COSTUMES BÍBLICOS: abril 2016


A dieta de Daniel

Uma dieta divina.
A decisão de Daniel (Dn 1.1-8).
Nabucodonosor escolhera alguns nobres jovens hebreus para serem treinados na língua e na literatura da Babilônia. Daniel e seus três amigos eram parte desse corpo discente (Dn 1.4).
Os jovens receberiam o melhor da comida e do vinho do rei (Dn 1.5).
A lavagem cerebral começou quando um intendente mudou o nome deles (Dn 1.7).
Hananias (o Senhor é gracioso) tornou-se Sadraque (iluminado pelo deus sol).
Misael (quem é o Senhor?) tornou-se Mesaque (quem é Ishtar?).
Azarias (o Senhor é meu auxílio) tornou-se Abede-Nego (o escravo de Nabu). Nabu era o deus babilônio da sabedoria e da educação.
Daniel (Deus é Juiz) tornou-se Beltessazar (príncipe de Bel). Bel era o principal deus do panteão babilônico, equivalente a Zeus ou Júpiter.
Daniel aceitou seu novo nome, mas decidiu não adotar o cardápio do rei (Dn 1.8).
A dieta de Daniel
Três fatores podem ter influenciado a decisão de Daniel:
A carne e o vinho provavelmente haviam sido sacrificados para falsos deuses.
A comida podia estar incluída dentre os itens proibidos pela Lei Mosaica (Lv 11.44-47).
Daniel talvez tenha previamente feito o voto de nazireu (Nm 6.3).
Satanás certamente tentou de muitos modos levar Daniel a voltar atrás:
Era uma ordem do rei, portanto, uma lei.
Desobedecê-la teria uma punição severa como consequência.
Provavelmente, aquela atitude comprometeria todas as possibilidades de progresso.
Quando estiver em um país estrangeiro (como a Babilônia), faça simplesmente como as pessoas do lugar fazem.
Ele estava muito longe de casa, e ninguém saberia das coisas que faria.
De todo modo, Deus permitiu que Daniel fosse capturado.
Saiba mais!
Conheça a história de Daniel, click aqui na imagem abaixo:




Até a próxima!
Fica na paz!

Postagem em destaque

GOG E MAGOG - ESCATOLOGIA JUDAICA

A Garganta de Darial antes de 1906. FOTO:   As  Portas de Alexandre  foram uma barreira lendária construída por Alexandre, o Grande no Cáuca...