Costumes Bíblicos: O SINÉDRIO JUDAICO

O SINÉDRIO JUDAICO

O SINÉDRIO JUDAICO
Não poderíamos dar suficientemente aqui informações sobre a organização política no tempo de Jesus sem mencionar o Sinédrio (nome alicerçado na palavra grega que significa lugar onde se está sentado, depois, por extensão, assembleia), espécie de senado ou assembleia superior nacional, que tinha autoridade considerável sobre assuntos religiosos e relativos à administração interna na nação judaica [tendo em vista que o governo judeu era teocrático, com base na Torá, com leis civis, religiosas/espirituais e cerimoniais].
A instituição do Sinédrio iniciou-se, ao que parece, no fim do cativeiro na Babilônia, quando os judeus que voltaram da Caldeia, depois do edito de liberdade de Ciro, sentiram necessidade de uma assembleia deste tipo que resolvesse certos casos relativos à reinstalação.

Os livros de Esdras e de Neemias nos dão a conhecer (Ed 5.5; 6.7; 10.8; Ne 2.16; 5.7; 7.5), um Senado semelhante, devidamente organizado, que mantinha relações oficiais com os funcionários persas, dirigia a construção do Templo e dava ordens aos seus correligionários, ameaçando com a excomunhão os recalcitrantes. Igualmente se fala desta assembleia durante a dominação grega.
Mais tarde, o procônsul romano Gabínio (57-55 a.C.), no tempo de seu governo na província da Síria, criou na Palestina até cinco sinédrios, encarregados da administração política e judicial em outros tantos distritos especiais da Palestina.
O Sinédrio criado em Jerusalém terminou eclipsando os outros quatro e conquistando jurisdição no ponto de vista religioso, sobretudo perante o povo de Israel. Essa jurisdição era muito ampla, mesmo durante a dominação romana. Abarcava as causas civis e religiosas de alguma importância, como, por exemplo, a acusação de idolatria em alguma cidade, as falsas profecias, a ampliação dos átrios do Templo.
Ptolomeu Filadelfo,
rei do Egito (287-247 a.C.),
que mandou traduzir o Antigo
Testamento do hebraico para
o grego (Septuaginta)
Desta maneira, o Sinédrio passou a ser um tribunal supremo de justiça, que velava sobre a pureza da doutrina. Por isto, foram seus delegados pedir explicações a João Batista com respeito à sua pregação e ao seu batismo (Jo 1.19-28); por isto mesmo, eles fizeram Jesus comparecer perante seu tribunal, condenando-o depois de  um simulacro de julgamento. Os romanos, ao despojarem o Sinédrio de toda a influência política, deixaram-lhe certos privilégios, entre outros o de pronunciar sentenças capitais, mas estas não podiam ser executadas sem a autorização expressa do governador. Pilatos, certo dia, lembrou os judeus disso com ironia (Jo 18.31).
O Sinédrio era composto de setenta e um membros, que pertenciam a três classes diferentes da sociedade judaica. Havia nele príncipes dos sacerdotes, ou seja, os principais membros da aristocracia sacerdotal; doutores da lei, de quem logo falaremos detidamente; e os "anciãos" ou "notáveis", que representavam a aristocracia civil. O sumo sacerdote em função era o presidente (Mt 26.57; Jo 18.13-14; At 5.21,27; 7.1; 23.2) oficial desta ilustre assembleia que celebrava suas sessões ordinárias num local situado na área do Templo (Mt 27.41; Mc 8.31).

O POVO JUDEU NÃO ACREDITAM EM JESUS? CURIOSIDADE DO HEBRAICO BÍBLICO(*)

A maioria dos modernos seguidores de Cristo pensam erroneamente que o Novo Testamento afirma que o povo judeu rejeitou Jesus. Mas é a leitura do próprio Novo Testamento correta?
O texto de prova fundamental para a ideia dos "judeus rejeitando Jesus" vem da leitura errada tradicional do Evangelho de João, onde na tradução do original Koine Judeo-Grego lemos: "Ele veio aos Seus, mas os seus o receberam não." (João 1:11).
A interpretação padrão iguala “seu próprio” ao povo da religião judaica do primeiro século; cometendo assim dois erros interpretativos básicos. Primeiro, ele ignora a gramática do original - o primeiro “próprio” é neutro (τὰ ἴδια), mas o segundo “próprio” é masculino (οἱ ἴδιοι). Isso indica que pelo menos o primeiro “seu” não pode se referir aos judeus! O segundo erro ignora o fato de que a palavra (Ἰουδαῖοι - ioudaios) usada no Evangelho de João, tradicionalmente traduzida como “judeus” naquela época, não significava “povo da religião judaica” como significa hoje. O significado principal desta palavra era "judeus" ou mesmo "os líderes da região da Judéia".
O Novo Testamento reconhece que havia um véu colocado sobre Israel para o benefício espiritual de outras nações (uma reminiscência do véu que uma vez foi colocado no rosto de Moisés). Mas o Novo Testamento nunca afirma que "os judeus rejeitaram Jesus".
A pergunta que incomoda o apóstolo Paulo é “por que nem todos os judeus acreditam em Jesus”? Ele formulou a questão da seguinte forma: "Deus rejeitou Seu povo?"
Uma resposta muito clara segue: absolutamente não! … Atualmente há um remanescente, escolhido pela graça. (Romanos 11: 1,5) (*Este texto é parte de um artigo publicado originalmente em Israel Bible Center por Dr. Eli Lizorkin-Eyzenberg/Editado aqui por Costumes Bíblicos)

