Costumes Bíblicos: Jeroboão

Israel Institute of Biblical Studies

CANAL DO SITE

Jeroboão

Jeroboão (1Rs 11.26--14.20; 2Cr 9.29--13.22).
Reinado: 22 anos (931 a.C. -- 910 a.C.).
Ele serviu como membro do gabinete de Salomão, mas ficara temporariamente foragido no Egito para escapar da fúria do antigo rei (1Rs 11.28,40).
Ele liderou a revolta das dez tribos em Siquém (1Rs 12).
Praticava uma religião falsa, o que levou a nação israelita ao pecado (1Rs 12.26-30).
Seu braço foi paralisado, seu altar falso foi destruído, seu filho foi ferido por Deus, e tudo isso como punição pelos pecados que Jeroboão cometeu (1Rs 13.4,5; 14.1).
Ele foi derrotado em batalha por Abias, o segundo monarca do reinado do sul (2Cr 13.2-19).
Foi ferido por uma praga de Deus e morreu (2Cr 13.20).

Detalhes

Para considerar apropriadamente o reinado de Jeroboão, é necessário conhecer algo das circunstâncias que o levaram ao poder. Tudo começou com o filho arrogante de Salomão, Roboão.

SUA REVOLTA

Roboão foi a Siquém ser coroado o rei sobre toda a nação israelita (1Rs 12.1; 2Cr 10.1).
Ele recebeu um ultimato da delegação conduzida por Jeroboão (que, depois da morte de Salomão, retornara de seu exílio no Egito). Essa delegação afirmou simplesmente que o povo demandava uma vida melhor em seu reinado do que aquela que tivera sob o reinado de Salomão (1Rs 12.3,4).
Roboão pediu por um recesso de três dias para meditar sobre aquela demanda. Durante esse período, ele reuniu-se com seus amigos jovens e arrogantes e, ao preferir o conselho destes em relação ao dos mais velhos e mais sábios, recusou-se a aliviar os fardos impostos sobre o povo (1Rs 12.14).
Ao ouvirem essas notícias, dez das doze tribos atenderam aos clamores de Jeroboão para apanhar suas tendas, dando início à triste história da separação dos israelitas (1Rs 12.16).
O coletor de impostos de Roboão foi apedrejado até a morte, o que fez o assustado rei correr até Jerusalém para defender sua vida (1Rs 12.18-24; ao longo de seu reinado, Roboão desobedeceu repetidamente a ordem para não lutar contra o reino do norte; veja 1Rs 15.6).

SUA FALSA RELIGIÃO

Jeroboão, o novo líder da confederação das dez tribos, viu-se imediatamente diante de uma séria ameaça. Tr~es vezes por ano, tal como ordenado por Deus, a nação inteira deveria ir até Jerusalém para adorar ao Altíssimo (veja Êx 23.17; Lv 23). Jeroboão sabia que os sacerdotes certamente usariam essas oportunidades para trazerem todos os israelitas de volta para o domínio de Roboão. Diante disso, Jeroboão tentou resolver todo esse impasse, adotando um plano com quatro partes:

  1. Ele mudou os símbolos religiosos dos israelitas. Em vez de dois querubins dourados sobre a arca (Êx 25.17-20), Jeroboão colocou dois bezerros dourados. Nesse ponto, ele pôde evocar a ação do primeiro sumo sacerdote, Arão, como exemplo histórico (de fato, ele roubou o texto de Arão ao introduzir esses bezerros para o povo israelita. Compare Êx 32.4 com 1Rs 12.28).
  2. Ele mudou o centro da adoração religiosa de Jerusalém para Betel e Dã (1Rs 12.29). Isso foi feito em desobediência direta ao claro comando de Deus para ele (veja 1Rs 11.36).
  3. Ele mudou o sacerdócio, degradando os sacerdotes levitas e nomeando sacerdotes dos mais baixos do povo, que não eram dos filhos de Levi (1Rs 12.31). Por causa disso, a grande maioria dos sacerdotes e levitas fugiu em direção ao sul, em direção a Judá, deixando para trás uma situação de quase total apostasia (2Cr 11.13-17). Isso explica este fato trágico: nenhum dos 19 reis israelitas - a começar com Jeroboão e terminar com Oseias - entregou seu coração e seu reinado para Deus!
  4. Ele mudou o calendário religioso, do sétimo mês (set/out) para o oitavo mês (out/nov). De acordo com Levítico 23, os israelitas deveriam observar seis celebrações principais, que começavam no primeiro mês (mar/abr) e encerravam-se no sétimo (set/out). Essas seis festas, três das quais caíam no sétimo mês, prenunciavam a cruz (o pão sem fermento), a ressurreição (primícias), o Pentecostes (festa de 50 dias), o arrebatamento (Festa das Trombetas), a tribulação (Dia da Expiação) e o milênio (Festa dos Tabernáculos). (veja AS GRANDES FESTAS RELIGIOSAS) É evidente, contudo, que Jeroboão teve pequena utilidade para essas celebrações. Ele inventou algumas delas para o oitavo mês e inventava-as de acordo com seu próprio coração (veja 1Rs 12.33).
Jeroboão visitou o altar de Betel para queimar incenso. Ele então se tornou o segundo de três reis israelitas que ousaram tomar sobre eles o ofício de sacerdote também. Todos os três foram severamente punidos. Os outros dois foram: a) Saul (1Sm 13.9-14) . b) Uzias (2Cr 26.16-21).

