COSTUMES BÍBLICOS: outubro 2021


A aparência dos Anjos na História Judaica

A APARÊNCIA DOS ANJOS
O termo bíblico para 'anjo' [מַלְאָךְ‎, malach] que significa de acordo com uma derivação simples, "mensageiro", passou a receber sentido extra de "anjo" apenas por meio da adição do nome de Deus , como ocorre por exemplo, em Zac 12.8 onde lemos מלאך יְהוָה, אלוהים מַלְאָךְ (anjo de Deus, anjo de Hashem). Outros termos incluem: ("filhos de Deus") como é possível ser visto Gn 6.4; Jó 1.6; Sl 29.1, e também ("os santos") no Sl 89.6-8.
No texto bíblico, os anjos aparecem ao homem na forma de seres humanos de extraordinária beleza, e não são reconhecidos imediatamente como tais (Gn 18.2; 19.5; Jz 6.17; 13.6; IISm 29.9); eles voam pelo ar; eles se tornam invisíveis; sacrifícios tocados por eles são consumidos pelo fogo; eles desaparecem no fogo sacrificial, como Elias, que cavalgou para o céu em uma carruagem de fogo; e aparecem nas chamas do espinheiro (Gn 16.13; Jz 6.21,22; IIRs 2.11; Ex 3.2). Eles são puros e brilhantes como o céu; consequentemente, eles são formados de fogo e são cercados pela luz (Jó 15.15), como diz o salmista "Que faz dos ventos seus mensageiros; seus ministros de um fogo flamejante" (Sl 104.4). Embora tenham relações com as filhas dos homens (Gn 6), e comam do pão celestial (Sl 7825), eles são imateriais, não estando sujeitos às limitações de tempo e espaço. (Veja mais, 'anjos na Bíblia')

