Costumes Bíblicos: Descrição geral do Tabernáculo





Descrição geral do Tabernáculo

O TABERNÁCULO - Do deserto do Sinai até
a construção do Templo de Salomão em 950 a.C.
UMA DESCRIÇÃO GERAL DO TABERNÁCULO -MÉTODO CRONOLÓGICO

AS TRÊS SEÇÕES

O pátio externo, o pátio interno e o Santo dos Santos.
O pátio externo era uma cerca de piquetes glorificada, que media 45 cm de comprimento, 23m de largura e 2,30m de altura. No centro da "área cercada", edificava-se a tenda com 14m de comprimento, 4,5m de largura e 4,5m de altura. Dentro dela, havia duas salas separadas por um véu espesso.
A sala oriental da tenda (o tabernáculo inteiro virava-se para o leste) era o Lugar Santo e a sala ocidental era o Santo dos Santos. A tenda constituía-se de 48 placas verticais cobertas por quatro tipos de tecido. Três tipos eram peles de animais, e o quarto era linho fino. As cores podiam ser branca, azul, púrpura e escarlate.

OS MUITOS MATERIAIS EMPREGADOS

Ouro (1.425kg), prata (4.340kg), bronze (3.420kg), peles de animais, madeira de cetim, azeite de oliva, especiarias e pedras de ônix.

O SUPERVISOR GERAL

Bezalel, neto de Hur, da tribo de Judá.

TEMPO DE CONSTRUÇÃO

Aproximadamente seis meses.

MÉTODO DE CONSTRUÇÃO

O tabernáculo foi o produto de mãos e corações voluntariosos.
A casa de Deus foi financiada pelo povo de Deus, e não por jantares, bazar de coisas usadas, impostos cobrado [dízimos] ou festas de bingo. Alguns dos versículos mais inspiradores do Antigo Testamento falam desse doce espírito sacrificial (Êx 35.5,21,22,29).
Outra verdade preciosa implicada no projeto do tabernáculo foi o fato de Deus ter pessoalmente tomado nota de cada presente concedido, não importando quão pequeno fosse ele. Isso veio à tona dramaticamente em Números 7, quando 12 pequenas taças de ouro cheias de incenso foram dadas por 12 diferentes pessoas. Apesar de os presentes serem idênticos e baratos, ainda assim Deus reconheceu cada doador e cada presente (veja também Ap 2.2,9,13; 3.1,8,15).

MEMÓRIAS DOS TRIBUNAIS DO TEMPLO-Por Flávio Josefo[escritor judeu do primeiro século](*)

