COSTUMES BÍBLICOS: fevereiro 2022


O MISTERIOSO MANÁ - A COMIDA DOS CÉUS

A Comida mais misteriosa da história humana!
Um alimento que literalmente caía dos céus.
O maná (em hebraico, מן, que é transliterado com mais precisão como mon ) era a substância comestível milagrosa que caía todos os dias do céu durante o período de 40 anos entre o Êxodo e a conquista de Israel , fornecendo aos nossos ancestrais sustento ao longo de suas viagens. no deserto.
Existem grandes segredos com relação ao Maná.
Milagres inacreditáveis acompanhavam o Maná, desde o momento em que saía do firmamento, até a hora da digestão!!
Havia uma benção especial, que o povo de Israel fazia ao ingerir essa comida. Conta o Midrash (O Midrash é um dos níveis mais profundos de compreensão da Torá, da Bíblia. Nele existem milhares de relatos codificados, dos quais somente os iniciados podem compreender. O Midrash tem uma importância central na compreensão dos contextos bíblicos e preenche lacunas na visão filosófica do judaísmo.) A bênção que recitamos após cada refeição ("Bendito és Tu, D'us... que nutre o mundo inteiro com Sua bondade, com graça e com compaixão...") é a mesma bênção composta por Moisés em gratidão pelo maná.


Você sabe os milagres que acontecia com o Maná?
Qual o sabor que tinha o Maná?
E a diferença onde ele caía?
Quanto cada uma pessoa podia pegar para si?

Como o Maná caía dos Céus?

O povo de Israel sai do Egito no dia quinze do mês hebraico de Nissan. Só que eles saíram com pão ázimo. Eles tinham comida. Quanto tempo durou essa comida? 40 dias. E aí eles vêm, e reclamam. Moisés, se nós não temos comida, nós vamos morrer. Por que você nos tirou da terra do Egito? Pra morrer aqui no deserto? Nos devolve para o Egito! Um mês depois de seu êxodo do Egito, a comida dos israelitas acabou, e no domingo, 15º dia do mês de Iyar , eles se voltaram para Moisés e Arão em busca de comida. Naquela noite, um bando de aves milagrosamente chegou e, na manhã seguinte, uma substância comestível especial caiu do céu, que recebeu o nome de “maná”. Há uma opinião de que, embora as pessoas pedissem o sustento no dia 15 de Iyar , ainda restava um pouco de comida, e o maná só começou a cair três dias depois, no dia 18 de Iyar (que mais tarde se tornaria o dia de Lag BaOmer). Então nessa hora vem Deus e promete: Eu vou alimentar vocês! (Êx 16.4) Vai cair comida literalmente do céu. E é isso que acontece. Começa a cair Maná dos céus, ele cai desde o mês hebraico, o mês seguinte que é Yahar (Abril-Maio de nosso calendário) até a entrada na terra de Israel. Por 40 anos eles comeram isso! (Êx 16.35) - Imagina? Comer a mesma comida por 40 anos!
O Maná, ele cai de uma forma muito peculiar. Ele cai pela manhã com uma camada de orvalho por baixo (Êx 16.13) Cai o Maná e vem mais uma camada de orvalho por cima; ele vinha protegido. Deus não somente trazia esse alimento, como Ele ainda trazia de uma forma bonita, a gente pode falar quase numa bandeja! Para pessoa ficar feliz a forma como ela está sendo servida.
O maná era do tamanho de uma semente de coentro e da cor de um bedolach branco, que os comentários explicam ser um cristal fino.

Etimologia da palavra Maná

A primeira vez que as pessoas viram isso, o que elas falaram? [aqui você vai aprender um pouco do hebraico bíblico] o nome é Maná; em hebraico é Mon. O que é Mon? As pessoas falaram: Mon o que é isso? ou [מאן הו - מָן] "Man Hu" ou seja, o próprio nome Maná é: "O que significa isso?" (Êx 16.15). Outra explicação é: da onde isso veio? Como se fala isso em hebraico? Me Ayn Hu - de novo Maná - Mon! Agora, esse Maná, quando as pessoas viram, elas falam:  isso aqui é um alimento de príncipes! É um alimento das pessoas mais importantes! Como se chamava isso? Lechem (pão) abirim. Interessante é que as pessoas começaram a perceber que tem aqui uma coisa fabulosa, uma coisa especial esse Lechem abirim que aparece na Bíblia essa expressão, também nos ensina que em hebraico bíblico a palavra órgão significa, eivarim (אייברים) o que acontecia?

O Poder Nutricional do Maná

Quando uma pessoa comia do Maná, o Maná alimentava todos os seus órgãos. E ele não produzia nada que não era estritamente necessário! Por isso até mesmo as pessoas não precisavam ir ao banheiro! Não tinha nenhuma parte que não era aproveitada!
No começo até ficaram um pouco assustados. Mas como é que os povos podiam saber o que estava acontecendo a ponto deles mesmos chamarem aqui é uma comida de príncipes!
O que acontece é que o Maná pela manhã sobrava porque Deus dava em abundância, o Maná que sobrava ele derretia junto com o orvalho e os animais que estavam no deserto, comiam do Maná, na verdade, estão bebendo água de um riacho de algum lugar, eles provavam o Maná e quando, por exemplo, uma gazela tinha comido isso, e foi cassada por um povo, e as pessoas comiam a carne da gazela, elas sentiam o sabor do Maná! E Deus fez isso propositadamente para as pessoas verem como Ele está tratando o povo de Israel, com amor muito grande. Aquela carne que pra ele já era saborosa, se tornou um ótimo manjar.

