Costumes Bíblicos: A História do Rei Davi





A História do Rei Davi

A história do Rei Davi como você nunca leu!
Ele era bastardo?
Ele adulterou com Bate-Seba?
Quem foi o rei Davi?
Um dos personagens bíblicos mais famoso.
Ele recebe a promessa divina.
Que o Messias será descendente da sua casa.
O que aconteceu na vida dele?
Desde o seu nascimento.

Aonde muitos desconfiavam da sua origem.
Será que a origem dele era problemática?
E aonde ele está enterrado, até o dia de hoje?
(*)O rei Davi era filho por um lado de Jessé (Ishai em hebraico). Jessé é considerado dos homens mais justos de todas as gerações que já existiram. E a mãe dele se chamava Nitzevet filha de Adiel. Ele era o oitavo filho desse casal. Muitos pensavam que ele era na verdade um bastardo. A gente vai ver no relato bíblico um pouco dessa desconfiança. Na verdade, no começo o pai dele pensava isso. Se você vê no relato bíblico Jessé tinha 7 filhos que estavam juntos do seu pai e eles chegaram a querer a expulsar Davi. Que vergonha pra família!
Que está acontecendo?
Perdemos o ponto? Não sabemos exatamente da onde ele veio?
E Jessé fala: Não!
Ele é um bom rapaz. Ele vai ser o pastor do nosso rebanho. Assim não vai causar problemas, vai ajudar e nós não vamos fazer nenhum mal a ele.
Por que essa história de bastardo?
E por que ele não é?
Primeira coisa que precisamos saber, é o seguinte:
Vamos no livro de Rute. No final do livro você vai ver algo muito claro. Rute era a bisavó do rei Davi. Uma das mulheres mais formidáveis e justa que a Bíblia fala sobre ela. Ela se casou com Boaz, o maior justo da sua geração, e desse casamento, nasce Obede (Oved em hebraico), depois nasce, Jessé e depois Davi. Leia mais sobre o rei Davi, AQUI
Onde está o problema?
O primeiro problema disso é o seguinte, Rute era moabita. E a Bíblia fala que os filhos de Israel não deveriam se casar com o povo de Moabe. Assim parece pra pessoa que não se aprofunda. E muitas pessoas tinham dúvida sobre isso nessa geração. Porém; a lei bíblica diz o seguinte, a proibição é casar com um homem moabita. Ou seja, que uma mulher judia case com um homem moabita. Mas não, com que um homem judeu, um homem do povo de Israel case com uma mulher moabita. Então aqui estava a primeira dúvida se ela é na verdade moabita, então seus descendentes serão bastardos. É uma relação proibida. Mas tá errado! Então a grande dúvida que até mesmo o grande Sanédrio, o conjunto dos maiores sábios da Bíblia oral e escrita da época, discutiram esse tema até que ficou claro. Não! Está correto o que Boaz fez. A primeira coisa que nós temos que saber é que a ascendência do rei Davi vem de pessoas muito sagradas e importantes.
O segundo problema é o seguinte, Jessé tinha uma concubina. E está escrito que ele teve o desejo de estar com ela, mas a concubina sabia que Nitzevet, na verdade, ela queria estar com seu marido, e a ela cabia essa mérito. E o que que ela faz? Muito parecido com a história que a gente conhece de Raquel e Léia. Ela entra na tenda de Jessé no lugar da concubina e têm relação com ele e ela fica grávida. E de repente seu marido não reconheceu. E a gente vê que na época bíblica acontecia isso. A gente tem alguns relatos bíblicos de pessoas que tiveram relação e nesse momento elas não sabiam. Elas pensavam que era uma pessoa e era outra! Isso aconteceu com Jacó, Judá com a ex-nora Tamar ainda no livro de Gênesis. Então Jessé, na verdade, ele teve relação com a sua esposa legítima, mas ele não soube e de repente essa esposa, alguns meses depois ela está grávida e ele fala: Está grávida de quem? Eu não me lembro de ter acontecido isso comigo! E aqui fica a grande dúvida e na verdade Nitzevet sabe exatamente o que ela fez até que nasce Davi. Quando ele nasce e é visto ruivo. A Bíblia trás ele como uma pessoa ruiva e com lindos olhos e um lindo aspecto. Uma criança bonita. Uma criança especial. Por outro lado, esse lado de especial um pouco diferente, também trás uma certa desconfiança. Então ele é tratado pelos irmãos com um pouco de pária com um pouco de bastardo. Mas chega um ponto que a esposa de Jessé revela ao marido. Olha foi isso que aconteceu. E aí ele entende na verdade que Davi é seu filho legítimo. E a gente vai ver que quem reafirma isso é o Eterno. Davi realmente foi uma pessoa que desde o começo ele se destacou. No rebanho, um jovem corajoso. Uma fé em Deus inabalável. Defendeu o nome de Deus diante do gigante filisteu Golias!

