Costumes Bíblicos: A Igreja e Jesus

A Igreja e Jesus

A IGREJA E JESUS
O que Jesus anunciou à base do monte Hermon, próximo a Cesareia de Filipe?
A. A informação envolvida.
a) A sondagem de Cristo (Mt 16.13). 
Os rumores (Mt 16.14,15). 
O reconhecimento (Mt 16.16). 
A revelação (Mt 16.17). Em seu relato sobre esse acontecimento, Lucas acrescenta uma frase significante – E aconteceu que, estando ele orando em particular, estavam com ele os discípulos; e perguntou-lhes, dizendo: Quem diz a multidão que eu sou? (Lc 9.18). A frase aqui tem as palavras estando ele orando em particular. Qual era o conteúdo de Sua oração? Eu acredito, como se deduz a partir de Mateus 16.17, que o sentido pode muito bem ter sido: “Ó Pai, revela a Simão Pedro que sou muito mais do que o prometido Messias de Israel, que sou um Deus-homem eterno!“. Observe também a pergunta de Jesus (Mt 16.15) – E vós, quem dizeis que eu sou? Aqui fica óbvio que nosso Senhor está muito mais interessado no que Seus amigos pensam dele do que Seus inimigos! 

b) A promessa de Cristo. 
O que Jesus garantiria para Seus discípulos (Mt 16.18). 
O que Ele diria para Seus discípulos (Mt 16.19). 
A Paixão de Cristo (Mt 16.21). 
A provocação de Cristo (Mt 16.22,23). Esse episódio é a única ocasião no Novo Testamento em que um crente refuta e repreende o Filho de Deus! 
P. Por que Pedro repreendeu Jesus?
R. Por causa da profecia a respeito de Seu iminente sofrimento e morte.
P. Quem estava por trás de tudo?
R. Satanás.
P. Qual era a motivação de Satanás?
R. Foi a tentativa infernal de afastar Jesus do Calvário!
B. A interpretação envolvida.
a) Jesus estava edificando Sua Igreja sobre Pedro, e planejando torná-lo Seu primeiro Papa? Pode-se claramente afirmar que NÃO. 
Porque, mais tarde, Cristo deu as mesmas responsabilidade aos outros apóstolos que Ele aqui dá a Pedro. (Compare Mt 16.19 com Jo 20.22,23). 
Porque o Novo Testamento, claramente, apresenta Cristo e somente Cristo como o fundamento de Sua Igreja (At 4.11,12; 1Co 3.11; 1Pe 2.4-8). 
Porque o Novo Testamento, claramente, apresenta Cristo e somente Cristo como a cabeça de Sua Igreja (Ef 1.20-23; 5.23; Cl 1.18; 2.18,19). 
Por causa da língua grega. Existe um trocadilho aqui. Jesus disse: Tu és Pedro [petros, uma pequena pedra], e sobre *esta(*Esta é usado quando o que está sendo demonstrado está perto da pessoa que fala. Logo, Jesus estava se referindo a Ele mesmo como fundamento onde Sua Igreja seria edificada. E não sobre Pedro) pedra [petra, um rochedo ou rocha maciça] edificarei a minha igreja. 
Por causa do testemunho pessoal de Pedro (1Pe 5.1-4). 
Porque Tiago, não Pedro, mais tarde presidiu a igreja em Jerusalém (At 15.13,19). Esses versículos em Atos dos Apóstolos 15 são especialmente importantes, pois, se o Conselho tivesse tornado obrigatório que os crentes gentios fossem circuncidados (como os cristãos judeus estavam insistindo), então, humanamente falando, o cristianismo poderia muito bem ter encolhido e morrido na videira bem ali! À luz desses fatos, se Pedro tivesse sido nomeado o primeiro papa, ele certamente teria falado com suprema autoridade contra esse legalismo mortal, mas foi Tiago, não Pedro, quem presidiu sobre o processo. Norman Geisler conclui: Que Pedro não teve uma autoridade única e duradoura fica claro observando vários fatores. 
Primeiro, novamente, Jesus deu a mesma autoridade para ligar e desligar a todos os apóstolos (Mt 16.19; cf. 18.18).
Segundo, Pedro nem foi o responsável na reunião de Atos dos Apóstolos 15; Tiago conduziu o processo.
Terceiro, Pedro foi apenas um dos “pilares” da Igreja (Gl 2.9).
Quarto, ele foi apenas um dos “apóstolos” sobre os quais a Igreja foi edificada (Ef 2.20).
Quinto, ele foi repreendido pelo apóstolo Paulo, uma ação não condizente por parte de alguém de posição inferior (Gl 2.11).
Sexto, Pedro apresenta-se somente como um “apóstolo” em seus escritos (1Pe 1.1; 2Pe 1.2), apesar de serem chamados de Epístolas Gerais. Se somente ele tivesse autoridade sobre a Igreja, teria afirmado isso em uma Epístola Geral.
Sétimo, ele reconheceu o papel especial de Paulo na Igreja (Gl 1–2).
Oitavo, e finalmente, mesmo o comissionamento de Paulo para o serviço missionário não foi feito por Pedro, mas pela igreja [local] que estava em Antioquia (At 13.1-3). Assim, a visão católica romana que torna Pedro o principal e infalível no ensino oficial sobre a fé e prática não encontra base no Novo Testamento. (Systematic Theology. Volume Four.p.76-78,188).