A aparência

Embora sobre-humanos, eles assumem a forma humana. Esta é a primeira concepção. Gradualmente, e especialmente nos tempos pós-bíblicos, eles vêm a ser incorporados em uma forma correspondente à natureza da missão a ser cumprida - geralmente, no entanto, a forma humana. Eles carregam espadas desembainhadas ou armas que destroem em suas mãos, outro aparece carregando um chifre de tinta ao seu lado e ainda outro, monta cavalos (Nm 22.31; Js 5.13; Ez 9.2; Zc 1.8 e seq) Um anjo terrível é mencionado em ICr 21.16-30, "entre a terra e o céu, tendo na mão uma espada desembainhada". No livro de Daniel, provavelmente escrito em 165 aEC, é feita uma referência a um anjo "vestido de linho, cujos lombos eram cingidos de ouro fino de Ufaz; seu corpo era como o berilo e seu rosto como a aparência de um relâmpago; seus olhos como lâmpadas de fogo, e seus braços e pés como em cor de latão polido, e a voz de suas palavras como a voz de uma multidão" (Dn 10.5,6). É uma questão aberta se naquela época os anjos eram considerados como seres possuidores de asas (Dn 9.21).
Os anjos são poderosos e terríveis, dotados de sabedoria e conhecimento de todos os eventos terrestres, corretos em seu julgamento, santos, mas não infalíveis, porque eles se às vezes entram em contraste um com o outro, e Deus faz  paz entre eles. Quando seus deveres não são punitivos,os anjos são benéficos para o homem (Sl 103.20; 78.25; 2Sm 14.17-20; 19.27; Zc 14.5; Jó 4.18; 25.2).
O número de anjos é enorme. Jacó encontra uma série deles; Josué vê o "capitão do exército de Hashem"; Deus se senta no seu trono e "todo o exército do céu" permanece "em pé junto à sua direita e à sua esquerda"; os filhos de Deus vêm para "apresentar-se perante Hashem" (Gn 32.2; Js 5.14,15; 1Rs 22.19; Jó 1.6; 2.1; Sl 89.6; Jó 33.23). A concepção geral é a de Jó (25.3): "Existe alguma contagem dos seus exércitos?"
Embora os escritos mais antigos geralmente mencionem um anjo de Hashem, as embaixadas enviadas aos homens, em regra, compreendiam vários mensageiros. Os anjos são mencionados em conexão com suas missões especiais; como, por exemplo, o "anjo que redimiu", "um intérprete", "o anjo que destruiu", "o mensageiro da aliança", "o anjo da sua presença" e "um grupo de anjos maus" (Gn 48.16; Jó 33-23; 2Sm 24.16; Ml 3.1; Is 63.9; Sl 78.49). Quando, no entanto, a hoste celestial é considerada em seu aspecto mais abrangente, uma distinção pode ser feita entre querubins, serafins, ḥayyōṯ [חַיּוֹת] ("criaturas vivas"), ofanim ("rodas") e arelim (o significado de qual termo é desconhecido).  Deus é descrito como cavalgando sobre os querubins e como "Hashem das hostes, que habita entre os querubins"; enquanto os últimos guardam o caminho da árvore da vida (1Sm 4.4; Sl 80.1; Gn 3.24). Os serafins são descritos por Isaías (6.2) como tendo seis asas; e Ezequiel descreve as ḥayyōṯ (Ez 1 e seguintes) e os ofanim como seres celestiais que carregam o trono de Deus.
Nos tempos pós-bíblicos, as hostes celestiais tornaram-se mais altamente organizadas (possivelmente já em Zacarias 3.9 e 4.10); e, certamente em Daniel, em cuja história vieram a existir vários tipos de anjos, alguns até mesmo com nomes, como será mostrado abaixo.
Os anjos aparecem ao homem como meio do poder e da vontade de Deus e para executar Sua vontade. Os anjos se revelam tanto aos indivíduos quanto a toda a nação, para anunciar eventos bons e ruins, que os afetam. Anjos predizem a Abraão o nascimento de Isaque, a Manoá o nascimento de Sansão e a Abraão a destruição de Sodoma. Anjos da guarda são mencionados, mas não como aconteceu mais tarde, onde surgem os 'espíritos guardiões' de indivíduos e nações. Deus envia um anjo para proteger o povo após o seu êxodo do Egito, pata conduzi-lo à terra prometida e para destruir as tribos hostis em seu caminho (Êx 23.20; Nm 20.16). Em Juízes (2.1) temos um anjo de Hashem, a menos que aqui e nos exemplos anteriores (compare Is 42.19; Ag 1.13; Ml 3.1) a referência seja a um mensageiro humano de Deus que dirige-se a todo o povo, prometendo conduzi-los à terra prometida. Um anjo traz para Elias carne e água (1Rs 19.5); e assim como Deus vigiava Jacó, assim é toda a pessoa piedosa protegida por um anjo que cuida dele em todos os seus caminhos (Sl 34.7). Há anjos aguerridos, um dos quais agride em apenas uma noite todo o exército assírio de 185.000 (2Rs 19.35); mensageiros saem de Deus "em navios para fazerem com que os etíopes descuidados tenham medo" (Ez 30.9); o inimigo é espalhado diante do anjo como palha (Sl 35.5,6). Anjos vingadores são mencionados, como o de 2Sm 24.16,17, que aniquila milhares. Parece que a pestilência foi personificada e que os "anjos maus" mencionados no Sl 78.49 devem ser consideradas personificações deste tipo. O "mal" aqui não deve ser tomado no sentido causativo, como que "produzindo o mal"; pois, como dito acima, os anjos são geralmente considerados, por natureza, benéficos para o homem. Eles glorificam a Deus, de onde vem o termo "anjos glorificadores" (Sl 29.1; 103.20; 148.2; compare Is 6.2 e seguintes.). Eles constituem a corte de Deus, sentados em conselho com ele (1Rs 22.19; Jó 1.6; 2.1); por isso eles são chamados de "conselho dos (Seus) santos" (Sl 89.7, ou "assembleia dos santos"). Eles acompanham a Deus como Seus assistentes quando Ele aparece ao homem (Dt 33.2; Jó 38.7). Esta concepção foi desenvolvida após o exílio; e em Zacarias, anjos de várias formas são designados "a andar de um lado para o outro da terra" a fim de descobrir e relatar o que acontece (Zc 6.7). Nos livros proféticos, os anjos também aparecem como representantes do espírito de profecia, e trazem aos profetas a palavra de Deus. Assim, o profeta Ageu foi chamado mensageiro de Deus ('anjo'); e sabe-se que "Malaquias" não é um nome real, mas significa "mensageiro" ou "anjo" de Hashem. Vale ressaltar que em 1Rs 13.18, um anjo traz a palavra divina ao profeta.
Sobre o importante problema da origem dos anjos, os escritores bíblicos nada mencionam; porém, infere-se eles existindo antes mesmo da Criação (Gn 1.26; Jó 38.7). Os escritos bíblicos anteriores não especularam sobre eles; simplesmente consideravam os mesmos em suas relações com o homem, como agentes de Deus. Consequentemente, eles não os individualizaram ou os denominaram; e em Juízes 13.18 e Gênesis 32.29, os anjos, quando questionados, recusam-se a dar seus nomes. Em Daniel, no entanto, já ocorrem os nomes Michael (Miguel) e Gabriel (Gabriel). Miguel é o representante de Israel no céu, onde outras nações - os persas, por exemplo - também eram representadas por príncipes angélicos. Mais de trezentos anos antes do livro de Daniel ter sido escrito, Zacarias classificou os anjos de acordo com sua posição, mas não os nomeou. A noção dos sete olhos (Zc 3.9; 4.10) pode ter sido afetada pela representação dos sete arcanjos e também possivelmente pelos sete amshaspanda da mitologia persa (compare com Ez 9.2).

