάσσω; patásso ) todos os primogênitos do Egito” (Êxodo 12:12 LXX). Em Atos, em vez de golpear os captores de Pedro, o mensageiro de Deus golpeia Pedro para encenar seu êxodo: “O anjo do Senhor… golpeou (πατάσσω; patásso) Pedro chegou ao lado e o acordou, dizendo: 'Levanta-te depressa!' E as correntes caíram de suas mãos ”(Atos 12: 7). Considerando que Deus já havia passado pelas casas em que os hebreus dormiam, o anjo entra na cela de Pedro adormecido e o atinge! Embora o “golpe” de Pedro não seja nem de longe tão severo quanto o golpe divino contra o Egito, o uso da linguagem do Êxodo por Lucas repete o evento da Páscoa original e nos lembra que o Deus que decretou o êxodo também guia o movimento de Jesus. (*Texto tirado de um artigo publicado em Israel Bible Center por Dr. Nicholas J. Schaser-Editado aqui por Costumes Bíblicos)

INFERNO-ORIGEM, NATUREZA E SITUAÇÃO NA LITERATURA JUDAICA

INFERNO

Do hebraico, Gehenna ou Gehinnom.

Origem, Natureza e Situação.

O lugar onde as crianças eram sacrificadas ao deus Moloch era originalmente chamado de "vale do filho de Hinom", ao sul de Jerusalém (Josué 8.8; 2Rs 22.10; Je 2.23). Por esta razão, o vale foi considerado amaldiçoado,  e "Gehenna", portanto, logo se tornou um equivalente figurado para "inferno". De acordo com as fontes, o inferno, assim como o paraíso, foi criado por Deus (Sotah 22a - Talmud, ou seja, Torá Oral); de acordo com o Gen. R. ix.9, as palavras "muito bom" em Gen 1.31 referem-se ao inferno; daí o último deve ter sido criado no sexto dia. No entanto, as opiniões sobre este ponto variam. Segundo algumas fontes, ele foi criado no segundo dia; de acordo com outras, mesmo antes da fundação do mundo, sendo que apenas o seu fogo teria sido criado no segundo dia (Gen. R. iv.; Pes. 54a). A "fornalha de fogo ardente" que Abraão viu (Gn 15.17) foi o gehinnom. As opiniões também variam quanto à situação, extensão e natureza do inferno.

