COSTUMES BÍBLICOS: O povo escolhido de Deus


O povo escolhido de Deus

O Antigo Testamento foi escrito para o povo de Israel - o povo que via Jacó (=Israel) seu ancestral comum e Abraão como fundador da sua nação. Os cristãos, igualmente, consideram Abraão o pai de todos aqueles que dependem de Deus pela fé e não de si mesmos (Rom 4.16). Portanto, lemos a história em que Deus chamou Abraão para se tornar pai do povo escolhido de Deus, não apenas como um acontecimento num passado distante, mas como algo importante para todos hoje.

Os atos de Deus nas Escrituras hebraicas revelam Seu caráter. Eles o retratam não como uma força impessoal, mas como um Ser pessoal que vê os problemas de cada pessoa, ouve os clamores, preocupa-se com este mundo pecaminoso e, por isso, "desce" para intervir nos momentos mais sombrios da humanidade. Ele caminha pelo jardim como um pai, chamando: Adão, onde você está? (Gn 3.9,tradução do autor do livro: A essência do AT p.1). Ele aparece a Moisés na sarça ardente, dizendo que estava preocupado com o sofrimento dos israelitas e que, em razão disso, desceria para resgatá-los (Êx 3.7,8). Ele coloca-se ao pé da cama do menino Samuel, chama-o pelo nome e comissiona-o para ser Seu profeta (1Sm 3.10). Daqueles que invocam Seu nome, Ele exige: pratiques a justiça, e ames a beneficência, e andes humildemente (Mq 6.8). E Ele se entristece com o pecado e condena o mal (Gn 6.6-8). Porém, apesar disso, Deus estende graça e favor (hb. hen) e mostra benignidade (hb. chesed) acima de qualquer coisa que possa ser recebida, adquirida ou merecida.
Para o leitor desatento, o amor de Deus parece estender-se apenas a homens como Abraão, Isaque, Jacó e Davi. Também pode parecer, à primeira vista, que Seu amor é destinado apenas ao povo de Israel e mais nenhum outro. Contudo, basta aprofundar-se nas páginas dessa incrível história para descobrir que Seu amor também afeta a vida das mulheres e dos estrangeiros que aparecem em suas páginas. Nessas histórias, encontramos: Tamar, a mãe cananeia dos filhos de Judá (Gn 38.6); Asenate, a esposa egípcia de José e mãe de Efraim e Manassés (Gn 41.45-52); Jetro, sacerdote de Midiã, e sua filha Zípora, esposa midianita de Moisés (Êx 2.16-21); Raabe, a prostituta cananeia que entrou na linhagem messiânica pelo casamento (Js 2.1; 6.25; Mt 1.5), assim como a temente moabita Rute, bisavó do rei Davi (Rt 4.13-22); Bate-Seba, amante de Davi que, mais tarde, tornou-se sua esposa e mãe de Salomão (2Sm 11.3,4,27; 12.24); Hirão, rei de Tiro, que forneceu material para a construção do Templo (1Rs 5.1-12); e Ebede-Meleque, um cuxita que salvou a vida do profeta Jeremias (Jr 38.7-13).
Desde as páginas iniciais do Antigo Testamento, no livro de Gênesis, até o último versículo de Malaquias, homens, mulheres, israelitas e estrangeiros encontram-se com Deus. A existência dele é admitida como uma realidade óbvia. Nenhuma tentativa é feita em defesa apologética. O texto bíblico simplesmente anuncia: No princípio, criou Deus os céus e a terra (Gn 1.1). Ele traz a criação à existência por meio de decreto verbal e considera tudo quanto tinha feito [...] muito bom (Gn 1.31). Deus cria seres humanos à Sua própria imagem (hb. tselem) e semelhança (hb. demuth) para que tenham um relacionamento com Ele e governem a criação em Seu nome (Gn 1.26-31).
A idéia da escolha (eleição) divina especial de indivíduos traz consigo duas características subsidiárias: promessa e responsabilidade. Gn 12-22 está repleto de promessas que Deus fez a Abraão.
•Abraão recebe a promessa de uma descendência tão numerosa como as estrelas do céu.
•Ele recebe promessa de um grande nome no futuro.
E o favor especial do Senhor Deus seria demostrado não só a Abraão e sua família, mas a todas as pessoas por intermédio dele.
Assim, as promessas de Deus a Abraão não foram apenas para proveito egoísta de poucos escolhidos. Elas deviam ser usadas com responsabilidade para que outros pudessem compartilhar dos benefícios. No cerne da escolha de Israel por Deus há um propósito missionário.
Ora, o SENHOR disse a Abrão: Sai-te da tua terra, da tua parentela e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei.
E far-te-ei uma grande nação, e abençoar-te-ei e engrandecerei o teu nome; e tu serás uma bênção.
E abençoarei os que te abençoarem, e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; e em ti serão benditas todas as famílias da terra.

