Costumes Bíblicos: AS PÁSCOAS DURANTE O MINISTÉRIO DE JESUS

AS PÁSCOAS DURANTE O MINISTÉRIO DE JESUS

Todos os grandes comentaristas da Bíblia estão de acordo que a vida pública de Jesus durou realmente três anos. O quarto evangelista, que propôs a completar os evangelhos sinópticos, lançou forte luz sobre este ponto em questão, citando toda uma série de festas religiosas, escalonadas ao longo da vida pública de Jesus e que, se forem muito bem consideradas, exigem que esta vida pública tenha durado cerca de três anos ou mais.

Vejamos a lista:

  • PRIMEIRA: Uma primeira Páscoa (Jo 2.13);
  • SEGUNDA: Uma festa entre os judeus, cuja natureza procuraremos determinar (Jo 5.1);
  • TERCEIRA: Outra Páscoa (Jo 6.4);
  • QUARTA: A Festa dos Tabernáculos, depois da Páscoa (Jo 7.2);
  • QUINTA: A Festa da Dedicação (Jo 10.22);
  • SEXTA: A última Páscoa (Jo 12.1; 13.1).
Esta lista nos permite perceber claramente três Páscoas sucessivas. A primeira, bem no início do ministério de Jesus (pouco depois do seu batismo); a segunda, em torno da época da primeira multiplicação dos pães; e a terceira, no período da Paixão e morte de Cristo.
Conforme o testemunho tão antigo e cheio de autoridade de Ireneu, a estas três Páscoas deve ser acrescentada, provavelmente, uma outra que, no segundo tópico da lista que fizemos acima, foi chamada de uma festa entre os judeus. A maioria dos estudiosos acredita que essa expressão tenha sido usada por João para referir-se à Páscoa. Entre a primeira e a última Páscoa, teriam transcorrido três anos. Mas como a vida pública de Jesus, foi inaugurada num período antes da primeira Páscoa - vários meses, sem dúvida -, resulta que a duração total de seu ministério foi de uns três anos e meio.
Há uma opinião intermediária, segundo a qual Jesus só teria pregado durante um período de dois anos ou, quando muito, de dois anos e meio. Os adeptos dessa opinião dizem que não houve mais de três Páscoas durante o curso da vida pública de Jesus, reduzindo esse período a pouco mais de dois anos.
Se a primeira dessas três primeiras Páscoas foi celebrada (conforme cálculos anteriores) nos primeiros dias de abril do ano 780 de Roma (27 da era cristã), a quarta aconteceu no ano 783 de Roma (30 da era cristã).
As páginas anteriores, sobretudo as que se referem às informações cronológicas do quarto evangelho, permitem-nos fixar alguns parâmetros que mostram que a vida pública do Salvador pode ser dividida em períodos regulares, tornando menos difícil colocar em ordem a provável sucessão dos acontecimentos.
O conjunto de fatos e de palavras que os evangelhos sinópticos apresentam é o mesmo, e também o plano geral. É certo que Mateus e Marcos, mais o primeiro do que o segundo, prestaram pouca atenção aos pormenores de natureza cronológica. Lucas, no entanto, é normalmente fiel em cumprir a promessa feita no prólogo (Lc 1.3). Seu registro está de acordo com a verdadeira ordem dos acontecimentos. Ele nos dá datas sincrônicas de grande valor como pontos de convergência (Lc 2.1,2; 3.1,2).
A narração de Lucas, à primeira vista, parece referir-se integralmente à última viagem de Jesus a Jerusalém (Lc 19.28). O evangelista faz isso em três ocasiões (Lc 9.52; 13.22; 17.11) ao mencionar as viagens distintas de Jesus até aquela cidade. Esses dados supõem claramente que não se trata apenas de uma única viagem feita por nosso Senhor a Jerusalém, conforme se poderia crer anteriormente. Mas isso se tomarmos  ao pé da letra as narrações de Mateus e Marcos.

UMA CURIOSIDADE DA BÍBLIA HEBRAICA

Por que Pedro foi preso na Páscoa?(*)
No início de Atos 12 , Herodes prende Pedro e o coloca na prisão durante a festa da Páscoa (12: 3-4). Assim como a primeira Páscoa no Egito levou à libertação de Israel da escravidão, Deus reproduz aquela noite de Páscoa inicial quando um anjo liberta Pedro da prisão. A Páscoa e o êxodo individuais do discípulo enfatizam a presença contínua do Deus de Israel com os primeiros seguidores judeus de Jesus.
Enquanto Pedro dorme na prisão, um anjo do Senhor aparece durante a noite e lhe diz: “ Cinge-te (ζῶσαι; zosai ) e ata (ὑπόδησαι; hupódesai ) as tuas sandálias ” (Atos 12: 8). As instruções do anjo a Pedro nesta noite ecoam as palavras de Deus aos hebreus na noite em que comerem o cordeiro pascal : “Assim o comerás com o teu cinto cingido (περιεζωσμέναι; periezosménai ), e as tuas sandálias (ou“ ataduras ”, ὑποδήματα ; hupodémata) em seus pés ”(Êxodo 12:11 LXX). Essas instruções semelhantes a Israel e a Pedro precedem uma libertação milagrosa da escravidão. Além disso , quando Pedro e o anjo chegam aos limites do terreno da prisão, um portão de “ ferro ” (σιδηροῦς; sideral ) se abre para eles e eles escapam para a cidade (Atos 12:10). A atenção de Lucas ao metal do portão lembra a libertação de Israel do Egito , a “fornalha de ferro (σιδήρεος; sidéreos )” (cf. Dt 4:20; Jr 11: 4 LXX).
Ao lado dessas semelhanças, há também uma diferença notável entre as duas Páscoas. Para libertar os hebreus da escravidão, Deus mata o primogênito: “ Passarei pela terra do Egito naquela noite, e atingirei (πατάσσω; patásso ) todos os primogênitos do Egito” (Êxodo 12:12 LXX). Em Atos, em vez de golpear os captores de Pedro, o mensageiro de Deus golpeia Pedro para encenar seu êxodo: “O anjo do Senhor… golpeou (πατάσσω; patásso) Pedro chegou ao lado e o acordou, dizendo: 'Levanta-te depressa!' E as correntes caíram de suas mãos ”(Atos 12: 7). Considerando que Deus já havia passado pelas casas em que os hebreus dormiam, o anjo entra na cela de Pedro adormecido e o atinge! Embora o “golpe” de Pedro não seja nem de longe tão severo quanto o golpe divino contra o Egito, o uso da linguagem do Êxodo por Lucas repete o evento da Páscoa original e nos lembra que o Deus que decretou o êxodo também guia o movimento de Jesus. (*Texto tirado de um artigo publicado em Israel Bible Center por Dr. Nicholas J. Schaser-Editado aqui por Costumes Bíblicos)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por comentar! Fica na paz!
E peço isto: que o vosso amor cresça mais e mais em ciência e em todo o conhecimento,
Para que aproveis as coisas excelentes, para que sejais sinceros, e sem escândalo algum até ao dia de Cristo;
Cheios dos frutos de justiça, que são por Jesus Cristo, para glória e louvor de Deus.
Filipenses 1:9-11

DESTAQUE NO SITE

As grandes festas religiosas

As principais festas religiosas de Israel estavam intimamente relacionadas com as diferentes estações e com o ano agrícola (Veja "O...