Costumes Bíblicos: SAUL

Israel Institute of Biblical Studies

SAUL


O rei Saul Detalhe de óleo realizado
Ernst Josephson,1878
Fonte de informação da foto:Wilkipédia
SUMÁRIO CRONOLÓGICO
Saul, o buscador.
O servo e Saul.
  1. Saul era da tribo de Benjamim (1Sm 9.1,2).
  2. Ele era muito alto e igualmente imponente (1Sm 9.2).
  3. Ele foi enviado pelo pai para procurar jumentos que se perderam (1Sm 9.3).
  4. Após uma busca inútil, Saul decidiu voltar para casa, a fim de que seu pai não se preocupasse com ele.
  5. O servo de Saul, entretanto, sugeriu que ele perguntasse so vidente (profeta) Samuel, que vivia em uma cidade vizinha, se podia ajudá-los.
O profeta e Saul (1Sm 9.15--10.8).
As proclamações.
A proclamação de Deus a Samuel.
1) No dia anterior, Deus disse para Samuel que enviaria um homem da tribo de Benjamim ao profeta dentro de 24 horas.
2)Samuel deveria ungir esse homem como o primeiro rei de Israel.
A proclamação de Samuel a Saul.
1) No encontro dos dois homens, Deus revelou a Samuel que Saul era o escolhido.
2) Samuel recebeu Saul, que estava chocado, com uma mensagem de duas partes. "O jumento do seu pai foi encontrado!" "Você se tornará o primeiro rei de Israel!"
A unção.
  1. Saul concordou em cear com Samuel e passar a noite lá.
  2. Antes de os homens partirem no dia seguinte, Samuel ungiu Saul com óleo.
A garantia.
O profeta deu a Saul um sinal de três partes para provar que ele de fato se tornaria rei.
  1. Samuel profetizou que Saul encontraria dois homens próximos à tumba de Raquel, que lhe diriam que os jumentos de seu pai foram encontrados.
  2. Três homens a caminho de Betel o encontrariam sob a grande árvore de Tabor e lhe ofereceriam dois pães.
  3. Próximo à cidade de Gibeá, ele encontraria uma procissão de profetas, tocando instrumentos musicais e profetizando. O próprio Saul iria, então, juntar-se a eles e profetizar no poder de Deus. Todos os três sinais foram cumpridos.
A aclamação.
Saul foi declarado rei sobre toda Israel por Samuel durante uma cerimônia em Mizpa (1Sm 10.17-27).
A humilhação.
No início do seu reinado, em três ocasiões diferentes, Saul demonstrou grande humildade e parecia relutante em assumir o trono.
  1. Quando Samuel lhe disse pela primeira vez que ele era quem Deus escolheu para ser rei, Saul respondeu: Porventura, não sou eu filho de Benjamim, da menor das tribos de Israel? E a minha família, a menor de todas as famílias da tribo de Benjamim? Por que, pois, me falas com semelhantes palavras? (1Sm 9.21).
  2. Quando chegou a hora de ser coroado, Saul desapareceu e escondeu-se (1Sm 10.21,22).
  3. Quando se estabeleceu no poder, Saul demonstrou um espírito misericordioso, recusando o pedido de punir aqueles que haviam zombado dele anteriormente (1Sm 11.12,13).
Saul, o soberano.
Saul foi confirmado na realeza quando resgatou a cidade israelita de Jabes-Gileade (1Sm 11.1-11).
A- O terrível pedido de Naás.
Naás, um rei amonita, cercou Jabes-Gileade.
Quando a cidade tentou um tratado de paz, ele impôs as seguintes condições:
  1. O que ele exigia. Ele afirmou sua intenção de arrancar o olho direito de todos os cidadãos.
  2. Porque ele exigiu isso. Naás sabia que isso traria desgraça sobre toda Israel.
B- A total destruição de Naás.
Ao saber disso, Saul, irado, rapidamente levantou um exército de 330 mil homens.
Ele fez isso por cortar um par de bois em pedaços e enviá-los por toda a terra, ameaçando fazer o mesmo com os bois daqueles que não o seguissem.
Saul dividiu seu exército em três grupos e destruiu completamente o inimigo amonita.
Saul, o pecador.
O primeiro rei de Israel era culpado de pelo menos cinco grandes pecados.
Ele era culpado de desobediência.
Antes de uma batalha (1Sm 13.1-15).
Nessa época, o rei foi repreendido pelo profeta Samuel.
O contexto dessa repreensão.
1) Saul atacou um pequeno posto de guarda filisteu, usando três mil soldados israelitas, e incitou a ira do seu amargo inimigo. Jônatas atacou o posto e derrotou-o com mil homens.
