COSTUMES BÍBLICOS: Os Hebreus


Os Hebreus

Você já leu na Bíblia, já viu em filmes a palavra "hebreu". Mas, já parou pra pensar o que realmente  significa "hebreus"?
Qual a origem dessa palavra e porque os filhos de Israel são chamados assim!
As páginas da Bíblia mencionam os antigos hebreus – um povo por meio do qual Deus se revelou ao mundo inteiro. Hoje as pessoas estudam a língua hebraica. A Bíblia também se refere a Israel e aos israelitas. Então, qual é a diferença entre hebreus e israelitas? Há uma passagem na Bíblia que ilustra isso de forma muito eficaz.
“…os homens de Israel viram que estavam em apuros…as pessoas se esconderam em cavernas, em matas, em penhascos… alguns dos hebreus atravessaram o Jordão para a terra de Gade e Gileade. Mas, quanto a Saul, ele ainda estava em Gilgal, e todo o povo o seguia tremendo. (1 Sm 13:6-7 NASB)
Este capítulo do primeiro livro de Samuel descreve o início do reinado do rei Saul e suas campanhas militares para derrotar os inimigos de Israel. Os soldados de Saul estavam com medo dos grandes exércitos filisteus que os confrontavam. O versículo 6 os chama de israelitas [homens de Israel] – יִשְׂרָאֵל (yisrael), mas o versículo 7 se refere a essas mesmas pessoas como “hebreus” – עִבְרִים (ivrim). Os termos “israelitas” e “hebreus” referem-se ao mesmo povo, mas seu significado não é sinônimo.