Como Davi derrotou Golias? (* Judaísmo)

Na famosa narrativa, o jovem Davi mata Golias , o gigante guerreiro filisteu, usando uma pedra redonda que ele coletou de um riacho. Mas um olhar mais atento à história revela algumas surpresas. Aqui estão alguns:
Provocações e Maldições de Golias
Golias aparecia todos os dias, chamando um único israelita para enfrentá-lo. Seu tamanho enorme e aparência feroz causaram terror em seus corações: “ Saulo e todo o Israel ouviram estas palavras do filisteu e ficaram apavorados e com muito medo”. Isso durou 40 dias, pois ninguém teve coragem de enfrentar Golias.
Isso levanta uma questão importante: quem disse que os israelitas tinham que concordar com sua “oferta” de combate corpo a corpo? Tanto os israelitas quanto os filisteus tinham grandes exércitos de frente um para o outro em montanhas opostas. Por que os israelitas não rejeitaram a proposta de Golias e optaram pela batalha em seus próprios termos?
Golias não estava satisfeito em exibir silenciosamente sua estatura imponente e armadura imponente, ele também repetidamente insultou e amaldiçoou os israelitas e Davi. Parece claro que esses palavrões foram dirigidos ao D'us de Israel, como o próprio David reconheceu: “Pois ele insultou os exércitos do D'us vivo .” 
Agora, não é incomum que os soldados insultem seus inimigos, mas aqui parece desempenhar um papel enorme. E por que transformar uma batalha pela terra em uma disputa religiosa?
Prêmio de Saul
Em desespero, o rei Saul ofereceu uma grande recompensa a quem quisesse derrubar Golias: a mão de sua filha em casamento, grande riqueza e muito mais. Ninguém estava motivado a lutar por seu rei e seu país, a ponto de ter que oferecer uma recompensa?
Ainda mais impressionante, mesmo com aquele prêmio enorme, nem uma única pessoa estava disposta a fazê-lo. De fato, David ficou surpreso quando lhe contaram sobre a oferta, 6 porque achou incrível que ainda não houvesse compradores.
A queda de Golias
Quando Davi correu em direção a Golias, o gigante ficou parado, não sentindo nenhum perigo. Certamente Golias tinha ouvido falar de um estilingue. Por que ele não foi mais cauteloso?
Esse problema levou pesquisadores modernos a encontrar todo tipo de explicação, incluindo que Golias tinha um problema ocular congênito ou que o sol estava em seus olhos. Mas, certamente, tudo isso não faz sentido: por que os israelitas temeriam alguém meio cego, e que ficaria de frente para o inimigo com o sol nos olhos?
Filisteus em fuga
Depois que Golias foi ferido, o filisteu fugiu. Esta foi uma violação completa do acordo, ou seja, o lado que prevalecesse seria declarado o vencedor: “Se ele puder lutar comigo e me matar, seremos escravos de você, mas se eu o vencer e matá-lo, vocês serão nossos escravos e nos servirão.” 
Ninguém ficaria chocado que o filisteu não cumprisse sua promessa – não esperávamos menos – mas por que eles fugiram? Eles tinham um exército grande e capaz atrás de Golias; por que eles não apareceram para lutar?
Para o Templo
A história termina com a cabeça e as armas de Golias sendo trazidas para Jerusalém . O Templo ainda não havia sido construído, e os comentários explicam que se refere a Nobe [Cidade onde ficava o Tabernáculo de 891-877 AEC, após a destruição do Tabernáculo em Siló . Quando Davi estava fugindo de Saul , Aimeleque, um sacerdote em Nobe, forneceu-lhe comida e armas. Saul então ordenou a execução dos 85 sacerdotes de Nobe.] , então o local do Tabernáculo [o Santuário temporário em que a Presença Divina habitou durante as jornadas dos judeus pelo deserto] . De qualquer forma, parece surpreendente trazer itens tão sangrentos para o lugar mais sagrado da Terra. De fato, era proibido até mesmo usar objetos de metal para cortar as pedras durante a construção do altar, de modo a separar o Templo de qualquer símbolo de violência. 