A afirmação de que o Gehenna está situado no vale de Hinom, perto de Jerusalém, no "vale amaldiçoado" (Enoch, xxvii. 1 e segs.), significa simplesmente que há ali um portão (Is 31.9). A Gehenna tem três portões, um no deserto, um no mar e outro em Jerusalém (Eruvin 19a-Talmud). Este último portão fica entre duas palmeiras no vale de Hinom, de onde a fumaça sobe continuamente (ib.). A boca  é estreita, impedindo a fumaça, mas abaixo da Gehenna ela se estende indefinidamente (Men. 99b-Menachot - Talmud). De acordo com uma opinião, ele está acima do firmamento, e de acordo com outro, atrás das montanhas escuras (Ta'an 32b-Talmud). Um árabe apontou para um estudioso o local no deserto onde a terra teria engolido os filhos de Corá (Nm 16.31-32), que desceu vivo à Gehenna (Sanh 110b-Sanhedrin-Talmud)
Ele está situado no fundo da terra e é imensamente grande. "A terra é um sexagésimo do jardim, o jardim um sexagésimo do Éden[paraíso], o Éden um sexagésimo da Gehenna; assim, o mundo inteiro é como uma tampa para a Gehenna. Alguns dizem que a Gehenna não pode ser medido" (Pes 94a-Pesachim-Talmud). Está dividido em sete compartimentos (Sotah 10b); uma visão semelhante era mantida pelos babilônios. Devido à extensão do Gehenna, o sol, ao se pôr à noite, passa por ele e recebe dele seu próprio fogo (brilho da tarde; B.B. 84a). Um fluxo de fogo ("dinur") cai sobre a cabeça do pecador na Gehenna (Hag. 13b-Chagigah-Talmud). Este é o "fogo do Ocidente, que todo o sol poente recebe. Cheguei a um rio de fogo, cujo fogo flui como água, e que desagua num grande mar no Ocidente" (Enoch, xvii.4-6). O inferno aqui é descrito exatamente como no Talmud. Os persas acreditavam que o metal fundido incandescente corria sob os pés dos pecadores (Schwally, "Das Leben nach dem Tode", p. 145, Giessen, 1892). As águas mornas de Tiberíades são aquecidas enquanto fluem através da Gehenna (Shab 39a). O fogo da Gehenna nunca se apaga (Tosef., Ber. 6,7; há sempre muita madeira lá (Men 11a). Este fogo é sessenta vezes mais quente que qualquer fogo terrestre (Ber 57b-Berakhot-Talmud). Há um cheiro de enxofre na Gehenna (Enoch, lxvii. 6). Isso concorda com a ideia grega de inferno (Lucian, i. 29, in Dietrich, "Abraxas", p. 36). O cheiro sulfuroso das fontes medicinais tiberianas foi atribuído à sua conexão com a Gehenna.  A Gehenna é escura, apesar das imensas massas de fogo; é como a noite  (Jó 10.22). A mesma ideia também ocorre em Enoch x.4, lxxxii.2; Mt 8.12; 22.13; 25.30). Supõe-se que existe um anjo-príncipe encarregado da Gehenna. Ele diz a Deus: "Põe tudo no meu mar; alimenta-me com a semente de Set; estou com fome". Mas Deus recusa o seu pedido, dizendo-lhe para tomar os povos pagãos (Shab 104). Deus diz ao príncipe angélico: "Eu castigo os caluniadores de cima, e também castigo os de baixo com brasas incandescentes" (Ar 15). As almas dos filhos de Corá foram queimadas, e o príncipe-anjo rangeu os dentes para eles por conta das lisonjas que dirigiam ao líder rebelde (Sanh 52a). A Geena grita: "Dê-me os hereges e o poder pecaminoso [romano]" ('Ab.Zarah 17a).

O QUE DIZEM OS EVANGELHOS JUDAICOS SOBRE O INFERNO(*)