Flávio Josefo foi um escritor judeu do primeiro século, um aristocrata de herança sacerdotal. Este trecho é retirado de seu livro chamado “Guerra” – uma narrativa histórica escrita em grego que preserva o relato em primeira mão do autor descrevendo o Templo de Jerusalém antes de ser destruído pelos romanos em 70 EC – “Memórias dos Pátios do Templo”.
(184) Agora, este templo, como já disse, foi construído sobre uma colina forte. A princípio, a planície do topo mal era suficiente para a casa sagrada e o altar, pois o terreno ao redor era muito irregular e como um precipício; (185) mas quando o rei Salomão, que foi a pessoa que construiu o templo, construiu uma parede para ele em seu lado leste, então foi adicionado um claustro fundado em um banco construído para ele, e nas outras partes o santo casa estava nua; mas em eras futuras as pessoas adicionaram novos bancos, e a colina tornou-se uma planície maior … (189) onde eles fizeram uso de pedras de quarenta côvados de magnitude; pois a grande quantidade de dinheiro que eles tinham então, e a liberalidade do povo, fizeram com que essa tentativa deles fosse bem-sucedida em um grau incrível; e o que não poderia ser tão esperado como sempre foi realizado, foi, pela perseverança e pelo tempo, levado à perfeição.
(190) Agora, para as obras que estavam acima dessas fundações, elas não eram indignas de tais fundações; porque todos os claustros eram duplos, e as colunas que lhes pertenciam tinham vinte e cinco côvados de altura, e sustentavam os claustros. Esses pilares eram de uma pedra inteira cada um deles, e essa pedra era de mármore branco; (191) e os telhados foram adornados com cedro, curiosamente esculpido.A magnificência natural, e o excelente polimento, e a harmonia das juntas nestes claustros, ofereciam uma perspectiva que era muito notável; nem era por fora adornado com qualquer obra do pintor ou gravador. (192) Os claustros [do pátio externo] tinham trinta côvados de largura, enquanto toda a extensão era, por medida, seis estádios, incluindo a torre de Antônia; aqueles pátios inteiros expostos ao ar foram assentados com pedras de todos os tipos.
(193) Ao passar por estes [primeiros] claustros, até ao segundo [pátio do] templo, havia um tabique de pedra a toda a volta, cuja altura era de três côvados : a sua construção era muito elegante; (194) sobre ele havia pilares, a distâncias iguais um do outro, declarando a lei da pureza, algumas em grego e outras em letras romanas, que “nenhum estrangeiro deveria entrar naquele santuário”; pois aquele segundo [pátio do] templo foi chamado de “o Santuário”; … (197) Além desses quatorze degraus havia a distância de dez côvados: tudo isso era simples,(198) de onde havia outros degraus, cada um de cinco côvados por peça, que levavam aos portões, cujos portões nos lados norte e sul eram oito, em cada um desses lados quatro e, necessariamente, dois no leste; pois, como havia uma divisória construída para as mulheres daquele lado, como o local apropriado para o culto, havia necessidade de um segundo portão para eles: este portão foi cortado de sua parede, em frente ao primeiro portão ...
(201) Agora, nove desses portões estavam de todos os lados cobertos de ouro e prata, assim como os batentes de suas portas e seus lintéis ; mas havia um portão que estava fora [do pátio interno da] casa santa, que era de bronze de Corinto, e superava muito aqueles que eram cobertos apenas com prata e ouro. (202) Cada portão tinha duas portas, cuja altura era de trinta côvados e sua largura quinze... (206) Agora havia quinze degraus, que levavam da parede do pátio das mulheres para este portão maior; ao passo que aqueles que levavam para lá dos portões eram cinco passos mais curtos.
(207) Quanto à própria casa sagrada, que foi colocada no meio [do pátio mais íntimo], a parte mais sagrada do templo, foi ascendida por doze degraus; e na frente sua altura e sua largura eram iguais, e cada uma cem côvados, embora fosse quarenta côvados mais estreita; pois em sua frente tinha o que pode ser denominado ombros de cada lado, que passavam vinte côvados mais adiante. (208) Seu primeiro portão tinha setenta côvados de altura e vinte e cinco côvados de largura; mas este portão não tinha portas; pois representava a visibilidade universal do céu, e que não pode ser excluído de nenhum lugar...
(210) mas aquele portão que estava neste final da primeira parte da casa estava, como já observamos, todo coberto de ouro, assim como toda a parede ao redor; tinha também vinhas douradas acima dela, das quais pendiam cachos de uvas tão altos quanto a altura de um homem; (211) mas então esta casa, como estava dividida em duas partes, a parte interna era mais baixa que a aparência da externa e tinha portas douradas de cinquenta e cinco côvados de altura e dezesseis de largura; (212) mas antes dessas portas havia um véu de igual amplitude com as portas. Era uma cortina babilônica, bordada com azul, linho fino, escarlate e púrpura, e de uma textura realmente maravilhosa.Essa mistura de cores também não era sem sua interpretação mística, mas era uma espécie de imagem do universo; (213) pois pelo escarlate parecia ser enigmaticamente significado fogo, pelo linho fino a terra, pelo azul o ar e pelo roxo o mar; dois deles tendo suas cores o fundamento dessa semelhança; mas o linho fino e a púrpura têm sua própria origem para esse fundamento, a terra produzindo um, e o mar o outro. (214) Esta cortina também havia bordado sobre ela tudo o que era místico nos céus, exceto o dos [doze] sinais, representando criaturas vivas. (Flávio Josefo, Guerra 5.184-214)/(*Este texto é parte de um artigo publicado em Israel Bible Center pelo Dr. Pinchas Shir na categoria "Textos Extra-Bíblicos" - Editado aqui por Costumes Bíblicos)