Batalha de ideias
Precisamos entender que o confronto entre os filisteus e os israelitas foi principalmente uma batalha pela supremacia dos valores.
Os filisteus assumiram a posição de que o poder físico reinava supremo. Seu símbolo era, portanto, Golias – um gigante hulk de um homem, um guerreiro de proporções monstruosas. A história descreve em detalhes aterrorizantes as enormes armas que Golias carregava, enfatizando que para ele tudo se tratava das dimensões físicas.
Em contraste, os israelitas tinham a força espiritual na mais alta consideração. O pequeno Davi e sua pequena pedra em sua humilde funda representavam perfeitamente a orientação que – nas palavras do profeta Zacarias  – “Não por força nem por poder, mas pelo meu Espírito, diz o Eterno Todo-Poderoso”. É por isso que a história destaca que Davi não usava armadura e não carregava espada. 
O contraste não poderia ser maior.
A constante provocação de Golias era, portanto, de importância central. Ele estava zombando, tentando deslegitimar os ideais dos israelitas. Os filisteus consideravam ridículo o culto dos israelitas a uma divindade invisível. Eles estavam convencidos de que, se pudessem demonstrar incontestavelmente que seu caminho – de poder e força – estava certo, então os israelitas ficariam impotentes.
É claro que os israelitas poderiam ter rejeitado a proposta de Golias e perseguido uma batalha convencional, mas a briga não era principalmente sobre o campo de batalha. Foi esmagadoramente um desafio ao sistema de valores que os israelitas representavam. Os filisteus não queriam matar o maior número possível de pessoas; eles apenas exigiam capitulação às ideias que defendiam.
Declínio e renovação
O combate entre Davi e Golias ocorreu durante os últimos dias do reinado do rei Saul, depois que ele já havia sido desacreditado pelo profeta Samuel . Saul foi notificado de que, aos olhos de D'us, seu reinado havia terminado e que ele deveria ser substituído. Outrora um líder imenso, que estava acima de todos os outros, Saul era agora uma figura encolhida. Como resultado, os outrora galvanizados israelitas ficaram inseguros, daí o prolongado período de hesitação e o pânico que se seguiu diante das provocações e ameaças de Golias.
Ninguém estava pronto para enfrentar Golias, porque Saul e seu exército estavam começando a perder a convicção e, portanto, a coragem. Como tal, Saul se sentiu compelido a oferecer recompensas para motivar alguém a avançar. Mas mesmo a enorme recompensa não inspirou uma única pessoa a se voluntariar, porque algo deu errado no coração do acampamento israelita.
Na época desta história, porém, Davi já havia sido escolhido como sucessor de Saul – embora ainda não tivesse sido tornado público. David, que manteve a clareza moral do povo judeu, deu um passo à frente e declarou: “Neste dia, o Eterno o entregará em minhas mãos … e toda a terra saberá que Israel tem um D'us. E toda esta assembléia saberá que não é com espada e dardo que o Senhor salva, pois a batalha é do Senhor, e Ele o entregará em nossas mãos.”
Com seu ato de bravura, o ídolo filisteu foi esmagado e com ele tudo o que ele representava. Golias foi mostrado como um gigante físico, mas um liliputiano espiritual. Ele estava tão obcecado com seu físico maciço que se esqueceu de temer uma pequena pedra; tão cativado pelo tamanho temível de suas armas que ele ignorou o jovem rapaz prestes a matá-lo.
Ao perder Golias, os filisteus também perderam o argumento. Eles fugiram em desgraça, vendo tudo o que representavam se transformar em escombros.
Tendo provado a supremacia dos ideais judaicos de moralidade e espiritualidade, os troféus daquela batalha foram trazidos para Jerusalém como um testamento de tudo o que o Templo Sagrado representava. A espada de Golias era mais do que apenas uma relíquia de uma batalha importante; era um símbolo da falência dos valores filisteus.