2) Os filisteus, então, juntaram um grande exército de infantaria juntamente com 30 mil carros e seis mil cavaleiros, causando grande medo às tropas de Saul, fazendo com que muitas pessoas fugissem apavoradas.
A base dessa repreensão.
1) Saul foi instruído a esperar por Samuel em Gilgal por sete dias, que seria quando o profeta apareceria, sacrificaria uma oferta e abençoaria as tropas.
2) Ao fim dos sete dias, o impaciente rei ofereceu o sacrifício por conta própria, apenas para ver Samuel chegando!
3) Samuel disse a Saul que duas coisas trágicas aconteceriam por causa de seu ato de desobediência.
  1. Seu reinado não duraria.
  2. Deus buscava um homem segundo o Seu próprio coração.
Após uma batalha.
Apesar do primeiro ato de desobediência, Saul recebeu permissão de Deus (pelo bem de Israel) para derrotar seus vários inimigos, incluindo os moabitas, edomitas, amonitas, os reis de Zobá e os filisteus (1Sm 14.47). Entretanto, novamente a desobediência entrou em sua vida.
  1. O rei israelita pôs de lado o Deus de Israel (1Sm 15.1-9). Saul recebeu ordens para destruir completamente os amalequitas e o seu rei por causa de sua hostilidade para com Israel no passado. Nem mesmo seus animais deveriam ser poupados. Saul desobedeceu, entretanto, poupando Agague , o rei amalequita, bem como as melhores ovelhas e o gado.
  2. O Deus de Israel pôs de lado o rei israelita (1Sm 15.10-35). Ao ser questionado por Samuel quanto ao motivo de ter poupado os animais, Saul debilmente respondeu que o povo tomou do despojo ovelhas e vacas, o melhor do interdito, para oferecer ao SENHOR, teu Deus, em Gilgal (1Sm 15.21).
(1) A recusa (1Sm 15.22).
(2) O remorso (1Sm 15.24).
(3) O pedido (1Sm 15.25).
(4) A rejeição (1Sm 15.26-28).
Ele era culpado de egoísmo.
Saul ordenou a morte do próprio filho, Jônatas, por desobedecer ao seu comando (1Sm 14.24-26).
A estupidez do comando de Saul.
  1. Saul proibiu seus soldados, enquanto iam para a batalha contra os filisteus, de comerem qualquer tipo de comida até que tivesse se vingado completamente de seus inimigos.
  2. O herói dessa batalha, Jônatas, não estava ciente dessa ordem e comeu um pouco de mel.
O pecado causado pelo comando de Saul.
  1. Após a vitoriosa batalha, as famintas tropas israelitas rapidamente mataram algumas ovelhas e bois e comeram a carne crua e sangrenta, quebrando a Lei Mosaica, que proibia comer sangue.
  2. Ao descobrir o que Jônatas fez, o egoísta Saul ordenou sua execução. Os soldados israelitas recusaram-se, entretanto, a permitir que Jônatas morresse.
Ele era culpado de ódio.
Saul voltou-se contra Davi, odiando-o com furor.
A raiz desse ódio.
O contexto.
Em suas duas primeiras reuniões, os dois homens se deram bem.
(1) Saul e Davi, o cantor (1Sm 16.14-23).
  1. Saul estava sendo atormentado por um espírito maligno.
  2. Foi feita uma busca por um harpista habilidoso, cuja música pudesse esperançosamente acalmar o perturbado rei.
  3. A fama de Davi alcançou Saul, e ele foi trazido à corte real.
  4. Com a música de Davi, os espíritos malignos deixaram Saul.
(2) Saul e Davi, o soldado (1Sm 17.1-58).
  1. Saul e Golias. Durante a batalha contra os filisteus, Israel foi desafiada por 40 dias pelo poderoso Golias a enviar um campeão para lutar com ele. Nem Saul, nem qualquer outro soldado seu queriam fazer isso.
  2. Saul e Davi. Davi convenceu Saul, que estava relutante, a permitir que lutasse com Golias. O rei ofereceu a própria armadura a Davi, mas Davi recusou-se a usá-la. Com apenas uma funda em mãos, Davi matou Golias.
A base.
O que transformou a afeição de Saul por Davi em ódio? A resposta é muita clara: o povo honrava a Davi mais do que a Saul (1Sm 18.6-9).
O fruto do seu ódio.
Saul demonstrou seu ódio por Davi por meio de tentativas, ocultas e públicas, de matá-lo.
Tentativas ocultas de matar Davi.
(1) Ele começou rebaixando Davi do cargo alto de oficial do exército para um mais baixo (1Sm 18.5,13).
(2) Ele tentou matar Davi por duas vezes com uma lança (1Sm 18.10,11; 19.9,10).
(3) Ele tentou fazer com que Davi morresse em batalha (1Sm 18.20-30).