Jesus não se esquiva do tema do inferno. Por exemplo, ele diz aos seus discípulos: “É melhor para vocês entrar no reino de Deus com um olho do que com dois olhos ser lançado no inferno (γέεννα; géhenna ), 'onde o verme não morre e o fogo não existe extinta '”(Marcos 9: 47-48). De fato, advertências explícitas sobre o “inferno” aparecem em todos os Evangelhos (Mt 5: 22-30; 10:28; 18: 9; 23:15, 33; Mc 9: 43-47; Lc 12: 5). À luz desta verdade bíblica, a seguinte declaração parecerá contra-intuitiva - ou mesmo herética - mas é igualmente verdadeira: o inferno não existe.
A noção judaica de punição após a morte origina-se de uma localização geográfica real. O Vale do Filho de Hinom está listado entre os locais de Canaã em Josué (cf. 15: 8; 18:16), e se tornou um lugar de sacrifício de crianças e adoração estrangeira. Os antigos israelitas “ construíram os altos de Baal no Vale do Filho de Hinom ( גאי בן הנם ; gei ben hinom ), para oferecer seus filhos e filhas a Moloque” (Jr 32:35; cf. 7: 31- 32; 19: 6; 2 Rs 23:10; 2 Crônicas 28: 3; 33: 6). Este vale serviu como modelo terreno para um fosso post-mortem que os antigos judeus chamavam de “ Gehinnom ” ( גיהנום ) - “Gehenna” em grego e “Gehinnam” em aramaico - o “Vale de Hinom”.Embora o Vale de Hinom de Israel certamente exista, sua contraparte de outro mundo ainda está aguardando a existência.
De acordo com as Escrituras, o inferno será criado após a ressurreição dos mortos ; no momento, o inferno não existe. Quando Jesus descreve o inferno como um lugar “onde o verme não morre e o fogo não se apaga” (Mc 9:48), ele cita a visão escatológica de Isaías dos justos vivendo no reino de Deus e os rebeldes morrendo no fogo. Por meio do profeta, Deus descreve uma grande criação futura: “ Os novos céus e a nova terra que eu faço permanecerão diante de mim …. Toda carne virá adorar perante mim ... e eles sairão e olharão os cadáveres das pessoas que se rebelaram contra mim. Pois seu verme não morrerá, nem seu fogo se apagará , e eles permanecerão uma aversão (דראון ; deraon ) a toda carne ”(Is 66: 22-24). Essa “aversão” pelos ímpios é uma realidade pós-ressurreição. Como Daniel 12: 2 observa: “Multidões dos que dormem no pó da terra ressuscitarão [em ressurreição], alguns para a vida eterna, e outros para vergonha e aversão eterna ( דראון ; deraon ).” A Bíblia descreve todas as pessoas sendo levantadas de seus túmulos e, então, recebendo a vida eterna ou aversão contínua. O inferno não é um destino para os ímpios após a morte, mas após a ressurreição (para o destino após a morte, chamado Sheol ou Hades, clique aqui).
A antiga tradução aramaica de Isaías, ou “Targum” ( תרגום ): substitui “repúdio” ( דראון ; deraon ) no original hebraico com uma referência explícita para o inferno. Em aramaico, Isaías 66:24 diz: "seus hálitos não morrerão, e seu fogo não se apagará, e os ímpios serão julgados no inferno ( גיהנם ; gehinnam )." O Targum compara a citação de Jesus deste mesmo versículo em Mc 9: 47-48 ao lado de sua própria referência ao “inferno” (γέεννα; géhenna ). Para Yeshua e os judeus que escreveram o Targum, “inferno” será um lugar que existe nos “novos céus e nova terra” que Isaías profetizou. Os ímpios não chegam ao inferno imediatamente após a morte; em vez disso, eles vão para lá após sua ressurreição corporal. Este cenário pós-ressurreição é o que o Targum e o Apocalipse chamam de “segunda morte” (cf. Is 65: 6; Ap 20:14; 21: 8) - isto é, uma morte que vem após a ressurreição. A Escritura esclarece que um lugar ardente de julgamento é reservado para o mundo vindouro, ao invés do mundo presente. “Estamos esperando novos céus e uma nova terra na qual os justos habitarão” (2 Pedro 3:13), e o “inferno” é uma parte pendente dessa criação futura. Em outras palavras, o inferno (ainda) não existe. (*Esse texto é parte de um artigo publicado no Israel Bible Center por  Dr. Nicholas J. Schaser)

A Mensagem do Anjo de Deus e o Livrinho

E VI outro anjo forte, que descia do céu,
vestido de uma nuvem;
 e por cima da sua cabeça
 estava o arco celeste (Ap 10.1a RC69)


Apocalipse 10.1-11

Quem é ele?

João viu um anjo descendo do céu com um livrinho aberto na mão. Nessa altura, Jesus já tinha aberto o livro e retirado os sete selos. O anjo posicionou-se com um pé sobre o rio e outro pé sobre a terra, veja que a visão combina com as visões de Daniel e Ezequiel.
Aparentemente, esse anjo não é Jesus, já que ele jurou por aquele que vive para todo o sempre (Ap 10.6). Caso se tratasse de Cristo, Ele não teria jurado por si mesmo (veja Hb 6.13). É possível que seja o arcanjo Miguel (veja Dn 12.1). Ele é provavelmente o mesmo anjo mencionado em Apocalipse 5.2; 7.2; 8.3; 18.2.
A posição do anjo com um pé na terra e outro no rio, simboliza uma posição de tomada de posse, estava chegando a hora em que o homem iria receber de Deus, pelos méritos de Jesus, a posse definitiva da terra que ele havia perdido no jardim do Éden quando Adão pecou.

O que o anjo diz?

Ele anuncia que não haveria mais demora até que a terra sentisse o martelo absoluto e aterrorizante do  julgamento furioso de Deus. Ele também manda que João coma o livrinho preto, prevendo que ele seria doce à sua boca, mas amargo ao seu estômago. Naquela hora Deus falou alguma coisa que João foi proibido de escrever (Apoc. 10:3-4). Existe algo para acontecer nesse tempo que Deus não permite que chegue ao nosso conhecimento, Deus também selou essas palavras com Daniel (Dan. 12:9). Até esse ponto, João havia visto [apenas] a primeira parte da tribulação, e ver os gentios ímpios recebendo sua justa punição havia sido realmente doce. Mas agora lhe é permitido vislumbrar os últimos três anos e meio da tribulação, que começariam com a chacina generalizada dos israelitas pelo anticristo.  Esse era um remédio verdadeiramente amargo para ele.