Leis sobre o Maná

Existiam algumas leis que tinham que ser cumpridas com relação ao Maná.
Nenhuma pessoa poderia armazenar maná. Era uma porção diária por dia. (Êx 16.22) Cada pessoa sabia quanto ele tinha que pegar; mas ele não tinha aqui uma balança pra saber! Então, cada pessoa pela manhã; se era uma família de cinco pessoas em casa, ele ia pegar para porção, aproximadamente para 5 pessoas dentro daquilo que Moisés falou que é o que cabe a cada pessoa e se ele pegasse de mais de uma forma que ele soubesse que ele ta exagerando, sabe o que acontecia? Ele apodrecia (o maná) e vinham vermes. O tempo de validade do Maná era 24 horas. A pessoa tinha que comer de um dia para o outro. No outro dia vai cair maná com uma exceção: A sexta-feira; no Sábado Deus não quer que as pessoas trabalhem, cozinhem, como está na Bíblia.
Na sexta-feira cai a porção da sexta-feira e do Shabbat (Sábado) e ainda está escrito que a porção do Sábado, era mais saborosa do que o dia da semana.

Sabor do Maná

Tem algo aqui que é espetacular que está escrito no Midrash. 
O Midrash conta, que na verdade, cada pessoa podia escolher, cada vez que ela está comendo o maná, o sabor que ela queria. Então, se ela queria hoje comer algo salgado, algo agridoce, esse gosto, esse sabor, então, na verdade, ela podia decidir o sabor que o maná tem em cada uma das refeições que ela fosse comer. A Torá descreve o sabor como sendo semelhante ao de algo frito em óleo e mel. O maná foi adaptado ao gosto de cada um; para o adulto tinha gosto de comida de adulto, enquanto para bebê tinha gosto de leite materno. Ao desejar, pode-se saborear no maná qualquer coisa desejada, seja carne, frutas ou grãos. Que coisa impressionante! Mas veja bem outro milagre que acontecia; imagina só duas famílias tem cinco filhos cada uma, aí vem o pai e ele foi catar o maná de acordo com a medida, ele não calculou bem e pegou um pouco mais, mas não aquele demais a mais. Não a ponto de que propositadamente falou que "vou pegar mais para sobrar para amanhã". Não. Isso não funciona. Por outro lado, o seu vizinho que também tinha 5 filhos, ele calculou errado para menos. A pessoa que pegou a mais e a pessoa que pegou a menos, no final, quando elas chegarem em casa, vai ser a medida exata do que cada pessoa precisa para comer para ficar satisfeita. Então, a pessoa que pegou mais e menos, no final, não fazia diferença. Todo mundo comia a mesma coisa, a mesma quantidade e saia satisfeito a nível de quantidade e a nível de qualidade.

Onde o Maná caía

Tem mais um detalhe incrível sobre o Maná.
Aonde ele caía? 
Podemos dizer que era no deserto aonde eles estavam. Mas não era bem assim. O Maná ele caía de acordo com quando uma pessoa era justo. Se uma pessoa era muito justa, muito bondosa, o maná caía bem próximo a sua casa. Porém, se uma pessoa está cometendo atos que não são bonitos, está fazendo muitos pecados, o maná caía mais longe de sua casa. O Maná também era um sinal do nível espiritual de cada pessoa. Por isso está escrito que Deus utiliza o Maná como uma prova. Na verdade, uma prova pessoal aonde eu estou espiritualmente. Porque se eu sei que hoje ele caiu do lado da minha tenda, é porque eu tive um dia excelente ontem. Mas se ele começou a se distanciar, significa que eu estou me distanciando de Deus. Eu tenho que corrigir os meus atos. O povo de Israel, parte das pessoas falou: isso é fantástico! Se eu estou errado eu tenho a capacidade de me consertar porque Deus me deu um sinal. Outras pessoas ficavam incomodadas e aborrecidas se as outras pessoas estavam observando que estava caindo longe. Então o Maná era uma prova. Outra prova que existia, é que era proibido não só coletar no Sábado que não caía, mas mesmo procurar. E existiram pessoas que fizeram , na verdade, dois pecados com relação ao Maná. Existiam pessoas que não cofiavam em Deus e não confiaram que no dia seguinte também vai cair , e no próximo dia vai cair, e eles tentavam armazenar, mas o maná virava vermes. E também a mesma coisa a gente vê, que houveram pessoas que mesmo ao receber duas porções na sexta-feira e a porção do Shabat (Sábado) não estragou, elas ainda assim, saíram falando vamos tentar ver; vai que aparece mesmo que Moisés falou. Então tiveram pessoas e a Bíblia conta isso, que não tiveram a fé em Deus e iam buscar o Maná no Sábado e está escrito que Deus ficou furioso com essas pessoas. O maná acaba sendo um grande sinal. Que sinal é esse? Ele pára de cair dos céus quando o povo de Israel está entrando na terra de Israel. O motivo disso é que Deus, quando o povo está entrando na terra de Israel, Ele (Deus) está agora terminando uma fase de tantos milagres. As nuvens de glória, o maná, o poço que acompanhava eles no deserto durante 40 anos. Chegou a hora do povo ter uma vida natural na terra de Israel. E dentro dessa vida natural, uma vida de trabalho. Também o trabalho divino, o estudo da Torah, as rezas e orações e assim por diante. Eu quero pessoas, seres humanos que tem que cuidar do seu corpo e não se esquecem da sua alma.
Então Deus faz essa mudança; por isso o maná pára de cair. Porém, Deus ordena a Moisés a guardar um pote com maná e esse pote ele ficava no Beit Hamidrash. Ou seja, no início ele ficava no Tabernáculo e depois ele ficava no Grande Templo. Para quê? Para mostrar para todas as pessoas que o povo de Israel esteve no deserto durante quarenta anos; O Midrash relata que permaneceu lá por muitos anos, e nos dias do profeta Jeremias , quando Jeremias repreendeu os judeus, dizendo: “Por que vocês não se ocupam da Torá ?” eles responderam: “Devemos deixar nosso trabalho e nos envolver na Torá? De que vamos nos sustentar?” Ele tirou a jarra de maná e disse a eles: “Vocês estão vendo a palavra do Eterno”. Não diz “ouvir”, mas “ver”. Em outras palavras, Jeremias estava dizendo: “Com isso, seus ancestrais se sustentaram. D'us tem muitos agentes para preparar comida para aqueles que O reverenciam.”

