Costumes Bíblicos: Deus exige santidade





Deus exige santidade

O porquê que Deus exige santidade
O pecado é tão abominável a Deus que não pode coexistir com Ele. O mesmo deve acontecer com seu povo. O Senhor é santo e espera que Seu povo reflita Sua santidade (Lv 11.45; 19.2).
Deus exigia medidas severas para eliminar os pecados e os pecadores da comunidade com quem tinha uma aliança. O Senhor ofereceu perdão, mas apenas aos verdadeiramente arrependidos. Aqueles que endureciam o coração já poderiam esperar pelo juízo divino – um fogo devorador, um processo de purificação que devora os pecadores e seus pecados e não deixa nada para trás (Hb 12.28,29). Essa purificação existia para curar a comunidade de crentes e dissuadir os outros de rebelar-se contra o Senhor (Dt 17.13).
Logo no início do Antigo Testamento, o juízo de Deus entre Seu povo era geralmente imediato (ver Nm 11.1-3). O Senhor fez Seu povo ciente de Sua exigência por obediência e da pena àqueles que desobedecessem.
A retribuição de Deus agora é reservada para o futuro Dia do Juízo, quando os pecados dos injustos e dos santos serão expostos e julgados (2Co 5.10)). No entanto, alguns casos de calamidade podem ser entendidos como o juízo de Deus sobre Seus filhos desobedientes (1Co 11.27-30). Ainda é uma “horrenda coisa […] cair nas mãos do Deus vivo” (Hb 10.31).
Você poderá gostar desse artigo também, lendo no site: O EXÍLIO e OS NOMES DE DEUS 

O QUE É SANTIDADE EM HEBRAICO(*)