O Livrinho

É provável que seja o livro selado com sete selos de Apocalipse 5.1.
O profeta Daniel certa vez teve uma visão profética (Dn. 12:7). Ele viu um homem vestido de linho e estava sobre as águas do rio. Este homem levantou a sua mão ao céu e fez um juramento dizendo que depois de três anos e meio, quando todo o povo santo tiver sido morto, a promessa de Deus estará cumprida.
E de fato, no apocalipse já vimos que na primeira metade do período, os que permaneceram fiéis a Deus foram martirizados pela besta, e agora faltam ainda mais três anos e meio, que é o segundo período para terminar a tribulação. Aqui estamos vendo as profecias de Daniel concordando com a visão de João no apocalipse.
O profeta Ezequiel também teve uma outra visão (Ez 2:8-10 e Ez 3:1-3). Ezequiel viu uma mão que entregava a ele um livro e ordenando que ele comesse aquele livro. O livro estava escrito por dentro e por fora e continha suspiros e ais. Ezequiel comeu aquele livro e a sua boca ficou doce como o mel.
Combinando essas duas profecias, vemos um anjo com aquele livro que era o mesmo livro que Jesus tinha na mão, selado com sete selos, e que continha o plano de toda tribulação para cumprimento das profecias. O homem de pé no rio, disse que só faltavam três anos e meio para cumprir o que estava escrito no livro. 
Enfim, quando profeta comeu aquele livro, estava simbolizando exatamente o fim do cumprimento das profecias. Quando todo plano escrito no livro já estará completado, quando a iniquidade entre os homens estará extirpada, quando a terra estará definitivamente na posse dos homens, e então Jesus estará sentando no trono de Davi, como anunciou o anjo a Maria (Lucas 1:32-33).

A medição do Templo de Deus (Ap 11.1,2).

Aqui, João é incumbido de medir o templo da tribulação com uma régua de seis côvados [cerca de 3,2m] (veja Ez 40.5). Ele também é encarregado de registrar a identidade dos adoradores. Deus está sempre interessado naqueles que o adoram. Contudo, João não deveria medir o átrio exterior, porque foi dado aos gentios; e eles pisarão a cidade santa por quarenta e dois meses (Ap 11.2 ARIB).
Veja também Lucas 21.24, onde Jesus prevê isso. O período final de 42 meses da tribulação é mencionado em Daniel 7.25; 12.7; Apocalipse 12.6,14; 13.5.

Fineias: o zelote da Bíblia

Phinehas (também soletrado Pinchas
ou Phineas no hebraico )
A história de Fineias, o zelote

Linhagem de Phinehas

Finéias era filho de Elazar e neto de Aarão, o sumo sacerdote . O versículo descreve a mãe de Finéias como sendo “dentre as filhas de Putiel”. O Talmud explica que isso significa que ela era descendente de José , filho de Jacó ; e Jetro , sogro de Moisés .
Finéias estava entre os israelitas que deixaram o Egito e sobreviveram à longa jornada no deserto para a Terra de Israel . Porém, foi somente no final desse período de 40 anos, quando os judeus estavam a poucos meses de seu destino, que ele ganhou fama.

A cilada! 