Três níveis de entrega do Maná

O maná cairia de tal maneira que os justos o encontrariam nas portas de suas tendas; as pessoas comuns tinham que sair do acampamento para recolher o que caía ali; e os ímpios tiveram que ir longe para encontrar suas porções. 
Além disso, para os justos caiu pronto para comer, semelhante ao pão assado; para a pessoa média, caiu como bolos não assados, exigindo preparação mínima; e para os ímpios veio em forma não processada e, consequentemente, eles tiveram que moê-lo em um moinho. 
Uma pessoa tinha até a quarta hora do dia para coletar o maná, após o que ele derreteria no calor do sol. O Midrash relata que o derretimento do maná criaria riachos que forneceriam água potável para muitos dos animais no deserto. Se um membro de uma nação próxima comesse um daqueles animais que haviam bebido dos riachos infundidos com maná, ele seria capaz de sentir o gosto do maná. 

O Sustento vem de Deus

O Nosso sustento ele vem de Deus!
A pessoa pensa que tudo que ela faz, esse é o motivo que ela tem sustento. Deus fala: Ordena Moisés a guardar um pouco para as pessoas saberem que todo sustento no deserto, na terra de Israel ou em qualquer época em qualquer lugar; o sustento vem de Deus!
Você não precisa fazer nada de errado para o seu sustento vir. Porque a bênção material depende somente de Deus. Então por isso ele (o maná) foi guardado e as pessoas iam e viam e assim se recordavam: que meu sustento vem de Deus. É interessante, que no judaísmo, a pessoa quando vai comer algum alimento, ela profere uma bênção. Ela pede para Deus a permissão de comer a comida que Ele está dando. Cada alimento tem a sua bênção. É interessante notar, que, quando nós comemos pão hoje em dia, nós proferimos uma bênção: "Bendito seja Tu, Eterno nosso Deus que nos dá pão da terra". Como as pessoas abençoavam à Deus quando chegavam o Maná dos céus? Elas abençoavam assim: "Bendito seja Tu, Hashem, Eterno nosso Deus, que nos dá pão dos céus". Claramente, um louvor fantástico. Mas a gente tem que aprender que o nosso pão que vem da terra, ele também é uma bênção dos céus é uma bênção de Deus!
(Fonte: Este texto contém partículas dos comentários das vídeo-aulas do Rabino Rony Gurwicz da Academia de Moisés um projeto de judaísmo da America Latina e partes de artigos publicados em Chabad.Org pelo rabino Yehuda Shurpin - Montagem e edição do texto por Costumes Bíblicos.com)

LIÇÕES DE VIDA DO REI DAVI

Arte de Sefira Lightstone .
LIÇÕES DE VIDA DO
Guerreiro destemido, pai de família apaixonado, seguidor leal de D'us e uma pessoa profundamente afetada por aqueles ao seu redor, o Rei David viveu uma vida tumultuada e triunfante. Ele era o progenitor de uma dinastia real escolhida por D'us , mas sofria muito com conflitos, especialmente nas mãos daqueles mais próximos a ele.
Aqui estão 15 lições da vida do rei Davi que todos nós podemos viver: (*)

1. Nunca julgue pelas aparências

Nossa primeira lição não vem de David , mas do próprio D'us. D'us despachou o profeta Samuel para a casa de Jessé para ungir um de seus filhos futuro rei de Israel . Um por um, Samuel viu todos os filhos mais velhos de Jessé, mas nenhum era “o único”. O pequeno David, cuidando das ovelhas, não estava presente. Disse D'us a Samuel: “Não olhe para sua aparência, ou a altura de sua estatura… o Eterno vê dentro do coração.” O menor e menos provável de todos, foi Davi quem teve o potencial de levar Israel à grandeza.

2. Só porque ninguém fez isso, não significa que não pode ser feito

Davi foi catapultado para a fama e aclamação depois de matar Golias, o gigante filisteu diante de quem todo o acampamento israelita se encolheu, com um mero estilingue e cinco pedras lisas. Até o rei Saul tentou dissuadir Davi, alegando que ele era jovem demais para enfrentar um guerreiro tão experiente. David foi o único a perceber que mesmo o maior dos homens pode ser derrubado por uma pedra certeira, e que ninguém é mais forte que D'us. Nas próprias palavras de David a Golias: “Você vem a mim com uma espada, lança e dardo, mas eu venho contra você em nome de D'us Todo-Poderoso, o D'us dos exércitos de Israel, a quem você desafiou”.

3. Pense fora da caixa

Quando o rei Saul ficou com ciúmes do sucesso de Davi, ele foi forçado a fugir para a terra dos filisteus, inimigos de Israel. Sabendo que sua reputação de herói o tornou amplamente reconhecido, David “mudou seu discurso diante dos olhos deles e fingiu insanidade diante deles. E ele rabiscou nas portas do portão, e deixou sua saliva escorrer sobre sua barba.”
O raciocínio rápido de Davi fez com que os filisteus o desprezassem, e sua vida foi poupada. Na vida, sempre há uma solução, mas pode não ser a óbvia.