b) O que, então, Cristo estava fazendo? Em Efésios 2, Paulo afirma que Cristo, como a Pedra Principal, estava estabelecendo o templo do Senhor por meio de Seus seguidores (Ef 2.19-22).
c) O que Ele quis dizer com as portas do inferno não prevalecerão contra ela? 
d) Quais foram as chaves do Reino dos céus que Jesus deu a Pedro? Uma chave, é claro, destranca portas e torna disponível o que antes estava fechado. Nessa passagem, Jesus prediz que a Pedro seria dado o privilégio de abrir a porta da salvação a vários povos. Foi o que ele fez mais tarde. 
Ele abriu a porta da oportunidade cristã para Israel, no Pentecostes (At 2.38-42). 
Fez o mesmo pelos samaritanos (At 8.14-17). 
Desempenhou seu ministério junto aos gentios na casa de Cornélio, em Cesareia (At 10). 
e) O que Cristo quis dizer com ligar e desligar em Mateus 16.19? Essa autoridade foi dada a todos os apóstolos e até mesmo para outros crentes (veja Mt 18.18; Jo 20.22,23). W.A.Criswell explica a natureza passada e presente dessa autoridade de acordo com o grego:
No grego, o tempo do futuro perfeito é usado para expressar a dupla noção de uma ação terminada no passado, mas cujos efeitos ainda existem no presente: “Tendo sido ligado e ainda ligado”, e “tendo sido desligado e ainda desligado”. O significado é: se os discípulos agirem de forma apropriada como mordomos, estarão agindo de acordo com os princípios e propósitos da eleição ordenados e previamente no céu.
Em outras palavras, todas as ações do cristão cheio do Espírito, sejam de natureza positiva ou negativa, levarão consigo a tremenda autoridade do próprio céu. Assim, o ganhador de almas pode, com confiança, testemunhar para o não salvo. 
Prometendo-lhe liberdade dos grilhões do pecado ao aceitar Jesus como Salvador. 
Alertá-los sobre sua escravidão eterna para o pecado por recusar Jesus como Salvador.
(*)Por trás do texto judaico-grego está um conceito hebraico das מַפְתְּחוֹת מַלְכוּת הַשָׁמָיִם (maftechot malchut hashamaim) - “chaves do reino dos céus”. O que essas chaves fazem? Neste caso, “uma chave” מַפְתֵּחַ (mafteach) é uma ferramenta que abre a porta para o domínio de Deus. Em hebraico, פֶּתַח (petach) é “uma abertura”. Em Mishna, פְּתִיחָה (peticha) é “uma introdução” (também uma abertura de algo que se segue). Ambas as palavras vêm do verbo “abrir” פָּתַח (patach). Em contraste, o verbo hebraico “fechar” é סָגַר (sagar) e “travar” ou “prender” é נָעַל (naal). Nenhuma das palavras está relacionada à ideia de chave em hebraico, porque o propósito principal de “uma chave” מַפְתֵּחַ (mafteach) não é travar, mas “abrir” פָּתַח (patach) .
O apóstolo Pedro (seja por conta própria ou como representante principal dos doze) tem o poder das chaves, mas essas chaves não são usadas para “trancar” o Céu, mas para abri-lo.
Quais são as explicações e ensinamentos mais comuns sobre esses versículos de “ligar e desligar” que ouvimos hoje? A maioria das pessoas presume que eles têm algo a ver com a guerra espiritual e amarrar o diabo . Na verdade, o contexto circundante é sobre a autoridade do discípulo, apenas o diabo não está envolvido aqui .
Na realidade, ligar e desligar são expressões jurídicas técnicas conhecidas no antigo mundo judaico . “Vincular” é restringir, confinar, limitar e, em um sentido jurídico, “proibir algo”. No lado oposto, “soltar” é desvincular, desamarrar, liberar, que em um sentido legal significa “permitir algo”.
Aqui está um exemplo do historiador judeu do primeiro século Flavius ​​Josephus. Ele escreve que sob a rainha Alexandra de Jerusalém, os fariseus “tornaram-se os administradores de todos os negócios públicos, com poderes para banir e readmitir quem quisessem, bem como para desligar e amarrar”. (Guerra Judaica 1: 111). Josefo disse que os fariseus tinham autoridade para “desligar e ligar” e não, não demônios ou Satanás .
Quando Jesus usou essa terminologia nos Evangelhos, ele também não falou sobre oração ou guerra espiritual. O contexto é legal e os termos devem ser interpretados no contexto judaico do primeiro século. Assim como os fariseus na citação de Josefo, os discípulos receberam o direito de legislar, o direito de fazer regras e normas, permitindo e proibindo coisas em sua própria comunidade. E isso é unir e perder o estilo do primeiro século.