O Profeta Balaão disse ao rei Balak que a única maneira de prejudicar o povo de Israel era seduzi-los ao pecado. Pois somente então Deus puniria Seu povo.
Os reis de Moabe e Midiã seguiram este conselho astuto de Balaão . Eles organizaram uma grande festa em homenagem a seus ídolos e convidaram os filhos de Israel a participarem das cerimônias. Os judeus estavam acampados em Shittim, uma área nas planícies de Moabe , às margens do rio Jordão. A conselho do malvado profeta Balaão , as filhas de Moabe e Midiã seduziram os judeus a pecar com eles, levando-os posteriormente a adorar seu deus, conhecido como Peor.
O comportamento dos judeus despertou a ira divina, e eles foram assolados por uma praga que acabaria deixando 24.000 judeus (da tribo de Simeão) mortos. Por instrução de Deus , Moisés convocou os líderes das nações e disse-lhes para julgar os ofensores e puni-los com a morte, fazendo com que a ira de Deus diminuísse. A nação se reuniu na entrada do Tabernáculo , com a intenção de seguir a ordem de Moisés.
Porém, antes que pudessem fazer isso, Zinri , filho de Salu, um dos líderes da tribo de Simeão, se aproximou da multidão com Cozbi, filha de Zur, um dos cinco reis midianitas. Enquanto todos olhavam, ele entrou em uma tenda e descaradamente teve relações sexuais com ela.
Vendo esse comportamento totalmente rebelde, Phinehas agarrou uma lança, entrou na tenda e perfurou os dois juntos, já que estavam no meio do ato. Essa ação trouxe o fim imediato da praga.
Por este ato de bravura, Finéias deteve a praga que havia começado entre os filhos de Israel e que causou muitos milhares de mortos entre aqueles que se deixaram seduzir pelos midianitas.
A ação de Phinehas foi recompensada por um convênio divino de paz e sacerdócio eterno.
Após a tentativa ultrajante dos midianitas de seduzir os filhos de Israel ao pecado, D'us ordenou que Moisés declarasse guerra contra os midianitas e os ferisse. Na batalha que se seguiu, não apenas os cinco príncipes de Midiã morreram com suas tropas derrotadas, mas também Balaão, o instigador de todo esse problema.

Finéias recebe o sacerdócio

D'us recompensou Finéias por sua bravura com o sacerdócio eterno:
Finéias, filho de Elazar, filho do sacerdote Arão, desviou a minha ira dos filhos de Israel, vingando o meu zelo entre eles, e não destruí os filhos de Israel por causa do meu zelo. Portanto, diga: Eu, por meio deste, dou a ele Meu pacto de paz. Será para ele e para seus descendentes depois dele como um pacto eterno do sacerdócio, porque ele era zeloso por seu D'us e expiou pelos filhos de Israel. 
O sacerdócio é geralmente um status herdado, recebido em virtude de ser nascido em uma família sacerdotal. Por que foi necessário que Finéias fosse abençoado com o sacerdócio, se seu pai e avô eram sacerdotes?
Os comentaristas explicam que quando Aarão recebeu o dom do sacerdócio, foi-lhe dito que ele e seus filhos seriam sacerdotes, bem como todos os futuros descendentes do sexo masculino. Phinehas era o único neto nascido antes e, portanto, não era sacerdote antes disso.
Phinehas serviu como Sumo Sacerdote após a morte de seu pai Elazar, e foi sucedido por muitas gerações de Sumos Sacerdotes. Uma lista de seus descendentes que serviram nesta posição é fornecida no Livro das Crônicas. O mais famoso entre eles é Esdras, o escriba , líder judeu no início do período do Segundo Templo . 
Finéias é mencionado como herdeiro de uma porção de terra em Israel, que serviu de cemitério para seu pai Elazar. 
Finéias recebeu a Tradição Oral de Moisés e a transmitiu ao Sumo Sacerdote Eli .

CURIOSIDADE *midráshicas - Finéias e o Profeta Elias? O que tinham em comum?

Finéias e Elias

Várias fontes midráshicas identificam Finéias com o famoso profeta e milagreiro Elias (leia mais: Elias, o Profeta ). Isso se baseia em uma série de paralelos compartilhados por ambas as personalidades, incluindo suas longas vidas e o fato de que as Escrituras os comparam a um anjo. 
(Mesmo sem estar ligado a Elias, que viveu mais de 500 anos após o nascimento de Finéias, Finéias desfrutou de extrema longevidade. Ele é mencionado pela primeira vez nas Escrituras durante a época do Êxodo do Egito, em 2448 da Criação [1313 AEC], e ainda era vivo durante o reinado do Rei Davi , que governou de 2884 a 2924 [877-837 AEC], totalizando mais de 400 anos.)
No entanto, outros textos midráshicos afirmam que Elias era da tribo de Gad ou Benjamin . De acordo com isso, ele não era Finéias, que era um levita . Uma abordagem alternativa adotada nas obras cabalísticas é que Finéias e Elias compartilhavam almas. 
A semelhança entre Finéias e Elias também se expressa em seu comportamento. Por um lado, ambos foram capazes de agir com firmeza quando necessário, de corrigir o que está errado ou de se proteger do perigo. Por outro lado, ambos viram a bondade dos outros, seu potencial e suas realizações positivas.