4. Seja Emotivo

Ao longo de sua vida, David expressou sua emoção através de canções e/ou choro. Mesmo sendo um guerreiro célebre, David não se envergonhou de mostrar sua humanidade. Como Davi, devemos dar expressão aos nossos sentimentos, nunca nos sentindo muito acima para um bom choro.

5. Pegue a estrada principal

Há momentos em que as circunstâncias nos apresentam oportunidades para nos vingarmos daqueles que podem ter nos ofendido, e pode ser tentador tomá-los. Mas, como David, podemos tomar a estrada principal. Podemos perder a batalha, mas vencemos a guerra da moralidade.O rei Saul perseguiu Davi pelo deserto, desesperado para encontrá-lo e matá-lo. Certa vez, quando Saul se aliviou na própria caverna onde Davi estava se escondendo, os companheiros de Davi o encorajaram a finalmente matar o homem que havia tornado sua vida miserável sem motivo algum. Mas Davi simplesmente cortou um pequeno pedaço do manto de Saul, indicando que ele poderia ter matado seu perseguidor, mas preferiu não fazê-lo. 4 Ele teria outras oportunidades também para matar Saul, mas ele nunca as aproveitou, reverenciando Saul como o rei escolhido por D'us.

6. Mantenha seus amigos perto, mas seus inimigos mais perto

É um padrão que se repete de novo e de novo. Apesar do descontentamento contínuo de Yoav, David é caloroso e acolhedor com todos, mesmo aqueles que lhe causaram grande dano. Existe um rival em seu escritório? Um colega que sempre tenta superar você? Seja como David e receba-os em seu círculo de amigos com aceitação honesta.Abner era o braço direito de Saul e, em vez de apoiar seu filho, Is Bosete , depois que Saul caiu na batalha, ele continuou a lutar contra Davi. No entanto, quando Abner decidiu mais tarde deixar Ish Bosheth e apoiar David, David o aceitou sem questionar. De fato, Abner estava no processo de angariar apoio para David quando foi morto por Yoav , o general desconfiado e vingativo de David.

7. Nunca se esqueça de D'us

Quando David foi finalmente instalado firmemente em seu trono em Jerusalém , ele não se contentou com seu próprio conforto e procurou construir um Templo para D'us. Em última análise, foi-lhe dito que não seria ele quem construiria a casa de D'us em Jerusalém (que seria o trabalho de seu filho, Salomão), mas não foi por falta de boa vontade de sua parte.

8. Não se preocupe com o que os outros podem pensar

Quando deixamos de lado nossa preocupação com a opinião pública para servir a D'us da maneira que sabemos ser correta, as pessoas nos respeitam por nossa força de convicção. Quando Davi trouxe a Arca Sagrada para Jerusalém, ele “dançou com todas as suas forças diante do Senhor”. A rainha Mical , filha do rei Saul, achou desagradável para um rei demonstrar tal emoção em público. Quando ela o criticou por permitir que mesmo pessoas simples o vissem em tal estado, David explicou suas ações dizendo que D'us o havia escolhido para se tornar rei sobre Israel. Mesmo que ele se “rebaixasse” ainda mais, disse ele, estava confiante de que os espectadores o honrariam.

9. Aceite a repreensão

Isso contrasta fortemente com o comportamento de seu antecessor Saul, que repetidamente negou seus erros ao profeta Samuel. Depois que Davi agiu de forma imprópria com Bate-Seba (e matou seu marido, Urias ), Natã contou a Davi sobre um homem rico que roubou as ovelhas de um homem pobre como forma de demonstrar o quão errado o rei estava ao tirar Bate- Seba de seu marido. O rei aceitou humildemente a crítica do profeta e admitiu que havia pecado. 
Como Davi, devemos reconhecer quando erramos, pedir perdão e tentar fazer melhor.

10. Não fique preso tentando desfazer o passado

David sabia que seu filho havia partido para sempre e optou por se concentrar em confortar sua esposa. Há um tempo para orar, um tempo para lamentar e um tempo para retomar a vida. Conforme previsto pelo profeta Natã, o primeiro filho de Davi e Bate-Seba adoeceu mortalmente. David orou a D'us, jejuou e dormiu no chão durante a doença da criança. Quando a criança morreu, uma semana depois, porém, David estava notavelmente calmo. Em resposta à curiosidade de seus servos, David explicou: "Enquanto a criança ainda estava viva, eu jejuei e chorei, pois disse: 'Quem sabe? Talvez o Senhor seja misericordioso comigo, e a criança viva. Mas agora que ele está morto, por que devo jejuar? Posso trazê-lo de volta?" 

11. Ame sua família até a morte (literalmente)

David sofreu tremendamente nas mãos de sua família. Seu sogro, o Rei Saul, o perseguia incessantemente, e seu filho Absalão o expulsou de Jerusalém . Davi não era tolo. Ele fez questão de se proteger, mas mesmo quando eles tentaram prejudicá-lo, ele demonstrou amor por ambos. De fato, mesmo sendo perseguido pelos soldados de Absalão , Davi instruiu seus guerreiros a serem gentis com seu filho rebelde, e lamentou os dois depois de suas respectivas mortes violentas. 

12. Use seus recursos com sabedoria

Enquanto estava acampado fora de Jerusalém, temendo o ataque de seu filho Absalão, Davi foi acompanhado por amigos e seguidores leais. Entre eles estava o velho e sábio Chushai. Reconhecendo que Chusai era de pouca utilidade em um campo de guerrilha, Davi o despachou para Jerusalém, onde ele poderia se infiltrar, fingindo ser um apoiador de Absalão. De fato, em mais de um caso, o conhecimento e a sabedoria internos de Chushai salvaram o dia.

