Costumes Bíblicos: O Calendário de Israel





O Calendário de Israel

O calendário de Israel 
O calendário é uma daquelas coisas essenciais à qual nem sempre se dá o devido valor. Os mais antigos calendários, inclusive os de Israel antigo, foram elaborados em função das estações do ano agrícola e dos ritos religiosos associados a essas estações. Por causa disto, e porque era tudo tão complexo, os sacerdotes se tornaram especialistas na administração do calendário. O comércio e o governo também exigiam datação precisa. Assim, os grandes impérios da Mesopotâmia e do vale do Nilo desenvolveram seus próprios sistemas com grande índice de precisão.
Calendário de Gezer 
Sabemos pouco sobre o calendário israelita antigo, com exceção das festas. Mas o Mishnah (a coleção de leis judaicas feita no final do século 2 da era cristã) faz uma descrição completa do sistema que os judeus criaram sob influência babilônica. Ele continuou a ser usado junto com o calendário romano. Este, que foi tão bem reformado por Júlio César, sobrevive quase intacto ainda hoje, dois mil anos depois.
Quando os israelitas chegaram a Canaã, eles usaram os antigos nomes cananeus para designar os meses.
Durante o exílio, esses nomes foram substituídos pelos nomes babilônicos que aparecem na figura abaixo.

Calendário Judaico ou hebraico : לוח שנה
                                                  
לוח שנה
Meses Hebraico Português
01 Tishrei Setembro
02 Cheshvan Outubro
03 Kislev Novembro
04 Tevet Dezembro
05 Shvat Janeiro
06 Adar Fevereiro
07 Nissan Março
08 Iyar Abril
09 Sivan Maio
10 Tamuz Junho
11 Av Julho
12 Elul Agosto

Judeus tocando o Shofar - Nos tempos antigos, o shofar era usado em ocasiões solenes. A palavra shofar é mencionada pela primeira vez em conexão à Revelação Divina no Monte Sinai, quando "a voz do shofar era por demais forte e todo o povo do acampamento tremeu". Assim, o shofar em Rosh Hashaná (ano novo judaico) tem o dever de lembrar aos judeus suas obrigações para com seu serviços religiosos.
O Shofar 
Festividades: Shabat - Rosh - Hashaná - Yom Kipur - Pessach - Lag BaÔmer - Sucot - Purim - Shavuot - Simchat Torá - Tu Bisshvat - Hoshaná Rabá - Shemini Atzeret - Chanucá

O calendário hebraico é um calendário do tipo lunissolar cujos meses são baseados nos ciclos da Lua, enquanto o ano é adaptado regularmente de acordo com o ciclo solar. Por isso ele é composto alternadamente por anos de 12 ou 13 meses. O início do ano judaico se dá no mês de Tishrei (Setembro/Outubro). O calendário judaico começa com a criação da 'neshamá' (estrutura espiritual/alma) de Adão, o primeiro homem , há cerca de 5773 anos (em 2012). 