AS PÁSCOAS DURANTE O MINISTÉRIO DE JESUS

Todos os grandes comentaristas da Bíblia estão de acordo que a vida pública de Jesus durou realmente três anos. O quarto evangelista, que propôs a completar os evangelhos sinópticos, lançou forte luz sobre este ponto em questão, citando toda uma série de festas religiosas, escalonadas ao longo da vida pública de Jesus e que, se forem muito bem consideradas, exigem que esta vida pública tenha durado cerca de três anos ou mais.

Vejamos a lista:

  • PRIMEIRA: Uma primeira Páscoa (Jo 2.13);
  • SEGUNDA: Uma festa entre os judeus, cuja natureza procuraremos determinar (Jo 5.1);
  • TERCEIRA: Outra Páscoa (Jo 6.4);
  • QUARTA: A Festa dos Tabernáculos, depois da Páscoa (Jo 7.2);
  • QUINTA: A Festa da Dedicação (Jo 10.22);
  • SEXTA: A última Páscoa (Jo 12.1; 13.1).
Esta lista nos permite perceber claramente três Páscoas sucessivas. A primeira, bem no início do ministério de Jesus (pouco depois do seu batismo); a segunda, em torno da época da primeira multiplicação dos pães; e a terceira, no período da Paixão e morte de Cristo.
Conforme o testemunho tão antigo e cheio de autoridade de Ireneu, a estas três Páscoas deve ser acrescentada, provavelmente, uma outra que, no segundo tópico da lista que fizemos acima, foi chamada de uma festa entre os judeus. A maioria dos estudiosos acredita que essa expressão tenha sido usada por João para referir-se à Páscoa. Entre a primeira e a última Páscoa, teriam transcorrido três anos. Mas como a vida pública de Jesus, foi inaugurada num período antes da primeira Páscoa - vários meses, sem dúvida -, resulta que a duração total de seu ministério foi de uns três anos e meio.
Há uma opinião intermediária, segundo a qual Jesus só teria pregado durante um período de dois anos ou, quando muito, de dois anos e meio. Os adeptos dessa opinião dizem que não houve mais de três Páscoas durante o curso da vida pública de Jesus, reduzindo esse período a pouco mais de dois anos.
Se a primeira dessas três primeiras Páscoas foi celebrada (conforme cálculos anteriores) nos primeiros dias de abril do ano 780 de Roma (27 da era cristã), a quarta aconteceu no ano 783 de Roma (30 da era cristã).
As páginas anteriores, sobretudo as que se referem às informações cronológicas do quarto evangelho, permitem-nos fixar alguns parâmetros que mostram que a vida pública do Salvador pode ser dividida em períodos regulares, tornando menos difícil colocar em ordem a provável sucessão dos acontecimentos.
O conjunto de fatos e de palavras que os evangelhos sinópticos apresentam é o mesmo, e também o plano geral. É certo que Mateus e Marcos, mais o primeiro do que o segundo, prestaram pouca atenção aos pormenores de natureza cronológica. Lucas, no entanto, é normalmente fiel em cumprir a promessa feita no prólogo (Lc 1.3). Seu registro está de acordo com a verdadeira ordem dos acontecimentos. Ele nos dá datas sincrônicas de grande valor como pontos de convergência (Lc 2.1,2; 3.1,2).
A narração de Lucas, à primeira vista, parece referir-se integralmente à última viagem de Jesus a Jerusalém (Lc 19.28). O evangelista faz isso em três ocasiões (Lc 9.52; 13.22; 17.11) ao mencionar as viagens distintas de Jesus até aquela cidade. Esses dados supõem claramente que não se trata apenas de uma única viagem feita por nosso Senhor a Jerusalém, conforme se poderia crer anteriormente. Mas isso se tomarmos  ao pé da letra as narrações de Mateus e Marcos.