  1. Ciente do amor de Davi por Mical, filha de Saul, o rei ofereceu a sua mão em casamento, mas apenas se Davi pudesse trazer provas de que matou 100 filisteus na batalha, esperando secretamente que o jovem fosse morto na tentativa.
  2. Davi, entretanto, logo apresentou a Saul a evidência de que havia matado 200 soldados inimigos (1Sm 18.25-27)!
(4) Ele pressionou o próprio filho, Jônatas,a matar Davi (1Sm 19.1).
(5) Ele, então, fingiu ter mudado de ideia (ou estava temporariamente arrependido) e tranquilizou Jônatas, dizendo que nenhum mal aconteceria a Davi (1Sm 19.6).
(6) Ao perceber, no entanto, a profundidade da lealdade de Jônatas a Davi, Saul perdeu totalmente o controle. Ele amaldiçoou o filho e tentou matá-lo com uma lança (1Sm 20.30-33).
Tentativas em público de matar Davi.
(1) Saul e Davi - a malícia.
  1. Ele enviou soldados para prenderem Davi em sua própria casa, mas Mical ajudou o seu esposo a escapar (1Sm 19.11-17).
  2. Ele despachou três companhias de soldados para capturarem Davi na casa de Samuel. Entretanto, todas as tentativas foram em vão, e as tropas acabaram profetizando (1Sm 19.18-21).
  3. Ele mesmo depois foi à casa de Samuel, apenas para acabar profetizando da mesma forma que os soldados (1Sm 19.22-24).
  4. Ele tentou aprisionar Davi na cidade de Queila, mas Deus revelou as intenções malignas do rei a Seu servo (1Sm 23.7-13).
  5. Certa ocasião, Saul estava alcançando Davi, mas foi forçado a interromper a perseguição ao descobrir que os filisteus invadiram Israel (1Sm 23.26-28).
  6. Continuamente, durante alguns anos, Saul, em vão e publicamente, buscava tirar a vida de Davi (1Sm 23.14).
(2) Davi e Saul - a misericórdia.
A vida de Saul foi poupada por Davi em duas ocasiões.
  1. Em uma caverna (1Sm 24.1-22). Durante uma de suas perseguições a Davi, Saul entrou em uma caverna próxima ao mar Vermelho, para fazer suas necessidades. Davi e seus homens estavam na caverna e viram Saul, que estava completamente alheio à presença deles. Davi recusou-se a permitir que seus homens matassem Saul, mas secretamente cortou um pedaço do manto do rei. De uma distância segura, Davi, depois, mostrou a Saul esse pedaço de roupa e exigiu saber o motivo de o rei estar tentando matá-lo. Percebendo que sua vida, de fato, foi poupada, Saul respondeu: E sucedeu que, acabando Davi de falar a Saul todas estas palavras, disse Saul: É esta a tua voz, meu filho Davi? Então Saul levantou a sua voz e chorou.
    E disse a Davi: Mais justo és do que eu; pois tu me recompensaste com bem, e eu te recompensei com mal.Agora, pois, eis que bem sei que certamente hás de reinar, e que o reino de Israel há de ser firme na tua mão.
    Portanto agora jura-me pelo Senhor que não desarraigarás a minha descendência depois de mim, nem desfarás o meu nome da casa de meu pai.
    (1 Samuel 24:16,17,20,21)
  2. Em um outeiro (1Sm 26.1-25). Sob a sombra da noite, Davi e um soldado secretamente visitaram o campo de Saul e tiraram do rei, que dormia, sua lança e sua bilha de água. Em cima de um outeiro próximo, Davi chamou e acordou Saul, mostrando-lhe a lança e a bilha que pegou. Novamente, Davi exigiu saber por que Saul estava tentando matá-lo. Saul respondeu: Pequei; volta, meu filho Davi, porque não tornarei a fazer-te mal; porque foi hoje preciosa a minha vida aos teus olhos; eis que procedi loucamente, e errei grandissimamente
    (1 Samuel 26:21).
Ele era culpado de assassinato.
Saul instigou um terrível massacre na cidade de Nobe (1Sm 22.6-19).
1) Quem ele matou.
Seguindo as ordens do rei Aimeleque, sumo sacerdote de Israel, juntamente com 84 sacerdotes, todos os homens, mulheres, crianças e gado de Nobe foram mortos à espada em um sangrento massacre.
2) Por que ele os matou?
Saul descobriu que Aimeleque inocentemente virou amigo de Davi (que mentiu para o sumo sacerdote, dizendo estar em uma missão secreta para Saul), dando-lhe comida e uma arma.
Ele era culpado de apostasia.
Saul visitou a feiticeira de En-Dor (1Sm 28.3-25).