UM POUCO MAIS SOBRE ADAM(ADÃO)-*HEBRAICO BÍBLICO

Freqüentemente lemos a história de Adão como um reflexo de toda a humanidade - nossa relacionalidade com Deus e os outros, bem como nossa capacidade de recusar a vontade divina. Embora nenhuma palavra para “queda” ou “pecado” apareça em Gênesis 3, estamos certos em ver a experiência de Adão em um nível arquetípico, visto que o hebraico אדם ( adam ) significa “ser humano”. Na verdade, na maioria dos casos, “Adão” não aparece como um nome próprio, mas sim como “ o humano” (האדם; ha'adam ); como seres humanos, somos encorajados a nos aprofundar na história primordial. No entanto, além de ser um representante de toda a humanidade, Adam é um representante de Israel; tanto o homem quanto a nação são trazidos para a terra de Deus e então experimentam o exílio.
O hebraico bíblico revela que Adão prenuncia todo o Israel. No início da narrativa do Gênesis, “o Senhor Deus formou (יצר; yatsar ) o humano” (Gênesis 2: 7). Da mesma forma, falando à nação, Isaías declara que Deus foi quem “ formou (יצר; yatsar ), ó Israel” (Is 43: 1). No final de Gênesis 3, o texto diz que Deus “ expulsou (גרשׁ; garash ) o homem” do Jardim do Éden (3:24). Da mesma forma, quando o povo de Israel vai para o exílio de sua terra, Deus declara: “Por causa da maldade de suas obras, eu os expulsarei (גרשׁ; garash) ”(Os 9:15). Em Jeremias, Deus fala ao povo por meio do profeta, dizendo: “Eu os trouxe a uma terra fértil para comer (אכל; achal ) seu fruto (פּרי; peri ) e sua bondade (טוֹב; tov ), mas quando você entrou , você contaminou a minha terra ”(Jr 2: 7). Esta descrição profética da nação reflete o momento em que Adão e Eva veem que o “fruto” proibido (פּרי; peri ) é “bom” (טוֹב; tov ) para comida e “ comê- lo” (אכל; achal ), transgredindo assim o comando de Deus (Gn 3: 6).
No entanto, enquanto a história de Adão termina no exílio, a história de Israel termina na restauração. Após o exílio, Isaías diz ao seu povo: “O Senhor se compadecerá de Jacó e tornará a escolher Israel, e os fará descansar (ינח; yanach ) em sua própria terra” (Is 14: 1). A linguagem do profeta para descrever o retorno de Israel do exílio ecoa o que Deus faz após formar o humano: “O Senhor Deus tomou o homem e o colocou (ינח; yanach ) no Jardim do Éden” (Gn 2:15). Apesar da transgressão de Adão no jardim, o povo de Israel é levado de volta à sua Terra, que prenuncia o plano de Deus para a restauração de toda a humanidade. (*Este texto é parte de um artigo publico pelo Dr  Nicholas J. Schaser em Israel Bible Center-Editado aqui por Costumes Bíblicos)

NO NOVO TESTAMENTO 

A maioria dos autores do Novo Testamento relaciona certos acontecimentos com o calendário judaico em uso naquele tempo. Ocasionalmente eles identificam datas fazendo referência a governantes não-judeus. Lucas, por exemplo, refere-se ao imperador romano Tibério em seu Evangelho. Os relatos estão repletos de referências às grandes festas anuais: Páscoa, Tabernáculos, Pentecostes. Mas até nisto não havia uniformidade absoluta. Havia pequenas diferenças entre o calendário seguido pelos fariseus e o calendário dos saduceus. 

UM PROBLEMA 

O Sábado (Dia de descanso) semanal apresentava seus próprios problemas, pois o ano não contém um número inteiro de semanas, nem um número inteiro de meses. Na antiguidade o sábado possivelmente era ajustado para coincidir com as festas principais ou até mesmo com os dias de lua nova (veja Lv 23). Depois do exílio, o Sábado de sete em sete dias passou a ser observado com maior rigor e tornou-se independente do calendário luni-solar, de modo que os judeus ortodoxos vieram a ter problemas com relação entre sábados e festas. [Mas..facilitando a guarda do Sábado, que não foi abolida, é simples; conforme as Escrituras, o Sábado começa, com o por do sol da sexta-feira e termina com o por do sol do mesmo. Simples assim!] 
A Menorá (no hebraico: מנורה - menorah - "lâmpada, candelabro"), é um candelabro de sete braços, é um dos principais e mais difundidos símbolos do Judaísmo. Originalmente era um objeto constituído de ouro batido, maciço e puro, feito por Moisés para ser colocado dentro do Santo Lugar - átrio intermediário entre o Átrio Exterior do Santuário e o Santo dos Santos - juntamente com o Altar de Incenso e a Mesa dos Pães da Proposição. Diz-se que simboliza os arbustos em chamas que Moisés viu no Monte Sinai.

LEIA TAMBÉM:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por comentar! Fica na paz!
E peço isto: que o vosso amor cresça mais e mais em ciência e em todo o conhecimento,
Para que aproveis as coisas excelentes, para que sejais sinceros, e sem escândalo algum até ao dia de Cristo;
Cheios dos frutos de justiça, que são por Jesus Cristo, para glória e louvor de Deus.
Filipenses 1:9-11

DESTAQUE NO SITE

MULHERES DE FÉ - Apresentação

"Do lado de fora, as mulheres da Bíblia  parecem desempenhar apenas um papel de apoio  em um drama dominado pelos homens." Mulher...