13. Seja um amigo leal

O sangue é mais espesso que a água, e a amizade é ainda mais profunda que o sangue. Valorize seus amigos e trate-os com lealdade e devoção. Jônatas (filho de Saul) e Davi eram um casal improvável de amigos, que prometiam que sua amizade se estenderia aos filhos. Vez após vez, Jônatas arriscou a própria vida para salvar Davi dos esquemas malignos de Saul. A última despedida foi de muitas lágrimas e abraços. Mesmo após a morte de Jônatas, Davi dedicou cuidado e atenção ao filho de seu falecido amigo, Mefibosete, sustentando-o financeiramente em Jerusalém. 

14. Busque um compromisso

A decisão em frações de segundo de David permitiu que os dois homens salvassem as aparências e retivessem o suficiente para viver. Às vezes, um compromisso é a melhor solução diante de duas alternativas imperfeitas. De fato, eliminando a avaliação das Escrituras de que “Davi fez julgamento e bondade”, os sábios dizem que Davi era conhecido por criar concessões. Enquanto Davi estava fora de Jerusalém, o servo de Mefibosete, Ziba, caluniou seu senhor, dizendo a Davi que Mefibosete esperava tornar-se rei de Israel. Davi decretou que a riqueza de Mefibosete (a maior parte, um presente de Davi) fosse dada a Ziba, mas quando a guerra terminou, ficou claro que Mefibosete havia permanecido leal a Davi. Confrontado com a escolha de retirar sua palavra ou privar Mefibosete de tudo o que possuía, Davi decidiu que a riqueza que havia concedido a Ziba agora seria dividida igualmente entre os dois homens. 

15. Nunca é tarde demais

Como Davi, não podemos realizar tudo. Você não precisa mover montanhas. Faça o que puder, peça a outros para contribuir e deixe D'us juntar as peças. Nas palavras dos sábios, “não é sua [tarefa] terminar o trabalho, mas também não é livre para ser absolvido dele”. Ao longo de sua carreira, David sofreu com o mau humor e a vingança de seu capitão Yoav (Joab). Apesar de suas melhores tentativas, David nunca conseguiu se livrar de Yoav. Em seu leito de morte, dando instruções finais a Salomão , seu filho e sucessor, David pediu-lhe para se certificar de que Yoav seria punido por seus numerosos atos de traição. 
(* Por Menachem Posner - O rabino Menachem Posner atua como editor da equipe do Chabad.org/Montagem do texto por Costumes Bíblicos)

A História do Rei Davi

A história do Rei Davi como você nunca leu!
Ele era bastardo?
Ele adulterou com Bate-Seba?
Quem foi o rei Davi?
Um dos personagens bíblicos mais famoso.
Ele recebe a promessa divina.
Que o Messias será descendente da sua casa.
O que aconteceu na vida dele?
Desde o seu nascimento.

Aonde muitos desconfiavam da sua origem.
Será que a origem dele era problemática?
E aonde ele está enterrado, até o dia de hoje?
(*)O rei Davi era filho por um lado de Jessé (Ishai em hebraico). Jessé é considerado dos homens mais justos de todas as gerações que já existiram. E a mãe dele se chamava Nitzevet filha de Adiel. Ele era o oitavo filho desse casal. Muitos pensavam que ele era na verdade um bastardo. A gente vai ver no relato bíblico um pouco dessa desconfiança. Na verdade, no começo o pai dele pensava isso. Se você vê no relato bíblico Jessé tinha 7 filhos que estavam juntos do seu pai e eles chegaram a querer a expulsar Davi. Que vergonha pra família!
Que está acontecendo?
Perdemos o ponto? Não sabemos exatamente da onde ele veio?
E Jessé fala: Não!
Ele é um bom rapaz. Ele vai ser o pastor do nosso rebanho. Assim não vai causar problemas, vai ajudar e nós não vamos fazer nenhum mal a ele.
Por que essa história de bastardo?
E por que ele não é?
Primeira coisa que precisamos saber, é o seguinte:
Vamos no livro de Rute. No final do livro você vai ver algo muito claro. Rute era a bisavó do rei Davi. Uma das mulheres mais formidáveis e justa que a Bíblia fala sobre ela. Ela se casou com Boaz, o maior justo da sua geração, e desse casamento, nasce Obede (Oved em hebraico), depois nasce, Jessé e depois Davi. Leia mais sobre o rei Davi, AQUI
Onde está o problema?
O primeiro problema disso é o seguinte, Rute era moabita. E a Bíblia fala que os filhos de Israel não deveriam se casar com o povo de Moabe. Assim parece pra pessoa que não se aprofunda. E muitas pessoas tinham dúvida sobre isso nessa geração. Porém; a lei bíblica diz o seguinte, a proibição é casar com um homem moabita. Ou seja, que uma mulher judia case com um homem moabita. Mas não, com que um homem judeu, um homem do povo de Israel case com uma mulher moabita. Então aqui estava a primeira dúvida se ela é na verdade moabita, então seus descendentes serão bastardos. É uma relação proibida. Mas tá errado! Então a grande dúvida que até mesmo o grande Sanédrio, o conjunto dos maiores sábios da Bíblia oral e escrita da época, discutiram esse tema até que ficou claro. Não! Está correto o que Boaz fez. A primeira coisa que nós temos que saber é que a ascendência do rei Davi vem de pessoas muito sagradas e importantes.
O segundo problema é o seguinte, Jessé tinha uma concubina. E está escrito que ele teve o desejo de estar com ela, mas a concubina sabia que Nitzevet, na verdade, ela queria estar com seu marido, e a ela cabia essa mérito. E o que que ela faz? Muito parecido com a história que a gente conhece de Raquel e Léia. Ela entra na tenda de Jessé no lugar da concubina e têm relação com ele e ela fica grávida. E de repente seu marido não reconheceu. E a gente vê que na época bíblica acontecia isso. A gente tem alguns relatos bíblicos de pessoas que tiveram relação e nesse momento elas não sabiam. Elas pensavam que era uma pessoa e era outra! Isso aconteceu com Jacó, Judá com a ex-nora Tamar ainda no livro de Gênesis. Então Jessé, na verdade, ele teve relação com a sua esposa legítima, mas ele não soube e de repente essa esposa, alguns meses depois ela está grávida e ele fala: Está grávida de quem? Eu não me lembro de ter acontecido isso comigo! E aqui fica a grande dúvida e na verdade Nitzevet sabe exatamente o que ela fez até que nasce Davi. Quando ele nasce e é visto ruivo. A Bíblia trás ele como uma pessoa ruiva e com lindos olhos e um lindo aspecto. Uma criança bonita. Uma criança especial. Por outro lado, esse lado de especial um pouco diferente, também trás uma certa desconfiança. Então ele é tratado pelos irmãos com um pouco de pária com um pouco de bastardo. Mas chega um ponto que a esposa de Jessé revela ao marido. Olha foi isso que aconteceu. E aí ele entende na verdade que Davi é seu filho legítimo. E a gente vai ver que quem reafirma isso é o Eterno. Davi realmente foi uma pessoa que desde o começo ele se destacou. No rebanho, um jovem corajoso. Uma fé em Deus inabalável. Defendeu o nome de Deus diante do gigante filisteu Golias!

