Translate this Page

Rating: 3.1/5 (5683 votos)





DIVISÃO 

 

Dicas de como ler a Bíblia.

Biblia 

 

   Diário Espiritual

Saiba como fazer

AQUI

⇓ 

Biblia

DIVISÃO

ORAÇÃO

SACERDOTAL DO SENHOR

JESUS CRISTO

 

 

 

0 RECENSEAMENTO

CLICK AQUI ↓

recenseamento

 

A PESSOA DE JESUS CRISTO
Cristo
 

 

 Eu não acredito em Predestinação... O que você tem a dizer sobre isso? Pode me mostrar biblicamente se isso é verdade?

TIRE SUAS DÚVIDAS

AQUI 

Predestinação

    

ANJOS
Anjos

  

O FRUTO DO ESPÍRITO

  

A DIÁSPORA JUDAICA
Judeus

 

Problemas de natureza sexual na igreja de Corinto. Click aqui ↓

Corinto

 

 

 

 

 

 

 

  

O PRIMEIRO DIA DA PÁSCOA

Reunindo a evidência dos quatro  Evangelhos, podemos sugerir a seguinte sequência de acontecimentos:

Veja JESUS - A RESSURREIÇÃO 

 

 

 

 

 

 

   

 

 

 

 

A PÁSCOA E A ÚLTIMA CEIA
Páscoa

 

A BÍBLIA DO PONTO DE VISTA FEMININO

Gênesis começa com o fato de que homens e mulheres foram criados iguais à vista de Deus e na presença um do outro. A criação de ambos é considerada muito boa (Gn 1.31).

LEIA MAIS

A Bíblia

 

Histórias da Criação

Histórias da Criação

MAIS CURIOSIDADES BÍBLICAS GERAIS 
CURIOSIDADES

 DIVISÃO

 


Jonas

Logo Design by FlamingText.com

Preocupação universal de Deus

 

Jonas - ("pomba", em hebraico) foi um profeta israelita da cidade de Gate-Hefer, próxima a Nazaré, que ministrou ao norte de Israel durante o reinado de Jeroboão II (793-753a.C.). Jonas previu os triunfos militares desse rei na expansão das fronteiras israelitas aos limites que costumavam ter no reinado davídico-salomônico (2 Rs 14.25).

Seu ministério de profetizar bênção e expansão política a Israel certamente conflitou com seu ministério em Nínive, onde ofereceu uma oportunidade para que os assírios, inimigos odiados de Israel, evitassem o desastre que o Senhor havia planejado enviar sobre eles.

Por causa dos elementos sobrenaturais na história e da improbabilidade de o povo ninivitaresponder aos alertas de um profeta hebreu, críticos modernos atuais tendem a considerar a história de Jonas como uma alegoria, uma parábola ou uma lenda profética. O livro tem claramente o propósito didático de mostrar a preocupação redentora de Deus para com o povo assírio, mas nenhum indício literário sugere que ele deva ser lido de outra forma que não como uma narrativa histórica normal. Os elementos sobrenaturais são explicados pelo envolvimento divino na vida de Jonas, e acontecimentos milagrosos semelhantes aparecem nas narrativas históricas da vida de Elias e Eliseu (1--2 Rs). Jesus ainda confirmou a historicidade da narrativa de Jonas em duas ocasiões: quando comparou Seu feturo sepultamento à situação do profeta dentro do peixe por três dias e quando falou sobre o julgamento de Nínive com relação às cidades israelitas de Sua própria época (Mt 12.39-41; Lc 11.29,30).

O fato de Nínive ter se arrependido não significa que toda a cidade ou toda a nação assíria converteu-se a Jeová. A cidade abandonou temporariamente seus caminhos maus e violentos, e o Senhor poupo-a da destruição em resposta a esse arrependimento. No entanto, é questionável se essas mudanças foram duradouras, uma vez que os alertas de Jonas apenas adiaram a destruição da cidade.

Nínive

No século seguinte, o profeta Naum anunciou o julgamento de Nínive por causa de violência e derramamento de sangue; assim, os babilônios e medos capturaram e destruíram a cidade em 612 a.C. Vários incidentes parecem ter motivado os moradores de Nínive a considerar com seriedade os alertas de Jonas acerca do juízo: um eclipse total do sol ocorreu em 763 a.C., pressagiando o mal para todos na terra da Assíria; um terremoto, outro sinal de descontentamento divino, aconteceu durante o reinado de Assurdã III (773-756 a.C.); e fome e distúrbios civis generalizados eram comuns na Assíria de 765 a 759 a.C. É natural que os ninivitas tenham achado que os deuses estavam irados durante essa época de crise nacional.