A MOBÍLIA DO TABERNÁCULO

Consistia de seis objetos principais
O altar de bronze - Êx 27.1-8; 38.1-7. Era a primeira peça da mobília [que se via] quando se adentrava o tabernáculo pela entrada oriental. Estruturado em forma de caixa feito de madeira de cetim recoberta com cobre, o altar tinha aproximadamente 2,30m de comprimento e um metro de altura. Entre a base e o topo, abria-se, pelo centro, uma grade. Um chifre localizava-se em cada canto do altar para ajudar a prender os sacrifícios de animais oferecidos ali.
A pia de bronze - Êx 30.18; 39.8. Tratava-se  de uma bacia de cobre cheia de água, posicionada sobre um pedestal e coberta com espelhos. Ela era usada pelos sacerdotes em limpezas efetivas e cerimoniais tanto de suas mãos como de seus pés.
A mesa do pão da proposição - Êx 25.23-30; 37.10-16. A mesa era feita de madeira de cetim recoberta de ouro. Nela, colocavam-se 12 pães a cada semana, uma para cada [semana] para cada tribo israelita. Ela possuía aproximadamente 50cm de comprimento e 15cm de espessura. Ao contrário das duas primeiras peças do mobiliário citadas, essa mesa ficava dentro da tenda, no lado norte da primeira sala.
O castiçal - Êx 25.31-40; 37.17-24. Um dos objetos mais ornados do tabernáculo, o castiçal era feito de ouro puro e se constituía de um eixo vertical, de cujos lados saiam três canas que se estendiam acima em pares. As velas eram preparadas todas as manhãs e todas as noites e nunca poderiam estar todas simultaneamente apagadas. Por isso, deviam ser regularmente providas com azeite puro. A peça inteira exigiu quase 50kg de ouro, e a tradição judaica afirma que esse castiçal tinha 1,5m de altura e 1m de largura. Ele ficava no lado sul da primeira sala, também chamada de Lugar Santo.
O altar para queimar incenso - Êx 30.1-10; 37.25-38. Essa mesa de cetim era recoberta de ouro e media 50cm² x 1m de altura. Simbolizava oração. Doces especiarias eram queimadas sobre ela a cada manhã e noite (veja Ap 8.3,4). A cada ano, os chifres desse altar eram besuntados com sangue. A mesa do incenso ocupava a porção ocidental do Lugar Santo.
A arca do concerto - Êx 25.10-22; 37.1-9. Era a peça mais importante de todo tabernáculo, também feita de madeira de cetim recoberta de ouro. Assemelhava-se a uma caixa de cedro e devia possuir 1,20cm de largura e 60cm de altura. Continha muitos objetos, sendo os mais importantes as duas placas de pedra onde estavam escritos os Dez Mandamentos. A tampa da arca constituía-se de ouro puro e era chamada de trono da misericórdia. Sobre ela, levantavam-se dois querubins angelicais de ouro. Uma por ano, durante o grande Dia da Expiação, em outubro, o sumo sacerdote entrava no Santo dos Santos (separado do Lugar Santo por um véu espesso) e aspergia sangue sobre o trono da misericórdia, sangue oferecido pelos pecados dos israelitas. Acima da arca habitava a shekinah [palavra hebraica para presença do SENHOR], a nuvem da glória de Deus.
A verdade mais impressionante do tabernáculo é provavelmente observada aqui: a única coisa que se levantava entre a lei violada - humanamente impossível de cumprir-se - e a fúria santa e justa de Deus era o sangue do cordeiro.