Finéias na Terra de Israel

Finéias também desempenhou um papel em vários eventos posteriores da história judaica.
Pouco depois do episódio de Zimri, Phinehas juntou-se aos 12.000 soldados enviados para guerrear contra Midiã .
Finéias foi um dos dois espiões enviados por Josué para explorar Jericó. Depois de conquistar a terra de Israel, as tribos de Rúben e Gade e metade de Manassés se estabeleceram a leste do rio Jordão. Eles então começaram a construir um grande altar na margem oeste do rio. Pensando que o haviam construído para fins de sacrifício, as outras tribos se prepararam para travar guerra contra eles, pois era proibido sacrificar fora dos limites do Tabernáculo em Shiloh. *Phinehas liderou uma delegação às três tribos e apontou seu suposto delito. As tribos explicaram que haviam apenas construído o altar como uma estrutura de testemunho, e uma possível calamidade foi evitada.
Finéias foi um profeta, e duas de suas profecias são mencionadas nas Escrituras. Alguns identificam Finéias como o “anjo Divino” que apareceu ao juiz Gideão , entregando a mensagem de Deus de que ele salvaria os judeus das mãos dos midianitas.
A última vez que Finéias é mencionado explicitamente nas Escrituras é como um líder levita durante o reinado do Rei Davi . No entanto, de acordo com uma passagem famosa, mas enigmática, de *Midrash, Finéias também atuou bem mais tarde na história (veja acima no *) - [Este texto é partes de artigos publicados em Chabad.org publicações de Jacob Isaacs e Yehuda Altein- editado aqui por Costumes Bíblicos]

SUMÁRIO CRONOLÓGICO

I-Fineias e os transgressores.

A. Ele sucedeu seu pai, Eleazar, e tornou-se o terceiro sumo sacerdote de Israel (Nm 25.10-13)
B. Ele foi abençoado grandemente por Deus (Cr 9.20).
C. Ele matou um ousado israelita chamado Zinri, juntamente com sua amante midianita Cosbi, durante a rebelião dos dias de Balaão, impedindo, assim, uma praga divina no arraial (Nm 25.1-9).
D. Por causa dessa, Deus prometeu que ele e seus descendentes teriam um sacerdócio duradouro (Nm 25.10-13).
E. Esse evento é referido em Salmos (Sl 106.30,31).

II. Fineias e as tribos.

A. Ele evitou uma guerra entre tribos nos dias de Josué. - *Fineias liderou um pacífico comitê de inquérito que, por pouco, evitou uma guerra civil entre as doze tribos por causa de um desentendimento nos últimos dias do governo de Josué (22.13,30-33).
B. Ele proclamou uma guerra entre tribos nos dias dos juízes. - Ele enviou os 11 israelitas para a guerra contra a tribo de Benjamim (Jz 20.26-28). - Durante o incidente da "Concubina em Giva", Finéias pediu instrução divina se os israelitas deveriam travar guerra contra a tribo de Benjamin , como punição pelas más ações dos habitantes de Giva . - Isso ocorreu antes ou depois da liderança de Gideão (que liderou os judeus nos anos 2694-2734 desde a criação - 1067-1027 AEC): Alguns o colocam durante a liderança de Othniel ben Knaz, líder nos anos 2533-2573—1228- 1188 AEC, enquanto outros dizem que ocorreu entre as lideranças de Sansão e Eli, por volta de 2830–931 AEC

DADOS

Pai: Eleazar (Êx 6.25).
Filho: Abisua (1Cr 6.4).
Descendentes importantes: Esdras e Zadoque (1Cr 6.8; Ed 7.1-5).
Citado pela primeira vez na Bíblia: Êxodo 6.25.
Citado pela última vez: Salmo 106.30.
Significado do nome: "O núbio" ou "O negro".
Mencionado: 14 vezes.
Livros da Bíblia que citam Fineias: sete livros (Êxodo, Números, Josué, Juízes, 1Crônicas, Esdras, Salmos).
Detalhe importante sobre a vida de Fineias: ele foi o terceiro sumo sacerdote de Israel (Êx 28.1; Num 20.25,26; Js 22.30-32).