Veja abaixo, "ligar" e "desligar" nos Evangelhos e Talmud (*)

Em Mateus 16:19 e 18:18, Yeshua fala de “ligar” e “desligar” na terra e no céu. Muitos leitores do Evangelho moderno não percebem que esses termos, especialmente quando são usados ​​lado a lado, são expressões idiomáticas judaicas antigas comuns que significam “proibir” e “permitir” em um contexto legal. Em hebraico, אָסַר ( asar ) significa “amarrar”, “amarrar”, “confinar”, “aprisionar” e, idiomicamente, “proibir”. O termo הִתִּיר ( hitir ) significa "desamarrar", "desamarrar", "liberar" e, linguisticamente, "permitir". No final do primeiro século, Josefo usa os equivalentes gregos dessa terminologia hebraica; abaixo estão vários exemplos desses termos no Talmud posterior (c. 600 EC).
Esses antigos textos em aramaico e hebraico usam a terminologia de amarrar e soltar com frequência, e é muito claro o que eles significam a partir do contexto talmúdico mais amplo. Nesta primeira passagem, os rabinos discutem a flexibilidade das interpretações da Torá e decisões derivadas delas:
“Estes são estudiosos da Torá que se sentam em muitos grupos e se dedicam ao estudo da Torá. Freqüentemente há debates entre esses grupos, já que alguns desses Sábios tornam um objeto ou pessoa ritualmente impuro e estes o tornam puro; estes proíbem ( אוסרין ; o srin ) uma ação e estes a permitem ( מתירין ; matirin ); estes consideram um item inválido e estes o consideram válido ... Assim também você, estudante, faça seus ouvidos como um funil e adquira um coração compreensivo para ouvir tanto as declarações daqueles que tornam os objetos ritualmente impuros quanto as declarações daqueles que os apresentam eles puros; as declarações daqueles que proíbem (אוסרין; o srin ) ações e as declarações daqueles que permitem (מתירין ; matirin ) eles; as declarações daqueles que consideram os itens inválidos e as declarações daqueles que os consideram válidos. ” (Talmud babilônico, Chagigah 3b, tradução de Davidson)
Exemplos de decisões de “ligar e desligar” são coloridos nos textos rabínicos. Em Tosefta on Avoda Zarah 7a Rabbi Ami citou este ditado: “O que um sábio proibiu, não perguntes a outro sábio, ou ele pode permitir ... ( נשאל לחכם ואסר לא ישאל לחכם אחר שמא יתיר )”. Cada vez que esses termos são usados ​​em um contexto legal, eles significam “proibir” e “permitir”. Ao estudar os evangelhos, devemos sempre ser guiados pelos usos históricos e culturais da linguagem e estar cientes dos modos de vida judaicos. O contexto de Mateus 16:19 e 18:18 é estabelecer regras. Espero que os exemplos desses textos antigos pintem um quadro vívido de como “amarrar” e “soltar” não estavam ligados ao exercício do poder sobre o diabo ou à guerra espiritual, mas sim descreveram o processo de estabelecimento de normas e regras. (*Por Pinchas Shir-Israel Bible Center)
Em que Mateus 16 é semelhante a Gênesis 11 e João 6?
A. Comparação entre Mateus 16 e Gênesis 11.
a) Os dois capítulos registram o início de uma igreja.
O texto de Gênesis 11.1-9 registra o origem da igreja de Satanás. Evidências arqueológicas têm provado que a torre de Babel, na verdade, era um templo religioso, provavelmente levantado para a adoração das estrelas.
b) Ambos os capítulos descrevem a forma que Deus tratou com essas igrejas. 
A igreja de Satanás foi punida por Deus (Gn 11.8). 
A Igreja de Cristo foi preservada por Deus (Mt 16.18). 
A igreja de Satanás será destruída pelo anticristo durante a grande tribulação (Ap 17.16). 
A Igreja de Cristo será libertada da grande tribulação pelo verdadeiro Cristo (1Ts 4.16,17). 
B. Comparação entre Mateus 16 e João 6.
a) Ambos os capítulos registram o testemunho de Pedro. 
O testemunho de João 6 (Jo 6.66-69). 
O testemunho de Mateus 16 (Mt 16.16). 
b) Os dois capítulos registram a traição do diabo. 
A traição em João 6 (Jo 6.70,71). 
A traição vista em Mateus 16 (Mt 16.23). 
Você vai gostar também de: OS DOZE DISCÍPULOS DE JESUS

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por comentar! Fica na paz!
E peço isto: que o vosso amor cresça mais e mais em ciência e em todo o conhecimento,
Para que aproveis as coisas excelentes, para que sejais sinceros, e sem escândalo algum até ao dia de Cristo;
Cheios dos frutos de justiça, que são por Jesus Cristo, para glória e louvor de Deus.
Filipenses 1:9-11

DESTAQUE NO SITE

A história da Arca da Aliança

A HISTÓRIA DA ARCA DA ALIANÇA! Ela deveria ser colocada no Santo dos Santos (Êx 26.33,34). A nuvem do Shekinah lhe fazia sombra (Êx 4...