Estrutura
  1. Jonas foge de seu chamado para profetizar (Jn 1--2) A. Desobediência de Jonas e as consequências disso (Jn 1) B. Livramento de Jonas e sua gratidão (Jn 2)
  2. Jonas cumpre seu chamado para profetizar (Jn 3--4) A. Obediência de Jonas e arrependimento de Nínive (Jn 3) B. Descontentamento de Jonas com a salvação do Senhor (Jn 4).
Três grandes atos de salvação no livro de Jonas
  1. Deus poupa os marinheiros, e os marinheiros adoram-no (Jn 1.16)
  2. Deus poupa Jonas, e Jonas adora-o (Jn 2.1-9)
  3. Deus poupa Nínive, e jonas reclama (Jn 4.1-8)

 

 

 

 

 

 

 

 

O livro é sobre justiça e misericórdia. Jonas teve que aprender que o relacionamento especial de Israel com Deus não implicava exclusividade. O cuidado e o interesse de Deus - seu propósito de salvar - se estendem a todo o mundo, até ao inimigo assírio que em 722/1 a.C. destruiu Israel. A história deve ter causado impacto significativo nos líderes judeus que compartilhavam a opinião de Jonas.

Jesus ressaltou dois outros pontos: o paralelo com os três dias que ele haveria de passar no túmulo; e o pronto arrependimento dos ninivitas em contraste com os seus ouvintes (Mt 12.41; Lc 11.32).

O AT não dá detalhes sobre o autor de Jonas ou a data de autoria. A única outra menção de um profeta com este nome aparece em 2Rs 14.25. Isto dataria esta história de meados do século 8 a.C. Nínive, capital da poderosa Assíria e assunto deste livro, foi destruída pelos babilônios em 612 a.C. Nada elimina completamente a data antiga sugerida pelo contexto, mas a maioria dos estudiosos data o livro do período do período do exílio, com base na linguagem e em certos problemas históricos (veja 1.17; 3.3 abaixo).

Jn 1: Jonas não aceita a missão de Deus

Chamado por Deus para ir a Nínive e denunciar a iniquidade do povo, Jonas zarpou na direção contrária. E Jn 4.2 diz por quê. Não é que ele estava com medo (o v. 12 mostra que não lhe faltava coragem!), mas ele conhecia Deus muito bem. Se os ninivitas se arrependessem e mudassem sua conduta, Deus os perdoaria. E Jonas queria que esta cruel nação inimiga fosse destruída. Por isso, desobedeceu. Ao tentarem salvar a vida dele, os marinheiros pagãos se revelaram mais bondosos que o homem de Deus (13).

V. "Um navio que ia para Társis": possivelmente Tartessos, na Espanha. Jonas foi para o oeste, o mais longe possível de Nínive.

Um grande peixe (17) Embora cachalotes e tubarões grandes o suficiente para engolir uma pessoa sejam encontrados no Mediterrâneo oriental, este incidente claramente devia ser coisas que Deus "manda" ou "envia" nesta história (veja 1.4;4.6-8). A discussão em torno disso não deveria nos impedir de ver o objetivo da história.

Jn 2: A oração de Jonas

Este salmo comovente registra o clamor de Jonas no ventre do peixe. De forma bem plástica, ele descreve como escapou da morte por afogamento, um destino do qual Deus o salvou. Apesar do aperto, ele caiu em si e lembrou-se daquele a quem deveria ser fiel (8-9). E Deus respondeu, trazendo-o de volta ao mundo de luz e dar (10). Ele teria a chance de recomeçar.

Abismo (2,ARA) O "Sheol" ou mundo dos mortos.

Jn 3: Os ninivitas se arrependem

Desta vez, quando o chamado de Deus foi renovado, Jonas logo obedeceu e foi a Nínive. E sua mensagem produziu um efeito notável! A cidade inteira, do maior ao menor, se arrependeu. E Deus os poupou.

 Três dias para percorrê-la (3) Se este não for um exagero do autor para impressionar, então se aplica a uma área mais ampla do que a cidade  propriamente. O muro interno da cidade havia sido ampliado de três para mais de 12 Km de circuito pelo rei Senaqueribe.

Deus se arrependeu (10, ARA) Veja Am 7.3.

Jn 4 Uma dura lição para Jonas

Jonas queria que Deus limitasse o seu amor e sua misericórdia a Israel, e deixasse os pagãos  entregues à sua sorte. Em vez de alegrar-se que sua mensagem provocou uma reação tão fantástica, ele ficou furioso. E não foi só porque não queria fazer o papel de bobo. Não havia compaixão pelo povo de Nínive no coração de Jonas. E assim Deus se valeu de uma planta (um pé de mamona) para ensinar-lhe uma importante lição (6-11). Existe, aqui, um sutil jogo de palavras: "ter pena" pode também ter o significado de "ficar triste por perder" algo. Jonas ficou triste por perder a planta, assim como Deus ficaria triste por perder Nínive. Mas os sentimentos de Deus, ao contrário dos de Jonas, brotavam de uma profunda compaixão (11).

Oceano Pacífico

Jonas estava tão decidido a fugir de Deus e da missão que havia recebido que todo o seu medo natural diante de uma longa viagem marítima foi ignorado. Para os judeus, o mar era amedrontador, o grande desconhecido, o hábitat de monstros marinhos e do caos.

leia a bíblia

Por Gospel+ - Biblia Online

 

 

DIVISÃO

 

Visit COSTUMES BÍBLICOS's profile on Pinterest.

 

DIVISÃO

 

Aceite a Jesus! - Clique aqui!

DIVISÃO 
Dicio.com.br

 

 

Gospel+

Por Gospel+ - Gospel+ Noticias