Costumes Bíblicos: AS SETENTA SEMANAS

AS SETENTA SEMANAS

O segredo das Setenta Semanas.
A. Daniel - a oração do profeta (Dn 9.1-19)
  1. Esse é um dos mais importantes capítulos da Bíblia. Seu tema é duplo: oração e profecia. Nessa época, o profeta estava aproximadamente com 85 anos.
  2. Daniel estava lendo o livro de Jeremias (o velho profeta provavelmente tinha a custódia oficial de muitos dos livros do Antigo Testamento depois da destruição do templo) e foi lembrado de que Deus decidira que Jerusalém deveria permanecer desolada por 70 anos (veja Jr 25.11; 29.10).
  3. Então, ele iniciou uma oração intensa e prolongada a Deus relativa tanto a seus próprios pecados como aos erros cometidos pelos israelitas e que eram a causa do cativeiro desde seu começo. Essa oração foi acompanhada de jejum, panos de saco e cinzas (Dn 9.1-3). Essas três ações eram comuns nos dias em que a contrição genuína do coração era sentida (veja Ed 8.23; Ne 9.1; Et 4.1,3,16; Jó 2.12; Jn 3.5,6).
  4. Daniel lembrou a Deus Seus concertos (Dn 9.4), provavelmente tendo em mente o concerto abraâmico, que prometia a Israel a posse eterna da terra da Palestina (Gn 12.7; 13.14-17; 15.7,18-21; 17.8), e o concerto davídico, que garantia aos israelitas um rei e um reino eterno (2Sm 7.12-16; 23.5; 2Cr 13.5).
  5. Daniel contrastou a graça e a bondade de Deus com a imoralidade e a idolatria de Israel (Dn 9.5,7-9).
  6. Ele menciona os reis de Judá (Dn 9.8). Dois deles haviam sido levados ao cativeiro babilônico junto com o povo judeu.
  7. Daniel concordou inteiramente que Judá tivera exatamente o que merecia e que Deus fora sincero ao prevenir os israelitas sobre a desobediência e a consequente punição (Dn 9.12-14; veja Lv 26).
  8. Daniel encerrou sua oração, entregando a si mesmo e o seu povo nas mãos da infinita graça de Deus (Dn 9.18).