1) Os motivos da visita.
  1. Ele enfrentava uma vasta e iminente invasão filisteia.
  2. Os profetas não podiam oferecer a ele conselho ou garantia.
  3. O Senhor não pretendia dar a ele conselho algum ou garantia.
2) Os resultados da visita.
  1. A enganação do rei. Disfarçando-se, Saul visitou a feiticeira e pediu que ela o colocasse em contato com Samuel, já falecido.
  2. O terror da feiticeira. Dois eventos logo encheram o coração dela de medo. (1) Ela reconheceu Saul. (2) Ela viu um idoso de túnica subindo da terra. Entendeu Saul que era Samuel.
  3. O testemunho do pseudoprofeta. O pseudoprofeta disse a Saul o que aconteceria no futuro e por que aconteceria. (1) O que aconteceria. (a) Saul perderia a batalha no dia seguinte. (b) Ele e seus filhos seriam mortos. (c) O reino, então, seria passado para Davi. (2) Por que aconteceria. Tudo isso aconteceria por causa da desobediência de Saul.
3) Ao ouvir isso, Saul, que estava quase desmaiando, aceitou comida da feiticeira e saiu.
Saul - o suicídio (1Sm 31.1-13).
A. O local de sua morte.
Ele morreu durante a batalha contra os filisteus no monte Gilboa.
B. Os detalhes de sua morte.
O método.
  1. Ele foi ferido gravemente pelos flecheiros filisteus.
  2. Ele caiu sobre a própria espada, tentando escapar da captura do inimigo.
A mutilação envolvida.
  1. Os filisteus arrancaram a sua cabeça.
  2. Seu corpo foi, então, pregado no muro da cidade de Bete-Seã.
  3. O corpo de Saul, depois, foi recuperado pelos homens de Jabes-Gileade e recebeu um enterro decente.
C. A dor por sua morte.
Ao saber da morte de Saul, Davi lamentou por ele (2Sm 1.17-27).
D. A perversão que causou sua morte (1Cr 10.13,14).