SUA PUNIÇÃO

Por causa de sua idolatria, Jeroboão recebeu uma profecia contrária e foi punido por um homem de Deus.
a) A profecia. Anos depois, um rei de Judá, chamado Josias, destruiria totalmente a falsa religião de Jeroboão, queimando até mesmo os ossos de seus sacerdotes falecidos sobre o mesmo altar em que o rei e sacerdote antes fazia o sacrifício. Aproximadamente 300 anos depois, essa incrível profecia foi cumprida com exatidão (compare 1Rs 13.2 com 2Rs 23.15,16).
b) A punição. O altar de Jeroboão foi destruído, e seu braço foi paralisado, ambos os fatos sobrenaturais realizados por Deus (1Rs 13.3-6). Então, o profeta orou, e a mão do rei foi restaurada.
Em seu caminho para casa, o homem de Deus, tolamente, deu atenção às palavras de um velho profeta mentiroso de Betel e, como consequência, perdeu sua vida por desobedecer a Deus.
a) Deus dissera-lhe que voltasse para casa imediatamente (1Rs 13.8-10).
b) O velho profeta de Betel afirmara-lhe que Deus mudara de ideia e desejara que ele ficasse e comesse em Betel (1Rs 13.11-18).
c) Quando finalmente se direcionou para casa, ele foi atacado e morto por um leão (1Rs 13.23,24)
Logo após esse triste evento, o filho de Jeroboão, Abias, ficou muito doente (1Rs 14.1). Aías, o profeta, relatou tristemente a mensagem de Deus para a esposa de Jeroboão (que tentara disfarçar-se). Como consequência de sua grande impiedade, este sofreria uma terrível punição (1Rs 14.10-14). Tudo isso logo se cumpriu por certo, e a criança morreu (1Rs 14.17). Alguns anos depois, Nadabe, filho e sucessor de Jeroboão, foi assassinado junto com todos os seus parentes por um rebelde chamado Baasa, que usurpou o seu trono (1Rs 15.29). Nessa época, Deus enviou o primeiro deprimente aviso acerca do futuro cativeiro assírio, que ocorreria 200 anos mais tarde (1Rs 14.15).
SUA MORTE
Deus feriu Jeroboão com uma praga que o matou após um reinado ímpio de 22 anos. Registra-se, não menos do que 21 vezes, que ele "fez os israelitas pecarem".
Ele foi sucedido por seu filho Nadabe (1Rs 14.20). Nadabe foi assassinado por um rebelde chamado Baasa depois de um reinado de apenas dois anos. Ao matar Nadabe e seus parentes, o rebelde inconscientemente cumpriu a profecia revelada à esposa de Jeroboão por Aías, o profeta (compare 1Rs 14.14 com 1Rs 15.29).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por comentar! Fica na paz!
E peço isto: que o vosso amor cresça mais e mais em ciência e em todo o conhecimento,
Para que aproveis as coisas excelentes, para que sejais sinceros, e sem escândalo algum até ao dia de Cristo;
Cheios dos frutos de justiça, que são por Jesus Cristo, para glória e louvor de Deus.
Filipenses 1:9-11

DESTAQUE NO SITE

A Crucificação no Tempo de Jesus

CRUCIFICAÇÃO NO TEMPO DE JESUS Depois da condenação, Jesus recebeu outra vez a sua veste. Isso fazia parte de uma execução em que o con...