A "pequena ponta" no livro de Daniel e o "anticristo" do Apocalipse
Ambos teriam muitas conquistas (Dn 8.9; Ap 13.4).
Ambos louvariam a si mesmos (Dn 8.11; Ap 13.15).
Ambos seriam mestres da enganação (Dn 7.25; 2Ts 2.10).
Ambos ofereceriam uma falsa "proposta de paz" (Dn 8.25; 1Ts 5.2,3).
Ambos odiariam e perseguiriam Israel (Dn 8.25; Ap 12.13).
Ambos profanariam o templo (Dn 8.11; Mt 24.15).
Ambos seriam fortalecidos por Satanás (Dn 8.24; Ap 13.2).
Ambos agiriam no Oriente Médio durante sete anos (Dn 8.14; 9.27; Ap 12.14).
Ambos deporiam contra o Senhor Deus (Dn 8.25; 2Ts 2.4; Ap 13.1).
Ambos seriam completamente destruídos por Deus (Dn 8.25; Ap 19.19,20).
B. Gabriel - a profecia de um anjo (Dn 9.20-27).
Quando Daniel ainda estava orando, o Altíssimo enviou o anjo Gabriel para que este ministrasse ao profeta e explicasse-lhe a profecia divina relativa ao Ungido de Deus (Dn 9.24-27). Outro caso em que o Todo-Poderoso respondeu uma oração enquanto seu filho ainda estava orando está registrado em Gênesis 24.15. Seis questões fundamentais e possíveis respostas ajudarão a explorar essa profecia.
  1. A quem essa profecia refere-se? A Israel.
  2. O que o termo Setenta semanas significa? No seu curso epistolar acerca do livro de Daniel, Dr.Alfred Martin acredita ser significativo o fato de Daniel ter lido o profeta Jeremias nessa passagem: Um dos princípios básicos da interpretação comanda que ela sempre deve ser feita à luz do contexto, ou seja, a partir da perspectiva da passagem na qual uma dada afirmação constitui-se. Ao pesquisar esse contexto, lembrando que a visão fora dada em resposta à oração, nota-se que Daniel lia no livro de Jeremias que o número de anos, de que falou o SENHOR [...] em que haviam de acabar as assolações de Jerusalém, era de setenta anos (Dn 9.2). Essa é a pista. De fato, diz-se ao profeta: "Sim, Deus deixará Judá no cativeiro por 70 anos; mas agora Ele está mostrando-lhe que toda a história de Israel se estenderá por um período de setenta semanas em anos". (Daniel, the Framework of Prophecy.p.85,86) Para melhor esclarecer o sentido dessas setenta semanas, deve-se observar que Israel tinha em seu calendário não apenas uma semana de sete dias (como Êx 23.12), mas também uma "semana" de sete anos (Gn 29.27,28; Lv 25.3,4,8-10). Em outras palavras, Deus estava dizendo a Daniel que Ele continuaria a lidar com os israelitas por mais 490 anos antes de trazer-lhes a justiça eterna. Resumindo essa questão em particular:
    1. Israel deveria deixar a terra ociosa durante um ano inteiro a cada período de sete anos (Lv 25.1-4).
    2. Essa ordem foi desobedecida (Lv 26.33-35; 2Cr 36.21; Jr 34.12-22).
    3. Ao final de um período de total de 490 anos, a nação adquiriria um débito relativo à ociosidade da terra no total de 70 anos.
    4. Daniel sabia de tudo isso e estava orando sobre o assunto. Ele reconheceu que os 70 anos de cativeiro representavam os 70 períodos de sete anos ao longo dos quais aquelas violações tinham sido cometidas
    5. Então, Gabriel revelou ao profeta que outro período estava chegando e este seria vivido pelo povo. Esse período teria uma duração similar (490 anos) àquele que justificara o exílio.
      Leia mais ⇑
  3. Quando começaria esse novo período de 70 ciclos de sete anos? Ele começaria com a ordem para reconstruir os muros de Jerusalém. Os dois primeiros capítulos do livro de Neemias informam-nos que tal ordem foi decretada durante o vigésimo ano da ascensão de Artaxerxes (abril ou maio de 445 a.C.).
  4. O que são os diferentes períodos de tempo mencionados pela profecia das Setenta semanas e o que aconteceria durante cada um deles?
    1. Primeiro período. Sete semanas (49 anos), de 445 a.C. a 396 a.C. Os principais eventos ocorridos nesse período foram a reconstrução das ruas e muralhas de Jerusalém, mesmo que em tempos angustiosos. Isso se cumpriu literalmente (veja Ne 2--6)!
    2. Segundo período. Sessenta e duas semanas (434 anos), de 396 a.C. a 30 d.C. O ministério de Jesus ocorreu ao final desse tempo.
    3. Terceiro período. Uma semana (sete anos) do arrebatamento ao milênio. No começo desses sete anos, o anticristo fará seu pacto com Israel e começará seu terrível banho de sangue. Ao final dessa "semana" (e das setenta semanas como um todo), o Messias verdadeiro virá para estabelecer Seu milênio perfeito. (Leia )
  5. As Setenta semanas correrão continuamente? Ou seja, haverá algum intervalo dentro desses 490 anos ou eles correrão sem parar, até que estejam completos? A teologia do dispensacionalismo afirma que essas "semanas" não correrão em sequência, pois haverá um intervalo ou parênteses de aproximadamente dois mil anos entre a sexagésima nona e septuagésima semana. Essa cronologia seria comparável ao septuagésimo minuto de um jogo de basquete, pois, durante 69 minutos, disputa-se o jogo em um ritmo furioso e contínuo. Então, o árbitro, por algum motivo, interrompe a partida do jogo com o relógio no vermelho, mostrando que resta um minuto final para ela acabar. Ninguém sabe ao certo quando a partida recomeçará, mas, a qualquer momento, o árbitro dará um passo à frente e soará o apito. Nesse instante, os times se reunirão para jogar o último minuto de jogo. Deus interveio e interrompeu o relógio da profecia no Calvário. Essa pausa divina já dura 20 séculos, mas logo o Redentor soprará Sua trombeta, e a "semana" derradeira de ação será jogada sobre essa terra.
O alcance do tempo na profecia bíblica
Além de Daniel 9.26, a Bíblia apresenta outros exemplos de intervalos de tempo em planos divinos? Com efeito, sim. Vêm à mente não menos do que três casos em que intervalos de muitos séculos podem ser encontrados dentro de um único parágrafo curto.
Isaías 9.6,7. Na primeira parte do versículo 6, um intervalo de, pelo menos, 20 séculos está separado por um sinal de ponto e vírgula. A frase um filho se nos deu refere-se a Belém, enquanto as palavras e o principado está sobre os seus ombros antecipam o milênio.
Zacarias 9.9,10. O versículo 9 é uma clara referência à entrada triunfal de nosso Senhor, mas o seguinte lança seu olhar na direção do milênio.
Isaías 61.1,2. O segundo versículo dessa passagem, o ministério terreno de Cristo (apregoar o ano aceitável do SENHOR) e a tribulação (o dia da vingança do nosso Deus) são separados por uma única conjunção: e. É importante notar que Jesus, ao ler essa passagem durante Seu sermão em Nazaré, interrompeu-a exatamente nessa conjunção. Afinal, o dia da vingança não era o propósito de Sua primeira vinda . (Veja Lc 4.18,19)