(*)SOBRE O ERRO DE TRADUÇÃO DA PALAVRA [Ἰουδαῖοι - ioudaios]
O problema é que a palavra grega Ioudaios não significa apenas uma coisa ou outra. Tem múltiplos sentidos e temos que fazer uma chamada para saber como traduzir esta palavra.
O sistema legal da Judéia também passou a ser a lei religiosa, como em muitas sociedades do antigo Oriente Próximo. A definição de um Ioudaios na antiguidade não é, portanto, apenas uma questão dentro do território da Judéia; torna-se um problema fora deste território, onde havia pessoas mantendo ou adotando as tradições da Judéia em regiões onde os sistemas jurídicos freqüentemente funcionavam de acordo com uma variedade de cidades-estado helenísticas.
Todas as distinções que faço em termos de palavras como “judeu”, “judeu” ou “judahita” são, na verdade, aquela única palavra em grego: Ioudaios . Muito depende da compreensão correta disso. Nenhuma palavra em inglês cobre todos os seus significados. Não temos soluções simples; nós temos complexos. Cada termo não tem limites rígidos e rápidos: um judeu da diáspora poderia ser também um judeu, em termos de origens, e um judeu, em termos de origem tribal, mas um judeu da diáspora poderia ser Helena da casa real Abiadene, que se converteu a Judaísmo ( Antiguidades 20: 34-53) Em cada texto, o contexto e as sutilezas da linguagem precisam ser cuidadosamente compreendidos para a tradução adequada do termo Ioudaios. Uma palavra em grego é usada para variantes de identidade e pertença que hoje desejaremos distinguir.
É importante ressaltar que quando a palavra Ioudaios é usada no Novo Testamento, ela também pode se referir a um grupo ainda mais preciso. No Evangelho de João, os Ioudaioi geralmente são “pessoas que vivem na Judéia e têm certas tradições lá” ou “as principais autoridades da Judéia, ou seja, os principais sacerdotes”, que se opõem a Jesus e seu movimento. Se você sempre traduzir esta palavra Ioudaioi simplesmente como “judeus” - o que é comum em nossas Bíblias em inglês - você criará uma oposição intrínseca entre dois grupos de pessoas que, na verdade, são ambos judeus, estritamente falando. De um lado, você tem um grupo de judeus galileus (judeus), que sobem a Jerusalém de acordo com os costumes judaicos para a festa da Páscoa. Por outro lado, você tem o Ioudaioi, geralmente traduzido como “os judeus”, que os odeia.
No entanto, com base em suas ações e autoridade no Evangelho de João, esses Ioudaioi são geralmente responsáveis ​​pela administração religiosa e legal do Templo e da cidade de Jerusalém, junto com seu território. “Os judeus” são então aqueles que estão no poder em Jerusalém, opostos a Jesus, o judeu da Galiléia, e são designados neste Evangelho como filhos de Satanás (João 8:44), porque eles (como aqueles que estão no poder em Jerusalém) são acusados ​​de sendo responsáveis ​​pelo assassinato de certos profetas que testemunharam aos que estavam no poder em Jerusalém nos tempos anteriores: assim, “os judeus” do Evangelho assassinaram judeus judeus que eram profetas. (*Fonte da informação: Marginalia Los Angeles - Fórum: Judeus e Judeus por Bruce Malinas um estudioso do mundo social do Novo Testamento)

2 comentários:

  1. Excelente trabalho, Deus abençoe a todos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Graciosa paz! Obrigado pelo incentivo! Volte sempre.

      Excluir

Obrigado por comentar! Fica na paz!
E peço isto: que o vosso amor cresça mais e mais em ciência e em todo o conhecimento,
Para que aproveis as coisas excelentes, para que sejais sinceros, e sem escândalo algum até ao dia de Cristo;
Cheios dos frutos de justiça, que são por Jesus Cristo, para glória e louvor de Deus.
Filipenses 1:9-11

DESTAQUE NO SITE

As grandes festas religiosas

As principais festas religiosas de Israel estavam intimamente relacionadas com as diferentes estações e com o ano agrícola (Veja "O...