MARAVILHAS CELESTIAIS NO TEMPLO(*)

“Maravilhas Celestiais no Templo de Jerusalém”, de um escritor judeu, mais conhecido como Flávio Josefo. Ele nasceu como Yosef ben Mattitayhu em uma família sacerdotal no primeiro século EC. Este trecho de seu relato das revoltas judaicas contra Roma preserva suas memórias do Templo de Jerusalém antes de ser destruído por Tito em 70 EC. Josefo escreveu em grego para um público romano, então suas descrições pintam a beleza do templo de uma maneira que seu público gentio do primeiro século apreciaria. Curiosamente, ele conecta vários itens do Templo a planetas, zodíaco, sol, trovão e relâmpago.
(215) Quando qualquer pessoa entrava no templo ... e tinha nele três coisas que eram muito maravilhosas e famosas entre toda a humanidade; o candelabro, a mesa [do pão da proposição] e o altar do incenso. (217) Agora, as sete lâmpadas significavam os sete planetas; pois muitos estavam saindo do candelabro. Agora, os doze pães que estavam sobre a mesa significavam o círculo do zodíaco e o ano; (218) mas o altar de incenso, por seus treze tipos de especiarias perfumadas com as quais o mar o encheu, significava que Deus é o possuidor de todas as coisas que estão nas partes inabitáveis ​​e habitáveis ​​da terra e que são tudo para ser dedicado ao seu uso.
(219) Mas a parte mais interna do templo era de vinte côvados. Este também foi separado da parte externa por um véu. Nisto não havia absolutamente nada. Era inacessível e inviolável, e não podia ser visto por ninguém; e foi chamado o Santo dos Santos ... (222) Agora, a face externa do templo em sua frente não queria nada que pudesse surpreender a mente ou os olhos dos homens, pois estava todo coberto com placas de ouro de grande peso, e , ao primeiro nascer do sol, refletiu de volta um esplendor muito ígneo, e fez aqueles que se forçavam a olhar para ele desviarem os olhos, assim como teriam feito com os próprios raios do sol...Em seu topo tinha espinhos com pontas afiadas, para evitar qualquer poluição por pássaros pousados ​​sobre ele. De suas pedras, algumas delas tinham quarenta e cinco côvados de comprimento, cinco de altura e seis de largura.
(225) Diante deste templo ficava o altar, quinze côvados de altura e iguais em comprimento e largura; cada uma dessas dimensões era de cinquenta côvados. A figura em que foi construído era um quadrado, e tinha cantos como chifres; e a passagem até ela era por um aclive insensível. Foi formado sem nenhuma ferramenta de ferro, nem qualquer ferramenta de ferro sequer tocou nela a qualquer momento. (226) Havia uma parede divisória, com cerca de um côvado de altura, feita de pedras finas, e para agradecer à visão; isto envolvia a casa santa, e o altar, e mantinha as pessoas que estavam do lado de fora longe dos sacerdotes... (229) mas então estes sacerdotes que estavam sem qualquer mancha sobre eles, subiram ao altar vestidos de linho fino. Eles se abstinham principalmente de vinho, por medo, para que não transgredissem algumas regras de seu ministério. (230)O sumo sacerdote também subiu com eles; nem sempre de fato, mas nos sétimos dias e luas novas, e se alguma festa pertencente à nossa nação, que celebramos todos os anos, aconteceu. (231) Quando ele oficiava, ele usava um par de calças que chegavam abaixo de suas partes íntimas até as coxas, e usava uma roupa interna de linho, juntamente com uma roupa azul, redonda, sem aparência, com franjas, e chegando até os pés. Havia também sinos de ouro pendurados nas franjas e romãs misturadas entre eles. Os sinos significavam trovões e as romãs, relâmpagos.
(232) Mas aquele cinto que amarrava a roupa ao peito era bordado com cinco fileiras de várias cores de ouro, púrpura e escarlate, como também de linho fino e azul; com que cores, já vos dissemos, também eram bordados os véus do templo... Havia sobre ele dois botões de ouro como pequenos escudos, que abotoavam o éfode à roupa: nestes botões estavam embutidos dois sardonyxes muito grandes e muito excelentes, tendo os nomes das tribos daquela nação gravados neles: (234) na outra parte foram penduradas doze pedras, três em uma fileira de um lado e quatro no outro; um sárdio, um topázio e uma esmeralda: um carbúnculo, um jaspe e uma safira: uma ágata, uma ametista e uma ligura; um ônix, um berilo e um crisólito; em cada um dos quais foi novamente gravado um dos nomes mencionados das tribos.(235) Uma mitra também de linho fino envolvia sua cabeça, que estava amarrada por uma fita azul, sobre a qual havia outra coroa de ouro, na qual estava gravado o nome sagrado [de Deus]; consiste em quatro vogais. (236) No entanto, o sumo sacerdote não usava essas roupas em outras ocasiões, mas um hábito mais simples; ele só fazia isso quando entrava na parte mais sagrada do templo, o que fazia apenas uma vez por ano; naquele dia em que nosso costume é que todos nós jejuemos a Deus. (Flávio Josefo, Guerra 5.215-236) (*Este texto é parte de um artigo publicado em Israel Bible Center pelo Dr.Pinchas Shir em "Textos Extra-Bíblicos"/Editado aqui por Costumes Bíblicos)