Um resumo final acerca das Setenta semanas:

As seis principais realizações das Setenta semanas.
  1. Todas as transgressões e pecados dos homens terminarão, sobretudo aqueles cometidos pelo nação de Israel (Ez 37.23; At 3.13-16; 28.25-31; Rm 11.26,27).
  2. A iniquidade se extinguirá, de modo que o homem reconcilie-se com Deus. Isso se cumpriu no Calvário quando o Messias foi sacrificado (2Co 5.18-20).
  3. Todos os verdadeiros profetas serão vingados com o cumprimento de suas profecias.
  4. O demônio se mostrará incapaz de governar legitimamente esse mundo.
  5. O diabo e seu principal escudeiro, o anticristo, serão destruídos (Ap 19.20; 20.10).
  6. O milênio será inaugurado (Sl 45.3-7; Is 11.3-5; Jr 23.3-8).
Os três principais períodos dentro das Setenta semanas (490 anos).
  1. Primeiro período - (sete semanas ou 49 anos com 360 dias cada), de 445 a.C. a 396 a.C.
  2. Segundo período - (62 semanas, ou 434 anos com 360 dias cada), de 396 a.C. a 32 d.C.
  3. Um período de pausa (que já dura quase 20 séculos). Esse intervalo entre a sexagésima nona e a septuagésima semana não foi revelado e, portanto, não foi conhecido pelos profetas do Antigo Testamento (veja Ef 3.1-10; 1Pe 1.10-12).
  4. O terceiro período (sete anos ou uma semana) entre o arrebatamento e o milênio.

Os dois principais indivíduos das Setenta semanas.