UMA CURIOSIDADE DA BÍBLIA HEBRAICA

Por que Pedro foi preso na Páscoa?(*)
No início de Atos 12 , Herodes prende Pedro e o coloca na prisão durante a festa da Páscoa (12: 3-4). Assim como a primeira Páscoa no Egito levou à libertação de Israel da escravidão, Deus reproduz aquela noite de Páscoa inicial quando um anjo liberta Pedro da prisão. A Páscoa e o êxodo individuais do discípulo enfatizam a presença contínua do Deus de Israel com os primeiros seguidores judeus de Jesus.
Enquanto Pedro dorme na prisão, um anjo do Senhor aparece durante a noite e lhe diz: “ Cinge-te (ζῶσαι; zosai ) e ata (ὑπόδησαι; hupódesai ) as tuas sandálias ” (Atos 12: 8). As instruções do anjo a Pedro nesta noite ecoam as palavras de Deus aos hebreus na noite em que comerem o cordeiro pascal : “Assim o comerás com o teu cinto cingido (περιεζωσμέναι; periezosménai ), e as tuas sandálias (ou“ ataduras ”, ὑποδήματα ; hupodémata) em seus pés ”(Êxodo 12:11 LXX). Essas instruções semelhantes a Israel e a Pedro precedem uma libertação milagrosa da escravidão. Além disso , quando Pedro e o anjo chegam aos limites do terreno da prisão, um portão de “ ferro ” (σιδηροῦς; sideral ) se abre para eles e eles escapam para a cidade (Atos 12:10). A atenção de Lucas ao metal do portão lembra a libertação de Israel do Egito , a “fornalha de ferro (σιδήρεος; sidéreos )” (cf. Dt 4:20; Jr 11: 4 LXX).
Ao lado dessas semelhanças, há também uma diferença notável entre as duas Páscoas. Para libertar os hebreus da escravidão, Deus mata o primogênito: “ Passarei pela terra do Egito naquela noite, e atingirei (πατάσσω; patásso ) todos os primogênitos do Egito” (Êxodo 12:12 LXX). Em Atos, em vez de golpear os captores de Pedro, o mensageiro de Deus golpeia Pedro para encenar seu êxodo: “O anjo do Senhor… golpeou (πατάσσω; patásso) Pedro chegou ao lado e o acordou, dizendo: 'Levanta-te depressa!' E as correntes caíram de suas mãos ”(Atos 12: 7). Considerando que Deus já havia passado pelas casas em que os hebreus dormiam, o anjo entra na cela de Pedro adormecido e o atinge! Embora o “golpe” de Pedro não seja nem de longe tão severo quanto o golpe divino contra o Egito, o uso da linguagem do Êxodo por Lucas repete o evento da Páscoa original e nos lembra que o Deus que decretou o êxodo também guia o movimento de Jesus. (*Texto tirado de um artigo publicado em Israel Bible Center por Dr. Nicholas J. Schaser-Editado aqui por Costumes Bíblicos)

Postagem em destaque

Os Crentes Gentios Permanecem para sempre Distintos do Povo de Israel!

Os antigos comentaristas crentes posteriores ao Novo Testamento tendiam a ver os membros da igreja multinacional como um “novo” ou “verdadei...