JESUS É ABANDONADO

...Quem come a minha carne e bebe o meu sangue [uma referência ao Espírito Santo, que é a Vida de Cristo em nós] permanece em mim, e eu, nele. Assim como o Pai, que vive, me enviou, eu vivo pelo Pai, assim quem de mim se alimenta também viverá por mim. Este é o pão que desceu do céu; [Sua Palavra] ... não é o caso de vossos pais, que comeram o maná e morreram; quem comer este pão viverá para sempre. Ele disse essas coisas na sinagoga, ensinando em Cafarnaum. (Jo 6.56-59)

[Não é o pão comprado na padaria e o vinho ou suco da uva comprado no mercado e trazidos para serem distribuídos em comunidades, que nos faz ter a Vida de Cristo dentro nós! Mas, nossa obediência as A Palavra de Deus vivida por Cristo,nos enche e nos batiza com o Espírito Santo, também Representado pelo sangue!] 

Quem não me ama não guarda as minhas palavras; ora, a palavra que ouvistes não é minha, mas do Pai que me enviou. (Jo 14:24)
Jesus aprofundou seu pensamento. Primeiro, a comunhão: ele morando em nós, e nós morando nele, vivendo nele e por ele, assim como ele vive em seu Pai e por seu Pai. Quem poderia sonhar uma união mais íntima, mais divina, mais consoladora, mais fortificante? E, depois da morte, a vida eterna, que perpetua esta união. Como, ouvindo e meditando nestas  palavras do bom Pastor, não desejar nutrir-se incessantemente dos elementos da Ceia do Senhor? [Ele mesmo é a Ceia. Se não vivermos uma vida casta em temor e obediência aos Seus Mandamentos, em vão se come do pão e se bebe do vinho ou suco da uva nas comunidades]

Infelizmente, muitos ouvintes de Cristo estavam longe de sentir este santo desejo. A quarta e última parte da conversação nos mostra isso de modo bem doloroso. Até então, só uma parcela hostil do auditório havia protestado; deste momento em diante, a oposição virá também dos próprios discípulos, daqueles que acompanhavam Jesus em suas viagens de pregação.
Muitos deles - diz o texto claramente - protestaram de forma descomposta e odiosa. Duro é este discurso; quem o pode ouvir? (Jo 6.60). Também eles interpretam as palavras do Salvador do modo literal. E de tal monta é o escândalo deles que chegam até a querer separar-se do Mestre.
O que Jesus fez quando compreendeu o que se passava no ânimo daqueles discípulos? Procurou atraí-los de novo, clareando-lhes o pensamento? Ele explicou, com efeito, não para contradizer seu discurso, mas para afirmar que nada é impossível e que sua promessa, sendo verdadeira, não devia ser entendida num sentido grosseiro e carnal.
Isto escandaliza-vos?
Que seria, pois, se vísseis subir o Filho do homem para onde primeiro estava?
O espírito é o que vivifica, a carne para nada aproveita; as palavras que eu vos digo são espírito e vida.
Mas há alguns de vós que não crêem. Porque bem sabia Jesus, desde o princípio, quem eram os que não criam, e quem era o que o havia de entregar. (Jo 6:61-64)
Com a expressão subir o Filho do Homem para onde primeiro estava, Jesus falava da sua ascensão, pela qual voltaria ao Céu, revestido de sua santa humanidade. Se aqueles discípulos que estavam a ponto de apostatar tivessem testemunhado antecipadamente este glorioso mistério, creriam facilmente que ele podia cumprir suas promessas. Então, poriam nele toda a sua confiança e cessariam de escandalizar-se sem motivo.
Cesaréia de Filipo, onde Jesus esteve (Mt 16.13)
As palavras o espírito é o que vivifica, a carne para nada aproveita (Jo 6.63) contém uma sentença de ordem geral, que significa que, no organismo humano, o espírito é quem dá a vida. A carne, por si só, seria uma coisa morta, inerte, e logo seria destruída pela corrupção.
Com esta afirmação, Jesus precisava, pois, dar sentido às suas palavras: nunca lhe havia passado pelo pensamento distribuir sua carne separada da alma, como grosseiramente muitos haviam imaginado. A linguagem do Mestre é espírito e vida, e devia ser interpretada espiritualmente. A carne que ele daria de comer e o sangue que ele daria de beber era a carne e o sangue do Filho do Homem que voltaria para o céu, transfigurado e para sempre vivo. Não seriam alimentos físicos, mas espirituais, em memória do seu sacrifício.
Jesus acrescentou com tristeza: Mas há alguns de vós que não crêem (Jo 6.64). A propósito desta última frase, tão trágica, o evangelista faz uma dolorosa e profunda observação: Porque bem sabia Jesus, desde o princípio, quem eram os que não criam e quem era o que o havia de entregar (Jo 6.64).
Não havia errado, pois, o Mestre com respeito aos discípulos. Desde o primeiro momento, havia percebido a fragilidade da fé que tinham, a apostasia de alguns deles e, em particular, conhecia de antemão a traição de Judas. Não surpreendeu a Jesus a mudança de atitude de certos discípulos; pelo contrário, o Mestre o havia anunciado aos seus amigos mais chegados. E, dessa forma, ao acabar o seu discurso, Jesus acrescentou: Por isso, eu vos disse que ninguém pode vir a mim, se por meu Pai lhe não for concedido (Jo 6.65).