  1. O Messias - o Senhor Jesus Cristo
  2. O príncipe que virá - o ímpio anticristo.

QUANDO SERÃO AS 70 SEMANAS DE DANIEL? (Do original Hebraico  Bíblico *)

Os versículos que detalham as enigmáticas “setenta semanas” em Daniel 9: 24-27 estão entre as passagens mais comentadas em todas as Escrituras. Há quase tantas perguntas sobre o texto quanto palavras! Por exemplo, quanto tempo duram essas “setenta semanas” (9:24)? Quem é o “ungido” que será “cortado” (9:26)? Qual é a “aliança” que o príncipe fará por uma semana? Essas setenta semanas já ocorreram ou ainda estão por vir? Embora respostas abrangentes sejam impossíveis em um único artigo, algumas interpretações são mais prováveis ​​do que outras. O ponto mais importante para os seguidores de Jesus é este: as setenta semanas podem (e provavelmente o fazem) recontar um tempo antes de Yeshua, mas também podem se aplicar a ele ao mesmo tempo.
As “setenta semanas” de Daniel - literalmente, “setenta setes” ( שׁבעים שׁבעים ) - quase certamente se referem a setenta semanas de anos , ou 490 anos (9:24). As palavras de Gabriel para Daniel começam: "Setenta semanas foram decretadas sobre seu povo e sua cidade sagrada ( על־עמך ועל־עיר קדשך ; al amkha v'al 'ir qadshekha ) para completar a transgressão, acabar com o pecado, expiar a iniqüidade , para trazer justiça contínua, para ratificar a visão e o profeta, e para ungir o Santo dos Santos ”(9:24). Visto que esta é uma palavra relativa ao povo de Judá e à cidade de Jerusalém, é provavelmente melhor presumir que esses 490 anos descrevem períodos de tempo inaugurados quando “Nabucodonosor, rei da Babilônia, veio a Jerusalém e a sitiou” no ano 605 AEC (Dan 1: 1).
Em seguida, Gabriel diz a Daniel: “Saiba, portanto, e entenda: desde a saída da palavra para restaurar e edificar Jerusalém até a vinda de um ungido ( משׁיח ; mashiach ), um príncipe, haverá sete semanas ” (9 : 25). Embora esta profecia se refira à declaração do rei Ciro para que Judá voltasse para casa (ver 2 Crônicas 36: 22-23), as "sete semanas" de anos parecem cobrir o período de 49 anos desde o exílio de Judá em 587/86 até o decreto de Ciro em 538 AEC. Portanto, a figura que Gabriel menciona poderia ser Ciro, chamado de "o ungido" de Deus ( משׁיחו; Is 45: 1). No entanto, outros candidatos plausíveis incluem Zorobabel, o governador, e Josué, o sumo sacerdote, que trabalham juntos para iniciar a construção do Segundo Templo. Visto que Levítico se refere ao “sacerdote ungido” ( הכהן המשׁיח ; ha'cohen ha'mashiach ; 4: 3-5, 16), pode ser melhor assumir que o primeiro ungido é o sacerdote Josué.
Daniel 9 também fala de uma segunda figura ungida, dizendo: “Depois de sessenta e duas semanas, um ungido será decepado e não mais existirá” (9:26). Sessenta e duas semanas referem-se a 434 anos, mas quando deve começar a contagem? Embora possa parecer lógico começar a contar as 62 semanas após o retorno da Babilônia (já que Gabriel se refere ao retorno no versículo anterior), o texto não exige uma leitura cronologicamente linear dos anos. Na verdade, como as primeiras sete semanas (49 anos) são mencionadas separadamente das 62 semanas (434 anos), pode ser melhor tratá-las como temporalmente distintas. Visto de uma perspectiva contextual e histórica, faz sentido que as 62 semanas começassem em 605 AEC, o ano que inicia o livro de Daniel, que nos levaria ao ano 171 AEC. Este foi o ano em que o justo sumo sacerdote Onias III foi morto pelos rivais Andrônico e Menelau (ver 2 Macabeus 4: 30-33). Assim, quando Daniel fala de um ungido sendo “cortado”, o texto provavelmente se refere à morte do estimado Onias.