Como Davi derrotou Golias? (* Judaísmo)

Na famosa narrativa, o jovem Davi mata Golias , o gigante guerreiro filisteu, usando uma pedra redonda que ele coletou de um riacho. Mas um olhar mais atento à história revela algumas surpresas. Aqui estão alguns:
Provocações e Maldições de Golias
Golias aparecia todos os dias, chamando um único israelita para enfrentá-lo. Seu tamanho enorme e aparência feroz causaram terror em seus corações: “ Saulo e todo o Israel ouviram estas palavras do filisteu e ficaram apavorados e com muito medo”. Isso durou 40 dias, pois ninguém teve coragem de enfrentar Golias.
Isso levanta uma questão importante: quem disse que os israelitas tinham que concordar com sua “oferta” de combate corpo a corpo? Tanto os israelitas quanto os filisteus tinham grandes exércitos de frente um para o outro em montanhas opostas. Por que os israelitas não rejeitaram a proposta de Golias e optaram pela batalha em seus próprios termos?
Golias não estava satisfeito em exibir silenciosamente sua estatura imponente e armadura imponente, ele também repetidamente insultou e amaldiçoou os israelitas e Davi. Parece claro que esses palavrões foram dirigidos ao D'us de Israel, como o próprio David reconheceu: “Pois ele insultou os exércitos do D'us vivo .” 
Agora, não é incomum que os soldados insultem seus inimigos, mas aqui parece desempenhar um papel enorme. E por que transformar uma batalha pela terra em uma disputa religiosa?
Prêmio de Saul
Em desespero, o rei Saul ofereceu uma grande recompensa a quem quisesse derrubar Golias: a mão de sua filha em casamento, grande riqueza e muito mais. Ninguém estava motivado a lutar por seu rei e seu país, a ponto de ter que oferecer uma recompensa?
Ainda mais impressionante, mesmo com aquele prêmio enorme, nem uma única pessoa estava disposta a fazê-lo. De fato, David ficou surpreso quando lhe contaram sobre a oferta, 6 porque achou incrível que ainda não houvesse compradores.
A queda de Golias
Quando Davi correu em direção a Golias, o gigante ficou parado, não sentindo nenhum perigo. Certamente Golias tinha ouvido falar de um estilingue. Por que ele não foi mais cauteloso?
Esse problema levou pesquisadores modernos a encontrar todo tipo de explicação, incluindo que Golias tinha um problema ocular congênito ou que o sol estava em seus olhos. Mas, certamente, tudo isso não faz sentido: por que os israelitas temeriam alguém meio cego, e que ficaria de frente para o inimigo com o sol nos olhos?
Filisteus em fuga
Depois que Golias foi ferido, o filisteu fugiu. Esta foi uma violação completa do acordo, ou seja, o lado que prevalecesse seria declarado o vencedor: “Se ele puder lutar comigo e me matar, seremos escravos de você, mas se eu o vencer e matá-lo, vocês serão nossos escravos e nos servirão.” 
Ninguém ficaria chocado que o filisteu não cumprisse sua promessa – não esperávamos menos – mas por que eles fugiram? Eles tinham um exército grande e capaz atrás de Golias; por que eles não apareceram para lutar?
Para o Templo
A história termina com a cabeça e as armas de Golias sendo trazidas para Jerusalém . O Templo ainda não havia sido construído, e os comentários explicam que se refere a Nobe [Cidade onde ficava o Tabernáculo de 891-877 AEC, após a destruição do Tabernáculo em Siló . Quando Davi estava fugindo de Saul , Aimeleque, um sacerdote em Nobe, forneceu-lhe comida e armas. Saul então ordenou a execução dos 85 sacerdotes de Nobe.] , então o local do Tabernáculo [o Santuário temporário em que a Presença Divina habitou durante as jornadas dos judeus pelo deserto] . De qualquer forma, parece surpreendente trazer itens tão sangrentos para o lugar mais sagrado da Terra. De fato, era proibido até mesmo usar objetos de metal para cortar as pedras durante a construção do altar, de modo a separar o Templo de qualquer símbolo de violência. 
Batalha de ideias
Precisamos entender que o confronto entre os filisteus e os israelitas foi principalmente uma batalha pela supremacia dos valores.
Os filisteus assumiram a posição de que o poder físico reinava supremo. Seu símbolo era, portanto, Golias – um gigante hulk de um homem, um guerreiro de proporções monstruosas. A história descreve em detalhes aterrorizantes as enormes armas que Golias carregava, enfatizando que para ele tudo se tratava das dimensões físicas.
Em contraste, os israelitas tinham a força espiritual na mais alta consideração. O pequeno Davi e sua pequena pedra em sua humilde funda representavam perfeitamente a orientação que – nas palavras do profeta Zacarias  – “Não por força nem por poder, mas pelo meu Espírito, diz o Eterno Todo-Poderoso”. É por isso que a história destaca que Davi não usava armadura e não carregava espada. 
O contraste não poderia ser maior.