História Judaica👉Tradução, Teologia e Antissemitismo(*)

No sábado, 27 de outubro de 2018, um homem armado entrou na sinagoga Tree of Life em Pittsburgh, Pensilvânia, e assassinou pelo menos onze pessoas no que está sendo chamado de o pior ataque antijudaico da história dos EUA. As vítimas estavam observando os mandamentos bíblicos do Shabat e o brit milah (aliança da circuncisão) de um novo bebê quando foram massacradas. O assassino teria publicado muitos posts anti-semitas online, incluindo este que afirmava citar a Bíblia: “os judeus são filhos de satanás. (João 8:44) – –- o Senhor Jesus Cristo veio em carne.
O ódio antijudaico e os assassinatos deste tipo não são de forma alguma novos na história. Como escreveu Joshua Trachtenberg num estudo clássico, a literatura cristã da Idade Média expressa o ódio antijudaico “tão vasto e abismal, tão intenso, que deixa alguém com falta de compreensão... toda [a literatura popular cristã] pintou o judeu. como fonte do mal, deliberadamente culpado de crimes indescritíveis.” Ele continua explicando que, já na antiguidade, os pregadores cristãos insistiam que “os judeus não adoram a Deus, mas aos demônios” ; pregadores, escritores e artistas posteriores retrataram Satanás e os judeus como inimigos virtualmente idênticos, intercambiáveis ​​e eternos da Igreja e do Cristianismo. Os textos do "Novo Testamento" que esses cristãos medievais citavam para justificar seu antijudaísmo frequentemente incluíam João 8:44 e Apocalipse 2:9 e 3:9 ( O Diabo e os Judeus: A Concepção Medieval do Judeu e Sua Relação com o Antijudaísmo Moderno). Semitismo , 12, 20-21).
Tal ódio antijudaico levou frequentemente a perseguições e assassinatos horríveis, tanto na Idade Média como posteriormente. Para dar apenas um exemplo entre uma miríade, em 1453 “São” João de Capistrano ordenou que dezenas de judeus em sua cidade fossem despidos, amarrados a tábuas e (de acordo com uma testemunha contemporânea) “então, sob seu comando, quatro carrascos arrancaram pedaços de sua carne com atrozes pontas de ferro e jogou os pedaços nos caldeirões para queimar lá.”
Na Bíblia, o povo de Israel são os filhos de Deus e sua nação escolhida (ver, por exemplo, Êxodo 19:5; Dt 14:1-2; Jr 31:20; Os 11:1; Amós 3:2). Então, como é que nós, judeus, passamos a ser retratados como “filhos de Satanás” na pregação, no ensino, na literatura e na arte cristã? Muitos livros foram escritos sobre este tema, mas a resposta pode ser resumida em duas palavras: tradução e teologia . Traduções e interpretações imperfeitas e às vezes maliciosas da Bíblia descreviam todos os judeus como “a sinagoga de Satanás” e “os filhos de Satanás”. Na verdade, os textos originais não dizem essas coisas quando compreendidos nos seus devidos contextos linguísticos e históricos, mas até hoje muitas pessoas ainda são fortemente influenciadas por esses mesmos erros de tradução e interpretações.
Estas coisas representam uma razão muito preocupante pela qual nós, no Centro Bíblico de Israel, levamos a sério as questões de tradução e interpretação, dedicando tempo e recursos na tentativa de ajudar a remediar alguns dos erros do passado . Embora muitas vezes vistas como “disputas semânticas”, na realidade estas são questões vitais com efeitos fatídicos e muitas vezes trágicos no mundo real. No entanto, se pudermos de alguma forma penetrar em todos os erros de tradução e de interpretação acumulados ao longo dos séculos, talvez possamos também encontrar aquela sabedoria antiga que dá nome à própria sinagoga de Pittsburgh: “ uma árvore de vida para aqueles que dela se apoderam” (Pv 3: 18).
(*Texto publicado originalmente em Israel Bible Center - Editado aqui por Costumes Bíblicos)

Veja também:
A Aliança de Deus

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por comentar! Fica na paz!
E peço isto: que o vosso amor cresça mais e mais em ciência e em todo o conhecimento,
Para que aproveis as coisas excelentes, para que sejais sinceros, e sem escândalo algum até ao dia de Cristo;
Cheios dos frutos de justiça, que são por Jesus Cristo, para glória e louvor de Deus.
Filipenses 1:9-11

Postagem em destaque

GOG E MAGOG - ESCATOLOGIA JUDAICA

A Garganta de Darial antes de 1906. FOTO:   As  Portas de Alexandre  foram uma barreira lendária construída por Alexandre, o Grande no Cáuca...