A CONFISSÃO DE PEDRO

O momento era grave, decisivo, pelo que Jesus, não obstante a tristeza que esta separação lhe causava, quis também testar a fé de sus apóstolos. [Testar para eles mesmos. Porque o Mestre conhecia e conhece o íntimo de cada ser humano] Dirigindo-se, pois, a eles, fez-lhes sem rodeios esta pergunta: Quereis vós também retirar-vos? (Jo 6.67). Não foi preciso aguardar muito a resposta. Simão Pedro encarregou-se de dá-la, em nome de todos, uma vez mais manifestando seu ardoroso temperamento, sua fé e seu amor para com o seu Mestre: Senhor, para quem iremos nós? Tu tens as palavras da vida eterna, e nós temos crido e conhecido que tu és o Cristo, o Filho de Deus (Jo 6.68,69).
Esta confissão de fé, digno prelúdio daquela outra que o mesmo apóstolo faria em circunstância ainda mais solene, era tão explícita como então podia sê-lo, e o Salvador ficou satisfeito com ela. E os apóstolos não se separaram de Jesus, pois nele encontraram o Mestre mais perfeito, o doutro capaz de satisfazer as suas necessidades intelectuais e religiosas, o próprio Messias.
Digna de nota é a expressão temos crido e conhecido que tu és o Cristo, o Filho de Deus (Jo 6.69), pois, desde o começo, aqueles homens seguiram o Mestre pela fé, e esta os conduziria a um conhecimento cada vez mais aperfeiçoado. Mas esta confissão não podia suprimir a profunda tristeza que causava no  Salvador o desvio de tantos ingratos. Então, ele disse: Não vos escolhi a vós os doze? E um de vós é um diabo (Jo 6.70). Assim, pois, entre seus discípulos mais íntimos, entre os mais privilegiados, entre os que lhe deveriam ser mais fiéis, existia um germe de apostasia - pensamento que preocupava o coração do bem Mestre - e, ainda mais, um germe de traição, que supunha no futuro traidor uma natureza verdadeiramente diabólica.
João nos revela aqui de antemão o nome daquele demônio: E isso dizia ele de Judas Iscariotes, filho de Simão, porque este o havia de entregar, sendo um dos doze (Jo 6.71). O traidor ocultou tão habilmente o seu desígnio que os outros apóstolos, exceto talvez o discípulo amado [avisado pelo Mestre], não suspeitaram de nada até que se consumou a traição.
LEIA MAIS SOBRE JUDAS, AQUI

Postagem em destaque

Os Crentes Gentios Permanecem para sempre Distintos do Povo de Israel!

Os antigos comentaristas crentes posteriores ao Novo Testamento tendiam a ver os membros da igreja multinacional como um “novo” ou “verdadei...