A constante provocação de Golias era, portanto, de importância central. Ele estava zombando, tentando deslegitimar os ideais dos israelitas. Os filisteus consideravam ridículo o culto dos israelitas a uma divindade invisível. Eles estavam convencidos de que, se pudessem demonstrar incontestavelmente que seu caminho – de poder e força – estava certo, então os israelitas ficariam impotentes.
É claro que os israelitas poderiam ter rejeitado a proposta de Golias e perseguido uma batalha convencional, mas a briga não era principalmente sobre o campo de batalha. Foi esmagadoramente um desafio ao sistema de valores que os israelitas representavam. Os filisteus não queriam matar o maior número possível de pessoas; eles apenas exigiam capitulação às ideias que defendiam.
Declínio e renovação
O combate entre Davi e Golias ocorreu durante os últimos dias do reinado do rei Saul, depois que ele já havia sido desacreditado pelo profeta Samuel . Saul foi notificado de que, aos olhos de D'us, seu reinado havia terminado e que ele deveria ser substituído. Outrora um líder imenso, que estava acima de todos os outros, Saul era agora uma figura encolhida. Como resultado, os outrora galvanizados israelitas ficaram inseguros, daí o prolongado período de hesitação e o pânico que se seguiu diante das provocações e ameaças de Golias.
Ninguém estava pronto para enfrentar Golias, porque Saul e seu exército estavam começando a perder a convicção e, portanto, a coragem. Como tal, Saul se sentiu compelido a oferecer recompensas para motivar alguém a avançar. Mas mesmo a enorme recompensa não inspirou uma única pessoa a se voluntariar, porque algo deu errado no coração do acampamento israelita.
Na época desta história, porém, Davi já havia sido escolhido como sucessor de Saul – embora ainda não tivesse sido tornado público. David, que manteve a clareza moral do povo judeu, deu um passo à frente e declarou: “Neste dia, o Eterno o entregará em minhas mãos … e toda a terra saberá que Israel tem um D'us. E toda esta assembléia saberá que não é com espada e dardo que o Senhor salva, pois a batalha é do Senhor, e Ele o entregará em nossas mãos.”
Com seu ato de bravura, o ídolo filisteu foi esmagado e com ele tudo o que ele representava. Golias foi mostrado como um gigante físico, mas um liliputiano espiritual. Ele estava tão obcecado com seu físico maciço que se esqueceu de temer uma pequena pedra; tão cativado pelo tamanho temível de suas armas que ele ignorou o jovem rapaz prestes a matá-lo.
Ao perder Golias, os filisteus também perderam o argumento. Eles fugiram em desgraça, vendo tudo o que representavam se transformar em escombros.
Tendo provado a supremacia dos ideais judaicos de moralidade e espiritualidade, os troféus daquela batalha foram trazidos para Jerusalém como um testamento de tudo o que o Templo Sagrado representava. A espada de Golias era mais do que apenas uma relíquia de uma batalha importante; era um símbolo da falência dos valores filisteus.
Pequeno David
A verdadeira história é entre um gigante físico e um gigante espiritual. E como sabemos, não terminou bem para o gigante físico.
Em várias ocasiões, David é referido como “o pequenino”. Quando o grande profeta Samuel veio visitar Yishai (Jessé) , pai de Davi, em busca de um futuro rei, Yishai nem se deu ao trabalho de apresentá-lo a Davi – o caçula de oito. Somente após indagação Yishai disse: “ainda resta o pequenino”, referindo-se a Davi.
Em nossa história, também, quando Davi vem trazer comida para seus irmãos mais velhos que estão lutando no exército de Saul, nos é dito “e Davi é o pequenino”. A pequena estatura física de Davi era o contraste perfeito com a grandeza física de Golias. O pequeno David tinha um grande coração, porque em sua mente havia grandes ideias. Essas ideias incluíam que o mundo deles tem um Criador e que esse Criador tem um propósito moral para suas criações.
Quando essas idéias foram colocadas contra o hedonismo e o materialismo dos filisteus, o poder do espírito prevaleceu decisivamente. E, assim, o mundo aprendeu uma lição vital que mudou o curso da história. Os filisteus podem manter seu gigante e sua armadura de grandes dimensões e armas diabólicas. Seguiremos o Todo-Poderoso e Seus profetas, que ensinaram o valor da justiça, caridade e fé. (*Por Rabino Yossi Ives é o rabino de Cong. Ahavas Yisrael de Pomona, NY - Montagem do texto por Costumes Bíblicos)