Na terminologia de hoje, “santidade” tornou-se uma categoria ética. Aqueles que agem como “mais santos do que tu”, por exemplo, se comportam como se fossem moralmente superiores aos outros. No entanto, essa compreensão da santidade em termos de moralidade é uma mudança moderna da antiga definição hebraica. Em vez de expressar ética, o significado bíblico de “santo” ( קדושׁ ; qadosh ) é separado ou separado . Conceitos relacionados como “limpo” ( טהור ; tahor ) e “impuro” (טמא; tumá ) também passaram por uma moralização moderna, mas essas ideias têm mais a ver com separação do que com pecado ou salvação. Ao usar esses tipos de termos,os autores das Escrituras de Israel especificaram os contornos de limpeza e contaminação que permitiam o vínculo mais próximo possível entre Deus e a humanidade.
No meio da Torá, Deus diz aos israelitas através de Moisés: “ Sereis santos ( קדושׁים ; qedoshim ), porque eu, o Senhor, vosso Deus, sou santo ( קדושׁ ; qadosh )” (Levítico 19:2). O que esta frase significa? A ordem dificilmente pode significar que Israel deve ser moralmente reto ou justo como Deus no céu. Pouco antes desta declaração divina, o Senhor estabelece o sistema sacrificial para fazer expiação por “todas as iniqüidades dos filhos de Israel” (16:21). Deus oferece a Israel uma rede de segurança divina porque o Céu sabe que a humanidade tenderá a transgredir os mandamentos. Portanto, ser “santo” não significa ser perfeito ou sem pecado como Deus. Em vez disso, “santo” significa “separado” dos outros: Israel deveria ser “separado” das nações ao seu redor.
As palavras que seguem o chamado de Deus à santidade são instrutivas para entender como a noção de “separação” funcionava no antigo Israel. Moisés é instruído a informar ao povo: “Guardareis os meus sábados: eu sou o Senhor vosso Deus. Não se voltem para ídolos, nem façam para vocês deuses de metal fundido: eu sou o Senhor vosso Deus” (Lv 19:3-4). As outras nações além de Israel não guardavam o sábado, e formavam ídolos de metal para representar seus vários deuses na adoração. Portanto, observar o sábado e abster-se de fazer ídolos ajudaria a separar Israel de seus vizinhos nacionais; eles seriam um povo santo para o Senhor seu Deus - e somente para esse Deus. De fato, a invocação do sábado é em si um aceno para a santidade, pois “Deus abençoou o sétimo dia e o santificou .( קדושׁ )” na criação (Gn 2:3) – isto é, “separado” dos outros seis dias da semana.
Compreender a separação do Deus de Israel também pode ajudar a esclarecer o que a Bíblia quer dizer com “santo”. Quando Deus ordena que Israel seja santo porque “Eu, o Senhor, vosso Deus, sou santo” (Lv 19:2), esta afirmação ressalta o fato de que o Deus de Israel foi “separado” dos deuses de outras nações. No início dos chamados Dez Mandamentos – na verdade, em hebraico eles são chamados de “Dez Palavras” ( עשרת הדברים ; aseret hadevarim ; cf. Êxodo 34:28; Deuteronômio 4:13; 10:4) – Deus ordena Israel: “Não terás outros deuses ( אלהים ; elohim ) além de mim” (Êxodo 20:3; cf. Deuteronômio 5:7). Literalmente, o hebraico diz que os israelitas não devem ter outros deuses diante de mim( על-פני ; al-panai )”, significando que o povo de Deus não deve adorar nenhuma outra divindade ao lado da sua. Embora muitos leitores modernos tenham entendido que essas palavras significam que não existem outros deuses além do Deus de Israel, o versículo afirma exatamente o oposto: precisamente porque existem outras opções de adoração, Deus ordena a Israel que mantenha os olhos apenas na face do Senhor. O Deus de Israel era “santo” ou “separado” de outros deuses; assim, o povo escolhido do Senhor deveria ser “santo” exatamente como seu Deus.
No entanto, a santidade coletiva de Israel não denota nenhuma retidão inerente ou superioridade ética, apesar dos modernos mal-entendidos em contrário. Logo após Deuteronômio descrever Israel como “um povo santo ( קדושׁ ) ao Senhor” (7:6), o mesmo livro detalha a falta de proeminência moral do povo entre seus pares. Moisés diz ao seu povo: “Não digam a si mesmos... 'É por causa da minha justiça ( צדקה ; tsedakah ) que o Senhor me trouxe para possuir esta terra.' Em vez disso, é por causa da maldade dessas [outras] nações que o Senhor as está expulsando de diante de você, não por causa da sua justiça ou a retidão ( ישׁר ; yosher ) do seu coração” (9:4-5). Assim, o significado original hebraico de “santo” tem pouco a ver com o tipo de atitude “mais santo do que tu” que a palavra evoca na conversação contemporânea.
Um ponto semelhante vale para as referências hebraicas a ser limpo ( טהור ; tahor ) ou impuro ( טמא ; tumá ). Na Torá, o estado de ser “impuro” descreve a impureza ritual ao invés de transgressão moral. Por exemplo, Levítico aconselha que se uma pessoa desenvolver uma doença de pele no antigo Israel “o sacerdote o declarará impuro ( טמא )” (Lv 13:11). Este estado de impureza não denota qualquer impropriedade por parte do paciente. Em vez disso, ser impuro neste contexto significa ser ritualmente impuro. No entanto, tal contaminação cultual não foi o fim do mundo; uma vez que uma pessoa aflita se recuperasse e fosse submetida à inspeção sacerdotal, alguém poderia simplesmente “lavar suas roupas e ficar limpo ( טהר ; taher )” (Lv 13:6). Assim, a limpeza era um retorno a um estado de pureza externa, não uma erradicação interna do pecado. O próprio Levítico esclarece essa diferença de definição quando descreve o óleo para as lâmpadas do tabernáculo sendo “puro” ( טהורה ; tehorah ) – a mesma palavra para a pessoa “limpa” livre de problemas de pele.
As categorias de “limpo” e “impuro” aparecem em conjunto com “santidade” na Torá. Deus diz a Arão, o sacerdote: “Você deve distinguir entre o santo ( קדושׁ ) e o comum ( חל ; hol ), e entre o impuro ( טמא ) e o puro ( טהור )” (Lv 10:10). Os termos hebraicos paralelos neste versículo sugerem que “santo” é conceitualmente semelhante a “limpo”. Nenhum desses termos denota decência comportamental ou vantagem ética. Em vez disso, o que é “limpo” é mantido separado do que é ritualmente “impuro”, assim como o que é “santo” é separado do “comum”. O significado bíblico de “santo” era muito diferente do modo como funciona na linguagem popular. No original hebraico, a santidade é um elemento definidor do relacionamento divino-humano que separa a vida de alguém para Deus.
(*Este texto é parte de um artigo publicado em Israel Bible Center por Dr. Nicholas J. Schaser - Editado aqui por Costumes Bíblicos)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por comentar! Fica na paz!
E peço isto: que o vosso amor cresça mais e mais em ciência e em todo o conhecimento,
Para que aproveis as coisas excelentes, para que sejais sinceros, e sem escândalo algum até ao dia de Cristo;
Cheios dos frutos de justiça, que são por Jesus Cristo, para glória e louvor de Deus.
Filipenses 1:9-11

DESTAQUE NO SITE

MULHERES DE FÉ - Apresentação

"Do lado de fora, as mulheres da Bíblia  parecem desempenhar apenas um papel de apoio  em um drama dominado pelos homens." Mulher...