Pequeno David
A verdadeira história é entre um gigante físico e um gigante espiritual. E como sabemos, não terminou bem para o gigante físico.
Em várias ocasiões, David é referido como “o pequenino”. Quando o grande profeta Samuel veio visitar Yishai (Jessé) , pai de Davi, em busca de um futuro rei, Yishai nem se deu ao trabalho de apresentá-lo a Davi – o caçula de oito. Somente após indagação Yishai disse: “ainda resta o pequenino”, referindo-se a Davi.
Em nossa história, também, quando Davi vem trazer comida para seus irmãos mais velhos que estão lutando no exército de Saul, nos é dito “e Davi é o pequenino”. A pequena estatura física de Davi era o contraste perfeito com a grandeza física de Golias. O pequeno David tinha um grande coração, porque em sua mente havia grandes ideias. Essas ideias incluíam que o mundo deles tem um Criador e que esse Criador tem um propósito moral para suas criações.
Quando essas idéias foram colocadas contra o hedonismo e o materialismo dos filisteus, o poder do espírito prevaleceu decisivamente. E, assim, o mundo aprendeu uma lição vital que mudou o curso da história. Os filisteus podem manter seu gigante e sua armadura de grandes dimensões e armas diabólicas. Seguiremos o Todo-Poderoso e Seus profetas, que ensinaram o valor da justiça, caridade e fé. (*Por Rabino Yossi Ives é o rabino de Cong. Ahavas Yisrael de Pomona, NY - Montagem do texto por Costumes Bíblicos)
Deus também percebe isto! E Ele faz uma profecia para o profeta Samuel que está vivo nessa época. Ele (Deus) chega para o profeta Samuel e fala: chegou a hora de você escolher um novo rei pro povo de Israel. Por que novo? Porque o rei Saul falhou na guerra contra os amalequitas. Ele não cumpriu completamente o mandamento divino. E o profeta Samuel, em nome de Deus, falou pro rei Saul, você é o último rei da sua família os seus descendentes não se tornarão os reis de Israel. Então, quem é que vai ser esse rei? Chega essa hora que Deus fala para o profeta Samuel que ele tá na casa de Jessé. É um dos filhos de Jessé. Mas Ele não fala qual filho que é. Samuel vai até lá. Ele tem medo de Saul porque ele sabe que Saul não quer deixar de ser rei. Não quer que seus filhos não sejam os próximos reis de Israel e ele vai e ele mostra que na verdade, ele vai fazer uma oferenda à Deus. Ele faz essa oferenda. E quem ele convida? Jessé e sete filhos, não oito. Rei Davi ficou de fora. Como todos já sabem da continuação. Saul e Jônatas morrem na guerra e agora Davi inicialmente ele é rei de Judá na cidade de Hebrom (Chevron em hebraico), na cidade onde tá a tumba dos patriarcas, uma das quatro cidades sagradas, Davi se tornou lá rei por sete anos. Depois disso ele vai para Jerusalém e vai reinar por 33 anos. Vale lembar que ele viveu 70 anos. Então desses 70 anos, 40 anos ele foi o rei de Israel. No começo só por uma parte de Israel. Depois por toda Israel.
É importante saber que a partir de agora, o reinado ganha uma força muito grande. Porque ele organiza o exército e a economia e as pessoas valorizam e ele não sai do caminho de Deus. Nos livros de Reis e Samuel, você observa que muitas vezes e o tempo todo Deus elogiando através dos profetas, o rei Davi. Se era um rei que fazia como o rei Davi. Que era tão justo, tão piedoso e tão bondoso, ou não. Até mesmo com o rei Salomão.
O rei Davi passa por uma prova que acaba gerando um pecado. Na verdade, um pecado parcial que as pessoas também não entendem muito bem.