Deus também percebe isto! E Ele faz uma profecia para o profeta Samuel que está vivo nessa época. Ele (Deus) chega para o profeta Samuel e fala: chegou a hora de você escolher um novo rei pro povo de Israel. Por que novo? Porque o rei Saul falhou na guerra contra os amalequitas. Ele não cumpriu completamente o mandamento divino. E o profeta Samuel, em nome de Deus, falou pro rei Saul, você é o último rei da sua família os seus descendentes não se tornarão os reis de Israel. Então, quem é que vai ser esse rei? Chega essa hora que Deus fala para o profeta Samuel que ele tá na casa de Jessé. É um dos filhos de Jessé. Mas Ele não fala qual filho que é. Samuel vai até lá. Ele tem medo de Saul porque ele sabe que Saul não quer deixar de ser rei. Não quer que seus filhos não sejam os próximos reis de Israel e ele vai e ele mostra que na verdade, ele vai fazer uma oferenda à Deus. Ele faz essa oferenda. E quem ele convida? Jessé e sete filhos, não oito. Rei Davi ficou de fora. Como todos já sabem da continuação. Saul e Jônatas morrem na guerra e agora Davi inicialmente ele é rei de Judá na cidade de Hebrom (Chevron em hebraico), na cidade onde tá a tumba dos patriarcas, uma das quatro cidades sagradas, Davi se tornou lá rei por sete anos. Depois disso ele vai para Jerusalém e vai reinar por 33 anos. Vale lembar que ele viveu 70 anos. Então desses 70 anos, 40 anos ele foi o rei de Israel. No começo só por uma parte de Israel. Depois por toda Israel.
É importante saber que a partir de agora, o reinado ganha uma força muito grande. Porque ele organiza o exército e a economia e as pessoas valorizam e ele não sai do caminho de Deus. Nos livros de Reis e Samuel, você observa que muitas vezes e o tempo todo Deus elogiando através dos profetas, o rei Davi. Se era um rei que fazia como o rei Davi. Que era tão justo, tão piedoso e tão bondoso, ou não. Até mesmo com o rei Salomão.
O rei Davi passa por uma prova que acaba gerando um pecado. Na verdade, um pecado parcial que as pessoas também não entendem muito bem.
Certa vez ele estava no seu castelo, no teto do castelo. Quando ele vê Bat Sheva se banhando. E ele tem um desejo muito grande. Provavelmente ela era muito bonita, mas ela era uma mulher casada. Por outro lado, nós sabemos que o seu marido estava na frente de batalha. E existia algo que pode ser que você não conheça; todos os soldados de Israel na época bíblica, quando saíam para guerras, eles davam um divórcio para sua mulher. Mas era um divórcio condicional que dizia assim: se eu voltar pra guerra, continuamos marido e mulher normalmente. Mas se eu não voltar da guerra, então, retroativamente o nosso casamento está anulado e você está liberada. Você não é minha esposa. Uriah, que era o marido de Bat Sheva, também tinha essa documento. Davi se antecipou. E aqui vem a bronca do profeta Natã. Porque Davi tem relações com Bat Sheva, antes de seu marido falecer. Depois é verdade, Davi manda ele para frente de batalha novamente e ele morre lá. Então retroativamente ela não era naquele momento, esposa de Uriah. Então não foi adultério. Mas não era um ato correto de se fazer. Então o profeta Natã faz admoestação ao rei Davi que aceita e fala: "eu pequei! Eu me antecipei, mesmo que ela retroativamente não era a mulher casada de outro homem, eu errei! E eu peço perdão! E Deus aceita o perdão, mesmo assim ele vai receber um castigo. O maior deles é o seu próprio filho AbShalom (Absalão) se revoltar contra ele. Ele faz uma revolta muito feia. Ele expulsa seu pai de Jerusalém e tem relações com as concubinas do rei Davi, o que é uma proibição bíblica e o rei Davi para reconquistar o seu reinado, vai ter que lutar e ele pede, por favor, mesmo assim, não matem meu filho Absalão. Pedido esse, que não foi atendido. Afinal das contas, Absalão foi assassinado o que doeu muito ao rei Davi. O rei Davi viu alguns sofrimentos com alguns dos seus filhos e esses sofrimentos é ligado, exatamente a esse pecado nesse nível; mesmo que é um nível muito delicado, é por causa do pecado dele com Bat Sheva e ele prometeu que o filho de Bat Sheva será o novo rei que foi o rei Salomão.
No final das contas, o rei Davi, era uma pessoa que o povo de Israel amou ele. Uma pessoa que trabalhou a Deus 73 dos 150 Salmos, são escritos por ele por inspiração divina. Era uma pessoa que tinha uma proximidade com Deus. Uma pessoa que quando pecou, assumiu o pecado e se arrependeu. Aos 70 anos ele morre. E quando ele morre, ele será enterrado. Hoje em dia, há o túmulo do rei Davi na cidade velha de Jerusalém; mas aqui vai uma novidade, esse túmulo que dizem que é do rei Davi, certamente não é do rei Davi e temos muitas provas arqueológicas e históricas para  comprovar isso. Provavelmente, o rei Davi está enterrado, nós não sabemos com precisão, mas no lugar, que hoje se chama na cidade de Jerusalém, a cidade do rei Davi, em algum lugar, num dos vales muito próximo da cidade velha, muito próximo do lugar do Grande Templo, lá é o lugar do descanso final do rei Davi.
(*Fonte da informação: Rabino Rony Gurwicz-fundador do maior projeto de judaismo da america latina, a Academia de Moisés- Montagem do texto por Costumes Bíblicos.)

Postagem em destaque

Os Crentes Gentios Permanecem para sempre Distintos do Povo de Israel!

Os antigos comentaristas crentes posteriores ao Novo Testamento tendiam a ver os membros da igreja multinacional como um “novo” ou “verdadei...