O GUIA DE INSTRUÇÕES E REGRAS DO TABERNÁCULO

Relativo à dieta

  • Vida animal (Lv 11.2,3)
  • Vida marinha (Lv 11.9)
  • Vida aviária (Lv 11.13)
  • Vida dos insetos (Lv 11.21,22)
Relativo à maternidade (Lv 12)
Relativo aos leprosos (Lv 13--14)
Reconhecimento dos leprosos (Lv 13.2,3)
Regras para os leprosos (Lv 13.45-56)
Recuperação dos leprosos (Lv 14.2,3)
Relativo às questões do corpo (Lv 15)
Relativo à moralidade em relação ao parentesco de alguém (Lv 18)

  • O pai (Lv 18.7)
  • A mãe (Lv 18.8)
  • A irmã (Lv 18.9)
  • A neta (Lv 18.10)
  • A tia (Lv 18.12)
  • O tio (Lv 18.14)

  • LEIA MAIS SOBRE
    O SANTUÁRIO
  • A cunhada (Lv 18.16)
Relativo à benevolência (Lv 19)
Relativo à apostasia (Lv 20.1-9)
Adorar Moloque (Lv 20.3)
Consultar feiticeiros (Lv 20.6)
Amaldiçoar pai ou mãe (Lv 20.9)
Relativo à perversão (Lv 20.10-21)
Adultério (Lv 20.10)
Incesto (Lv 20.12)
Sodomia (Lv 20.13)
Poligamia (Lv 20.14)
Exposição indecente (Lv 20.17)
Relativo à redenção de um parente (Lv 25.47-49)
Relativo à desobediência (Lv 26)
Afirmação dos princípios (Lv 26.1-13)
A citação das punições (Lv 26.14,15)
  • Primeira punição (Lv 26.16,17)
  • Segunda punição (Lv 26.18-20)
  • Terceira punição (Lv 26..21,22)
  • Quarta punição (Lv 26.23-26)
  • Quinta punição (Lv 26.27-31)
A punição certeira (Lv 26.32-39)
Relativo aos votos (Lv 27)


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por comentar! Fica na paz!
E peço isto: que o vosso amor cresça mais e mais em ciência e em todo o conhecimento,
Para que aproveis as coisas excelentes, para que sejais sinceros, e sem escândalo algum até ao dia de Cristo;
Cheios dos frutos de justiça, que são por Jesus Cristo, para glória e louvor de Deus.
Filipenses 1:9-11

Postagem em destaque

A essência do Antigo Testamento

Esta foto mostra uma reprodução da  mais antiga conhecida inscrição do nome YHWH ,  o nome pessoal de Deus (cf. Êxodo 3). A escrita é em ...