Certa vez ele estava no seu castelo, no teto do castelo. Quando ele vê Bat Sheva se banhando. E ele tem um desejo muito grande. Provavelmente ela era muito bonita, mas ela era uma mulher casada. Por outro lado, nós sabemos que o seu marido estava na frente de batalha. E existia algo que pode ser que você não conheça; todos os soldados de Israel na época bíblica, quando saíam para guerras, eles davam um divórcio para sua mulher. Mas era um divórcio condicional que dizia assim: se eu voltar pra guerra, continuamos marido e mulher normalmente. Mas se eu não voltar da guerra, então, retroativamente o nosso casamento está anulado e você está liberada. Você não é minha esposa. Uriah, que era o marido de Bat Sheva, também tinha essa documento. Davi se antecipou. E aqui vem a bronca do profeta Natã. Porque Davi tem relações com Bat Sheva, antes de seu marido falecer. Depois é verdade, Davi manda ele para frente de batalha novamente e ele morre lá. Então retroativamente ela não era naquele momento, esposa de Uriah. Então não foi adultério. Mas não era um ato correto de se fazer. Então o profeta Natã faz admoestação ao rei Davi que aceita e fala: "eu pequei! Eu me antecipei, mesmo que ela retroativamente não era a mulher casada de outro homem, eu errei! E eu peço perdão! E Deus aceita o perdão, mesmo assim ele vai receber um castigo. O maior deles é o seu próprio filho AbShalom (Absalão) se revoltar contra ele. Ele faz uma revolta muito feia. Ele expulsa seu pai de Jerusalém e tem relações com as concubinas do rei Davi, o que é uma proibição bíblica e o rei Davi para reconquistar o seu reinado, vai ter que lutar e ele pede, por favor, mesmo assim, não matem meu filho Absalão. Pedido esse, que não foi atendido. Afinal das contas, Absalão foi assassinado o que doeu muito ao rei Davi. O rei Davi viu alguns sofrimentos com alguns dos seus filhos e esses sofrimentos é ligado, exatamente a esse pecado nesse nível; mesmo que é um nível muito delicado, é por causa do pecado dele com Bat Sheva e ele prometeu que o filho de Bat Sheva será o novo rei que foi o rei Salomão.
No final das contas, o rei Davi, era uma pessoa que o povo de Israel amou ele. Uma pessoa que trabalhou a Deus 73 dos 150 Salmos, são escritos por ele por inspiração divina. Era uma pessoa que tinha uma proximidade com Deus. Uma pessoa que quando pecou, assumiu o pecado e se arrependeu. Aos 70 anos ele morre. E quando ele morre, ele será enterrado. Hoje em dia, há o túmulo do rei Davi na cidade velha de Jerusalém; mas aqui vai uma novidade, esse túmulo que dizem que é do rei Davi, certamente não é do rei Davi e temos muitas provas arqueológicas e históricas para  comprovar isso. Provavelmente, o rei Davi está enterrado, nós não sabemos com precisão, mas no lugar, que hoje se chama na cidade de Jerusalém, a cidade do rei Davi, em algum lugar, num dos vales muito próximo da cidade velha, muito próximo do lugar do Grande Templo, lá é o lugar do descanso final do rei Davi.
(*Fonte da informação: Rabino Rony Gurwicz-fundador do maior projeto de judaismo da america latina, a Academia de Moisés- Montagem do texto por Costumes Bíblicos.)

2 comentários:

  1. Paz, aonde está, em qual livro está essa parte da carta de divórcio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá caro leitor, existia na época bíblica, muitas leis acerca da guerra e dos casamentos e divórcios. Todavia, a parte sobre os divórcios, os detalhes são apenas registrados em escritos judaicos/rabínicos. Nos extra-bíblicos e nos registros de Israel. Provavelmente feitos em referência sob as leis da guerra nos livros Levíticos 19.20; de Deuteronômio 20.7; 24.5 . Graciosa paz!

      Excluir

Obrigado por comentar! Fica na paz!
E peço isto: que o vosso amor cresça mais e mais em ciência e em todo o conhecimento,
Para que aproveis as coisas excelentes, para que sejais sinceros, e sem escândalo algum até ao dia de Cristo;
Cheios dos frutos de justiça, que são por Jesus Cristo, para glória e louvor de Deus.
Filipenses 1:9-11

DESTAQUE NO SITE

MULHERES DE FÉ - Apresentação

"Do lado de fora, as mulheres da Bíblia  parecem desempenhar apenas um papel de apoio  em um drama dominado pelos homens." Mulher...