Após a morte de Onias em 171 AEC, o rei selêucida Antíoco IV Epifânio invadiu Jerusalém e profanou seu Templo —um acontecimento que Gabriel prediz ao dizer que, após a morte do ungido, “as tropas do príncipe que há de vir destruirão a cidade e o santuário ”(Dan 9:27; cf. 8: 21-25). A profanação selêucida fez com que os sacrifícios do Templo cessassem. Além disso, alguns dos habitantes judeus da cidade fizeram uma "aliança" (διαθήκην; diathéken ) com o rei grego (1 Macabeus 1:11), removeram as marcas de sua circuncisão e abandonaram a aliança de Deus(veja 1 Macc 1: 12-15). Essa triste realidade é profetizada em Daniel 9: “Ele [Antíoco] fará um forte pacto com muitos por uma semana e durante a metade da semana fará cessar o sacrifício e a oferta; e em seu lugar haverá uma abominação desoladora ( שקוצים משמם ; shiqutsim meshomem ) ”(9:27).
Esse sacrilégio desolador é o altar que Antíoco ergueu no Templo para oferecer sacrifícios a outros deuses (ver 1 Mac 1: 54-59). No entanto, essa abominação não duraria; em 164 AEC, uma revolta judaica liderada por Judá Macabeu retomaria o controle do Templo, derrubaria a “abominação” do altar gentio (1 Mac 6: 7) e rededicaria o santuário a Deus. Esta derrota de Antíoco e rededicação cumpriria a promessa de Gabriel em Daniel de "fim decretado derramado sobre o desolador" (9:27). Os eventos desde a morte de Onias (171 AEC) até a vitória dos macabeus (164 AEC) acontecem todos no período de “uma semana” em Daniel. Isso se encaixa perfeitamente na linha do tempo de Gabriel: a rededicação em 164 é exatamente “uma semana” (7 anos) após a morte de Onias.Com a renovação das ofertas sacerdotais, o decreto de Gabriel de “setenta semanas” foi cumprido: os sacrifícios expiatórios eram o que era necessário para “terminar a transgressão, pôr fim ao pecado, expiar a iniqüidade, trazer justiça duradoura, ratificar a visão e profeta, e para ungir o Santo dos Santos ”(Dan 9:24). Portanto, a profecia de Gabriel em Daniel 9 provavelmente se refere aos eventos entre o cerco babilônico de Jerusalém (605 AEC) e a rededicação do Segundo Templo em 164 AEC.
Neste ponto, os leitores podem estar se perguntando: “Se os ungidos de Daniel são os sacerdotes Josué e Onias III, então onde Jesus se encaixa em tudo isso?” Afinal, o próprio Jesus disse a seus discípulos do primeiro século para tomarem cuidado com a “ abominação desoladora (βδέλυγμα τῆς ἐρημώσεως) de pé no lugar santo ... falado pelo profeta Daniel” (Mateus 24:15). Então, isso não significa que as palavras de Gabriel devem se aplicar a Yeshua? O autor de Mateus certamente pensa assim, visto que o evangelista inclui uma referência entre parênteses depois que Jesus se refere a Daniel: “que o leitor entenda” (ὁ ναγινώσκων νοείτω; 24:15). Os primeiros leitores de Mateus teriam conhecido sua históriae os livros dos Macabeus nos quais Antíoco já havia estabelecido uma “abominação desoladora” no Templo centenas de anos antes (1 Mac 1:54). Quando Jesus usa essa mesma linguagem para falar da destruição do Segundo Templo, ele está sugerindo que a profanação que ocorreu sob os selêucidas vai acontecer novamente sob os romanos.
A lembrança de Jesus de Daniel em Mateus é um exemplo do que os estudiosos chamam de “recapitulação” - o que aconteceu no passado de Israel acontecerá novamente no presente ou no futuro. Mateus está particularmente interessado em mostrar como Jesus cumpre a profecia recapitulando a história de Israel.