O בְּנֵי יִשְׂרָאֵל ( benei yisrael ) “filhos de Israel” significa literalmente pessoas que “lutam e exercem influência”. יִשְׂרָאֵל ( yisrael ) vem das palavras hebraicas שָׂרָה ( sarah ) "lutar" e אֵל (el) "Deus". Este nome “israelita” implica que eles são descendentes de Jacó.
O significado de “Hebreus” עִבְרִים (ivrim) pode ser visto em como os soldados de Saul (que temiam seus inimigos) se comportaram  וְעִבְרִים עָבְרוּ אֶת־הַיַּרְדֵּן veivrim avru et hayarden)) “e os hebreus cruzaram o Jordão”. Na verdade, as palavras “hebreus” e “cruzado” vêm da mesma raiz hebraica: עָבַר (avar) “atravessar”, “ir além”. A palavra para “vau” ou “travessia de água” é עֲבָרָה (avarah). Além disso, עֵבֶר (sempre) refere-se ao “outro lado” ou à “terra além do rio”. É também o nome de um dos bisnetos de Shem. O substantivo hebraico moderno עָבָר (avar) significa “o passado” – como em algo que já ocorreu. Literalmente, os hebreus são “pessoas que passaram para o outro lado”; pessoas que já “foram além”.
Na Torá, Abrão é chamado de “hebreu” – עִבְרִי (ivri) talvez porque ele cruzou de Haran para Canaan. No Egito, Jacó, seus filhos e seus descendentes também foram chamados de hebreus porque vieram “de além” (ou seja, de Canaã – Gn 43:32). Mas eles também eram israelitas, “destinados a lutar” e obter a liberdade contra todas as adversidades (Êx 3:18). Na realidade, ambos os nomes (hebreus e israelitas) são descrições tanto das origens quanto do destino desse povo. (A tradição judaica chama a família de Abraão de arameus.)
Alguns Costumes Peculiares 1 - o luto
Vários povos do antigo Oriente Próximo costumavam lamentar raspando a cabeça, raspando a barba, às vezes rasgando as roupas e até fazendo cortes e cortes no corpo (cf. Jer 41:5; 48:37). Os judeus antigos, no entanto, às vezes puxavam seus cabelos e barbas para ilustrar o sofrimento interno, mas não raspavam a cabeça quando lamentavam (Esdras 9:3) porque Deus os proibia expressamente de se envolver em tais práticas (Levítico 21:5).
Na tradição judaica moderna, os enlutados não se barbeiam nem cortam o cabelo e até param de se arrumar durante o período de luto. Os antigos israelitas pranteavam vestindo pano de saco. Eles colocavam cinzas sobre si mesmos e sentavam-se no chão (ver Gn 37:34; Dn 9:3; Lc 10:13). E o luto não ocorria apenas quando alguém morria; arrependimento diante de Deus e expectativa de problemas iminentes era outro motivo para lamentar (cf. 1 Reis 21:27, Neemias 9:1; Isaías 32:11)
“Quando Mardoqueu soube de tudo o que havia sido feito, rasgou suas roupas ( וַיִּקְרַע מָרְדֳּכַי אֶת־בְּגָדָיו ), vestiu-se de saco e cinzas ( וַיִּלְבַּש ׁ שַׂק וָאֵפֶר ), e saiu pelo meio da cidade e pranteou alto e amargamente” (Est. 4:1).
Isso pode soar muito incomum para as pessoas modernas, mas esses costumes peculiares têm uma lógica clara e um significado simbólico por trás deles. Em hebraico, שַׂק (sak) ou שַׂקִּים (sakim) é “saco” — um tecido áspero feito de pelo de cabra ou camelo usado principalmente para armazenamento (e não muito confortável de usar). Mas esse é o objetivo do luto deliberado: provocar um sentimento de humildade. A palavra hebraica para “cinzas” (אֵפֶר ; efer ) simboliza ruína e destruição.  O fogo queima tudo em seu caminho e deixa para trás apenas cinzas. Assim, as “cinzas” ( אֵפֶר ; efer ) servem como o símbolo máximo da desolação.
Rasgar roupas também representa o ato de destruição. As vestimentas no mundo antigo eram muito caras e eram até usadas como um substituto para a moeda. Destruir deliberadamente as próprias roupas é uma expressão visual de tristeza e turbulência interior. Esses costumes e comportamentos incomuns expressam arrependimento e humildade diante de nosso Criador; servem como reconhecimento da fragilidade humana e sublinham a condição de nossa existência sem a bondade de Deus em nossas vidas. 
No nível mais básico, rasgar é expressar a dor e sofrimento pela morte. A Lei da Torá encoraja - na verdade ordena - tais expressões como parte do processo de luto.
Mas há também um significado mais profundo. O Judaísmo vê a morte como uma moeda de duas faces. Por um lado, quando alguém morre, é uma tragédia. Eles estão perdidos para a família e amigos, e há um sentimento de separação e distância que parece além de reparo. Por este motivo eles observam um intenso período de sete dias de luto, durante o qual a família se senta em casa e sente aquela dor e a perda, seguido por um ano de luto.
O enlutado rasga as próprias roupas antes do funeral.
Quem deve rasgar as roupas?
Sete parentes estão obrigados a desempenhar esta prática: filho, filha, pai, mãe, irmão, irmã e cônjuge.
Eles devem ser adultos acima da idade de treze anos. Menores, que sejam realmente capazes de entender a situação e avaliar a perda, podem ter as roupas rasgadas por outros parentes ou amigos.
Portanto rasgam sua roupa. Isso tem um duplo significado. Estão reconhecendo a perda, que os seus corações estão rasgados. Mas em última análise, o corpo também é apenas uma roupa que a alma veste. A morte é quando tiramos um uniforme e usamos outro. A veste pode ser rasgada, mas a essência da pessoa dentro dela ainda está intacta.
No judaísmo, sob sua perspectiva mundana, a morte é de fato uma tragédia, e o sofrimento vivido pelos enlutados é real. Mas quando eles rasgam as roupas, esperam que dentro do seu sofrimento possam ter um vislumbre de uma verdade mais profunda: que as almas nunca morrem.
É costume após o enterro, ao sair do cemitério, arrancar um pouco de grama, para demonstrar que o falecido brotará de novo à vida quando da ressurreição dos mortos e jogá-la por cima do ombro direito para trás e recitar o seguinte: “Veyatsisu me’ir keêssev haáretz; zachur ki afar anáchnu” (Tradução: “Que eles (os falecidos) brotem (ressuscitem) como as plantas da terra”.
Um fato curioso é que os aborígines australianos [são nômades, caçadores e coletores de vegetais e praticam a *religião animista. No deserto, as populações concentram-se onde há água] também seguem essas crenças únicas.
[Contudo, a morte é natural e comum. Não é preciso lamentar a morte de alguém de forma puramente pragmática. Pode-se lamentar a própria condição humana que nos leva à morte. E embora exista, o Todo-Poderoso criou uma maneira de corrigir a brecha e nos deu o presente da vida eterna.]
[*O animismo, em termos gerais, é a doutrina de que os organismos vivos são animados por uma alma, ou seja, a alma é o princípio de vida orgânica e da vida psíquica. O conceito se refere a crenças cruas e ingênuas, nas quais se confundem imagens, sentimentos e realidade.]
Alguns Costumes Peculiares 2 - bênçãos durante as refeições
Para os judeus praticantes, toda refeição tem que terminar do mesmo modo que começou - com uma bênção. O judaísmo ensina que agradecer após as refeições é muito mais importante do que antes de comer. Quando você está com fome, é fácil agradecer a Deus pela comida que está prestes a comer. O verdadeiro teste para uma pessoa vem quando ele ou ela está saciado(a): "E comerás, te fartarás e louvarás ao Eterno, teu Deus, pela boa terra que te deu" (Deuteronômio 8:10). É mais importante que as pessoas sejam espiritualmente motivadas pela gratidão do que pela satisfação potencial de uma grande necessidade.
Todavia, antes de agradecerem pela refeição que tiveram, alguns judeus cumprem uma tradição fascinante: todas as facas são retiradas da mesa, pois as facas, assim como as espadas, são símbolos de guerra e de violência. Quando Deus passou instruções para a construção do altar no interior do Templo, insistiu para que as facas e as espadas não fossem utilizadas para cortar as pedras necessárias para aquela peça sagrada que serviria para promover a paz entre as pessoas.
A mesa onde comem é como um altar para Deus, e a comida que consomem pode ser considerada um sacrifício. Mais do que comer pelos mesmos motivos que os animais, alimentamos o receptáculo da alma. Por isso, muito mais do que um restaurante, a sala de jantar é como um Templo em miniatura, onde os judeus louvam a Deus não só com as bênçãos apropriadas mas, também, consumindo alimentos e bebidas que nutrem corpo e alma.
A chalá é um pão trançado que é consumido no Shabat
A simples palavra chalá significa "oferenda de massa." Aparece pela primeira vez na Torá. Passou a significar um tipo de pão trançado milhares de anos depois.
A chalá, como a Torá a descreve, é a Mitsvá Positiva nº 133. Trata-se de separar um pedaço de massa da mistura e dá-la ao cohen no Templo de Jerusalém. As mulheres judias através dos séculos faziam a massa caseira e então queimavam uma pequena parte dela, significando a ausência do Templo. Por fim, este pão tornou-se conhecido como chalá.
Atualmente, preservam o costume de separar a massa e queimá-la de forma especial. É uma das três mitsvot destinadas especificamente à mulher: acender as velas de Shabat, cuidar das leis de Taharat Hamishpachá (Pureza Familiar) e hafrashat Chalá (separar a massa).
Antes de separar a chalá, esta bênção é recitada:

Baruch ata Ado-nai Elohênu mélech haolam, asher kideshánu bemitsvotav, vetsi-vánu lehafrish chalá min haissá.

Bendito sejas Tu, Eterno nosso Deus, Rei do universo, que nos santificaste com Teus mandamentos e nos ordenaste separar uma parte da massa.

Há um costume muito bonito que consiste em cobrir a faca com a qual se corta a chalá enquanto recitamos a Bênção de Graças Após as Refeições, a fim de destacar nossa repulsa por implementos que podem ser usados para matar e destruir. Que chegue logo o tempo em que as espadas se transformarão em arados e as lanças em foices, quando não haverá mal nem destruição no mundo inteiro e as únicas facas serão para fatiar a chalá a ser comida com leite e mel – não com carne – em homenagem ao Shabat e às festas!
(O texto foi montado aqui por, Costumes Bíblicos, com partes de artigos publicados em Israel Bible Center e em Chabad.org e com conteúdo das pesquisas relacionadas aos temas)





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por comentar! Fica na paz!
E peço isto: que o vosso amor cresça mais e mais em ciência e em todo o conhecimento,
Para que aproveis as coisas excelentes, para que sejais sinceros, e sem escândalo algum até ao dia de Cristo;
Cheios dos frutos de justiça, que são por Jesus Cristo, para glória e louvor de Deus.
Filipenses 1:9-11

Postagem em destaque

Os Crentes Gentios Permanecem para sempre Distintos do Povo de Israel!

Os antigos comentaristas crentes posteriores ao Novo Testamento tendiam a ver os membros da igreja multinacional como um “novo” ou “verdadei...