SUMÁRIO TEOLÓGICO
I. Saul não reverenciou a arca de deus (como Davi fazia) durante seu reinado (1Cr 13.3).
II. Ele foi mencionado nos títulos dos seguintes salmos:
  1. Salmo 18. Davi escreveu esse salmo depois que Deus o libertou das mãos de Saul.
  2. Salmo 52. Davi escreveu esse salmo depois que Saul matou os sacerdotes de Nobe (veja 1Sm 22).
  3. Salmo 54. Davi escreveu esse salmo quando os zifeus tentaram traí-lo para que caísse nas mãos de Saul (veja 1Sm 23).
  4. Salmo 57. Davi escreveu esse salmo quando estava escondido de Saul em uma caverna (veja 1Sm 22).
  5. Salmo 59. Davi escreveu esse salmo quando Saul tentou matar Davi em sua própria casa (veja 1Sm 19).
III. Saul foi citado pelo apóstolo Paulo durante sua mensagem na Antioquia da Pisídia (At 13.21).
IV. Saul pode ser comparado e contrastado com Saulo.
A. Saul.
  1. Era alto e imponente (1Sm 9.2).
  2. Era da tribo de Benjamim (1Sm 9.1,2).
  3. Começou como amigo de Deus (1Sm 9.16; 10.6,7).
  4. Terminou como inimigo de Deus (1Sm 28.6).
  5. Buscou a feiticeira na hora da morte (1Sm 28.7).
  6. Tirou a própria vida por estar muito amedrontado (1Sm 31.4).
  7. Sua vida foi caracterizada pela desobediência (1Sm 13.13; 15.22,23).
B. Saulo
  1. Era baixo e não chamava a atenção (2Co 10.10; Gl 4.13,14).
  2. Era da tribo de Benjamim (Fl 3.5).
  3. Começou como inimigo de Deus (At 9.1).
  4. Terminou como amigo de Deus (2Tm 4.18).
  5. Buscou a Palavra na hora da morte (2Tm 4.13).
  6. Deu a própria vida com grandes expectativas (2Tm 4.6-8).
  7. Sua vida foi caracterizada pela obediência (At 26.19).

DADOS
Pai: Quis (1Sm 9.1,2).
Esposa: Ainoã (1Sm 14.50).
Filhos: Jônatas, Isvi, Malquisua e Abinadabe (1Sm 14.49; 1Cr 8.33).
Filhas: Merabe e Mical (1Sm 14.49).
Citado pela primeira vez na Bíblia: 1 Samuel 9.2.
Citado pela última vez: Atos dos Apóstolos 13.21.
Significado do nome: "Pedido".
Mencionado: 388 vezes.
Livros da Bíblia que citam Saul: seis livros (1 Samuel, 2 Samuel, 1 Crônicas, Salmos, Isaías, Atos dos Apóstolos).
Cargo: rei de Israel.
Lugar onde morreu: na base do monte Gilboa (1Sm 31.1,2).
Como foi morto: ele foi morto pelos filisteus como forma de punição direta de Deus (1Sm 28.16-19).
Detalhe importante sobre a vida de Saul: ele foi o primeiro rei de Israel (1Sm 8--10).



DESTAQUE NO SITE

O CASAMENTO DO CORDEIRO

Quais são os fatos acerca do casamento do Cordeiro? A. As referências das Escrituras envolvidas. a) Esse casamento é descrito ...

MAIS ACESSADOS