DANIEL: A ORAÇÃO DE UM PROFETA

Época da oração: Primeiro ano do domínio persa, 538 a.C. (9.2).
Ocasião da oração: A compreensão de Daniel da profecia de Jeremias (9.2).
Bases da oração: A promessa de Deus (9.4) e a misericórdia divina (9.9,18).
Confissão na oração: Pecamos (9.8,9,11,15,16).
Pedidos de oração:
Que Deus livrasse os israelitas da Babilônia, tal como libertara-os antes do Egito (9.15).
Que Deus perdoasse-os (9.19).
Que Deus permitisse que o templo fosse reconstruído em Jerusalém (9.16,17).
Resposta da oração: Estando eu, digo, ainda falando na oração, o varão Gabriel […] tocou-me (9.21).
VEJA MAIS SOBRE AS SETENTA SEMANAS AQUI DA TRADUÇÃO DO INGLÊS:
A determinação do advento
e a crucificação do Messias
nas Setenta Semanas
GABRIEL: A PROFECIA DE UM ANJO:
Questões E Respostas
A quem a profecia referia-se?
Israel (9.24)
O que são as Setenta semanas?
Elas referem-se a "sete anos de anos", ou seja, 490 anos.
Quando esse período começaria?
Com a reconstrução dos muros de Jerusalém, em 14 março de 445 a.C.
O que são os três períodos de tempo dentro das Setenta semanas?
Sete "semanas", ou seja, 49 anos De 445 a.C. a 396 a.C.
Os muros de Jerusalém seriam reconstruídos em tempos angustiosos.
O que aconteceu durante cada período?
Sessenta e duas "semanas", ou seja, 434 anos. 
De 396 a.C. a 32 d.C.
O Messias seria crucificado.
Era da Igreja
Uma "semana" ou sete anos.
Do arrebatamento ao Apocalipse.
Ministério do anticristo e retorno do verdadeiro Cristo.
(*)Finalmente, os escritores do Novo Testamento apresentam Jesus de uma forma que ressoa com a promessa de Daniel 9:24: aquele que, em sua morte, acabaria com a transgressão, acabaria com o pecado, expiaria a iniqüidade e daria início à justiça contínua. Embora as palavras de Daniel originalmente se referissem ao restabelecimento dos sacrifícios do templo em 164 AEC, Jesus recapitula e estende esse evento expiatório original. Para usar uma frase do Evangelho de João, Jesus é “o Cordeiro de Deus que tira os pecados do mundo” (Jo 1:29). Assim, enquanto as setenta semanas de Daniel ocorreram nos dias entre a Babilônia e a revolta dos Macabeus, a apresentação recapitulativa de Yeshua nos Evangelhos permite que o leitor de Daniel que segue Jesus dê um “mergulho duplo”:primeiro, Daniel se refere a Josué, Onias, a vitória judaica sobre a perseguição e a rededicação do Templo - e então Jesus repassa a vida de Josué e Onias, obtém uma vitória decisiva sobre o mal e o pecado e reafirma a eficácia expiatória dos sacrifícios do Templo “Uma vez por todas quando se ofereceu” (Hebreus 7:27). (*Estes recortes são partes de um artigo publicado originalmente em Israel Bible Center por Dr. Nicholas J. Schaser)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por comentar! Fica na paz!
E peço isto: que o vosso amor cresça mais e mais em ciência e em todo o conhecimento,
Para que aproveis as coisas excelentes, para que sejais sinceros, e sem escândalo algum até ao dia de Cristo;
Cheios dos frutos de justiça, que são por Jesus Cristo, para glória e louvor de Deus.
Filipenses 1:9-11

DESTAQUE NO SITE

As grandes festas religiosas

As principais festas religiosas de Israel estavam intimamente relacionadas com as diferentes estações e com o ano agrícola (Veja "O...